Imagem da matéria: "Diretor de empresa de criptomoedas teve morte encomendada", diz delegado
Guilherme Grabarski trabalhava em uma empresa chamada Compralo (Foto: Arquivo pessoal)

O diretor da empresa de criptomoedas Compralo Guilherme Grabarski — alvo de uma tentativa de homicídio na noite da terça-feira (6), em Curitiba (PR) — teve a morte encomendada, segundo o delegado que cuida do caso, Thiago Nóbrega, da 3ª Delegacia de Homicídios da capital paranaense.

“O que apuramos até o momento é que alguém encomendou a morte do Grabarski. Isso porque o carro onde estavam os atiradores, um Etios vermelho, seguiu Grabarski, que estava em um Audi A4, da porta da empresa onde ele trabalha até o local onde ocorreram os disparos”, disse ao Portal do Bitcoin.

Publicidade

A tentativa de homicídio ocorreu próximo do terminal de ônibus do bairro Campo Comprido, na região Oeste da cidade. Dois atiradores fizeram diversos disparos contra o veículo da vítima. A polícia encontrou oito estojos calibre 380 no chão. Grabarski, segundo o delegado, foi atingido por quatro tiros, um deles na cabeça.

Logo após o ocorrido, a vítima foi encaminhada em estado grave para Hospital Evangélico Mackenzie e passou por uma cirurgia. De acordo com informações repassadas pelo hospital na tarde desta quarta-feira (7), ele está na UTI em estado gravíssimo.

Motivação

O delegado disse para a reportagem que ainda é cedo para determinar o motivo do crime.

O que foi apurado até agora, afirmou, é que o carro dos atirados era roubado e que o caso pode estar ligado ao trabalho de Grabarski, que é diretor-executivo da Compralo, que supostamente atua no ramo de pagamentos e carteiras digitais para transações com criptomoedas.

“A vítima trabalha faz um ano e meio com criptomoedas, e a gente sabe que pessoas perdem dinheiro nessa área, então pode ser que tenha relação, mas não posso afirmar nada com certeza ainda”, disse Nóbrega.

Publicidade

O delegado falou também que a Compralo pertence ao empresário Francisley Valdevino da Silva, criador da InterArg, da Intergalaxy e da Wolkeb Club:

“Há denúncias de que ele (Francisley) aplicava golpes no passado. Pode ser que o crime tenha relação com isso. Mas é tudo muito recente. A gente está levantando tudo”.

Na plataforma Reclame Aqui, há diversas reclamações sobre a Wolkeb Club, que oferecia um serviço de clube de compras e descontos para os conveniados.

O empresário, outros funcionários da empresa e familiares da vítima — que não tinha passagens pela polícia — serão ouvidas nos próximos dias. O delegado Nóbrega falou que quem tiver informações sobre o caso pode ligar para 0800-643-1121

VOCÊ PODE GOSTAR
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube