Imagem da matéria: Diretor do Nubank defende Real Digital como chance do BC entrar nas finanças descentralizadas
Foto: Shutterstock

O Banco Central do Brasil realizou nesta terça-feira (19) o quinto webinar da série “O Real Digital” que discute com especialistas do setor financeiro os caminhos para a criação de uma moeda digital do banco central (CBDC) aqui no Brasil. 

O diretor de Relações Institucionais do Nubank, Bruno Magrani, foi um dos participantes do debate que mais defendeu o real digital como uma porta de entrada do Banco Central ao meio das finanças descentralizadas (DeFi).

Publicidade

“Acho que o Banco Central tem a oportunidade única de não ignorar o movimento das finanças descentralizadas, mas sim se abrir para operar e levar para esse mundo garantias que são importantes para as pessoas”, declarou o executivo no painel “Emissão e Movimentação” que dividiu com Leandro Vilain, Diretor de Inovação, Produtos e Serviços da Febraban e Márcio Garcia, professor de Economia da PUC-RJ. 

O foco do encontro mediado Rogério Lucca, Chefe do Departamento de Operações Bancárias e de Sistema de Pagamentos do BC, foi avançar na discussão de estratégias de criação, distribuição e custódia da nova versão da moeda brasileira, bem como avançar nas diretrizes já emitidas pela autoridade monetária sobre o projeto.

Durante o webinar transmitido ao vivo no Youtube, o diretor do Nubank não ignorou o avanço das criptomoedas e chegou a comparar todo o ecossistema financeiro que elas trouxeram ao surgimento da internet no final da década de 90.

“Quando você volta para aquela década, ninguém conseguia prever qual inovação a internet traria para o setor financeiro”, disse Magrani. “O que podemos aprender com a inovação da internet é que quando você oferece uma infraestrutura aberta e interoperável, você garante que a inovação continuará a acontecer”.

Publicidade

Nubank e inovação

Embora ainda seja nebuloso como será o futuro do real digital, o diretor do Nubank citou os  contratos inteligentes, oráculos e DeFi como frentes que os participantes do sistema financeiro tradicional poderão ter acesso quando o BC lançar a CBDC.

“Os contratos inteligentes são uma das principais ferramentas que permitem modelos de negócios com um poder de transformação gigantesco para a sociedade […] Mas é difícil o sistema tradicional fazer essa conexão, por isso surgem stablecoins privadas para fazer a interface com as tecnologias”.

Segundo ele, o sistema financeiro brasileiro já tem uma qualidade reconhecida mundialmente por lançar inovações como o Pix. O próximo passo agora seria focar no real digital: “O BC tem aqui uma chance de garantir o futuro da inovação para o sistema financeiro, tanto para as empresas, para garantir espaço a novas fontes de receitas, como para as pessoas que querem acesso a serviços diferentes”.

A série de webinar “O Real Digital” que o Banco Central promove desde julho continua até o mês de novembro, quando acontece os dois encontros finais: Integração internacional e Tecnologias para emissão e compatibilidade com arranjos existentes.

VOCÊ PODE GOSTAR
Moedas de Bitcoin sobre mesa espelhada

Estudo mostra que 61% dos investidores brasileiros não pretendem vender Bitcoin

Pesquisa realizada pela Bitget releva otimismo pós-halving do Bitcoin
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo
Pizza em uma mão moeda de bitcoin na outra

Bitcoin Pizza Day: Corretoras comemoram data histórica do Bitcoin com promoções; confira

Semana tem pizza grátis, cashback, joguinho e descontos em comemoração à primeira transação comercial com o Bitcoin realizada há 14 anos