Imagem da matéria: Diretor do BNDES dá detalhes técnicos sobre a criação da Rede Brasil de Blockchain
Gladstone Arantes, diretor de blockchain do BNDES (Foto: Fernando Martines/Portal do Bitcoin)

O governo brasileiro está criando a Rede Brasil de Blockchain (RBB). Não é uma ideia nova: o projeto começou a ser idealizado em 2018. Mas na segunda-feira (14), Gladstone Arantes, chefe de iniciativas de blockchain do BNDES, trouxe novos detalhes sobre o projeto durante o Ethereum.Rio, evento da Ethereum Foundation que ocorre no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro.

A RBB irá rodar na Hyperledger Besu 2.0, um sistema com protocolo de consenso baseado em prova de autoridade (“proof of authority”), no qual não haverá mineração. O objetivo parece ser simplificar a rede ao manter uma camada de controle junto aos agentes estatais.

Publicidade

“O que acontecia no governo brasileiro e ainda acontece é que, para cada caso de uso, se cria a própria infraestrutura e network. Isso bloqueia a inovação. É como se fossemos fazer o Google, mas antes tivéssemos que fazer a internet. Por isso, após discutirmos com nossos parceiros, vimos que era uma necessidade criar uma estrutura única e é isso que estamos fazendo com a Rede Blockchain Brasil”, disse Gladstone.

Segundo o diretor do BNDES, a RBB é inspirada em projetos já existentes da América Latina, Europa e Espanha, e a meta é aumentar exponencialmente a transparência dos gastos públicos.

O projeto está sendo desenvolvido em parceria com a Dataprev (Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência), a universidade PUC-Rio, a Prodemge (Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais), Prodest (Instituto de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Espírito Santo) e a IDB LAB (laboratório de inovação do American Development Bank Group).

Além disso, todos os passos do projeto estão sendo alinhados com o Tribunal de Contas da União, órgão responsável por fiscalizar os gastos públicos brasileiros feitos por todas as empresas, agências, entes governamentais e pessoas (sejam elas em cargo público ou não).

Publicidade

“Estamos buscando um jeito de tornar acessível a blockchain para cada cidadão, para que ele possa fazer sua auditoria. Então estamos tentando montar a estrutura mais simples possível, pois precisamos começar de algum lugar”, concluiu Gladstone.

VOCÊ PODE GOSTAR
logo do bitcoin em cima de livro

Goiânia recebe lançamento do livro “101 Perguntas Sobre Bitcoin”

A obra da Editora Portal do Bitcoin escrita pelo engenheiro Breno Brito serve como um guia para compreensão da criptomoeda mais popular do mundo; veja como participar
Celular mostra logotipo da Solana

Solana labs lança plataforma para programas de fidelidade

A empresa promete processo de integração cujas marcas “não precisam de nenhum conhecimento em blockchain”
Imagem de Glaidson Acácio dos Santos, mais conhecido como Faraó do Bitcoin

Gilmar Mendes mantém prisão de Glaidson Acácio dos Santos, criador da GAS Consultoria

A defesa do ‘Faraó do Bitcoin’ alegou problemas psiquiátricos e uso de medicamento controlado, além de questionar a jurisdição acerca da competência para os processos
Policial algemando suspeito durante a noite

Médico perde R$ 500 mil em criptomoedas após encontro por aplicativo e sequestro; suspeitos são presos

Os sequestradores que aplicaram o famoso ‘golpe do amor’ foram presos rapidamente pela PM de SP; Polícia Civil investiga o paradeiro dos ativos