Imagem da matéria: Divisão da polícia dos EUA contrata serviço para custodiar milhares de bitcoins apreendidos
(Foto: Shutterstock)

O governo dos EUA autorizou a contratação de uma empresa de criptomoedas para custodiar bitcoin, ethereum, e outros ativos apreendidos pelas autoridades americanas, que até então ficavam sob a guarda do U.S. Marshals Service, órgão de polícia ligado ao Departamento de Justiça (DoJ). O documento com as informações do contrato foi publicado na quarta-feira (21) na página da Administração de Serviços Gerais (ASG).

O valor do contrato será de US$ 4,5 milhões e a gerenciadora dos fundos será a BitGo, empresa com sede em Palo Alto, na Califórnia, e uma das maiores do setor de custódia. Durante sua trajetória, conquistou vários investidores de peso, como Goldman Sachs e Galaxy Digital Ventures. 

Publicidade

“O objetivo deste contrato é fornecer uma gama completa de serviços de gerenciamento e descarte de moeda virtual”, diz um trecho do documento.

A duração do contrato, contudo, não foi divulgada. Mas o documento lista uma série de obrigações da nova contratada, que além da custódia e do gerenciamento, terá que realizar contabilidade, descarte e ficar de olho nos hard forks que eventualmente venham a ocorrer. O U.S. Marshals descreve ainda a necessidade “descartar” mais de US$ 50 milhões em criptomoedas por ano.

Empresa se diz honrada

Nesta quinta-feira (22), no Twitter, a empresa comentou o ‘triunfo’: “Estamos honrados por termos sido escolhidos”, escreveu, acrescentando seu compromisso de garantir que os ativos digitais sejam gerenciados da maneira mais segura possível.

Em uma entrevista recente, segundo o Bloomberg, Pete Najarian, diretor de receita da BitGo, disse o seguinte: “Trabalhamos duro todos os dias para gerenciar o que acreditamos ser o ambiente mais seguro para manter ativos digitais. Estamos entusiasmados por trabalhar com uma agência tão importante como o US Marshals Service”.

Publicidade

Processo foi aberto há 1 ano

A contratação da BitGo é o desfecho de um processo que começou há cerca de uma década, ou seja, pelo menos desde meados de abril do ano passado, o U.S. Marshals Service sente a falta de uma equipe especializada para guardar sem segurança os ativos apreendidos de criminosos.

Vale lembrar que a agência vem leiloando bitcoins e outros ativos apreendidos desde desde 2014, quando o investidor americano Tim Draper arrematou 30 mil BTCs. Na época, a unidade da criptomoeda era cotada a US$ 650.

VOCÊ PODE GOSTAR
Joe Biden posa para foto

Biden expulsa mineradora cripto chinesa de área próxima a base militar: “Risco de espionagem”

O governo afirma que a MineOne possui equipamentos especializados de origem estrangeira potencialmente capazes de facilitar atividades de vigilância e espionagem
Tela de celular mostra logotipo Drex- no fundo notas de cem reais

Banco Central adia Drex para realizar novos de testes de privacidade

BC explica que primeira fase de testes foi focada em elementos de privacidade, mas as soluções encontradas “ainda não estão maduras”
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide