Imagem da matéria: Dados da B3 mostram que não são 99% que perdem no day trade
Imagem: Shutterstock


Em um estudo publicado no início desta semana, a Bolsa de Valores informou que 60% dos cerca de 100 mil investidores que realizaram operações de day trade em 2020 conseguiram lucrar.

O ganho apontado pela B3 foi pouco – mediana de R$ 48 -, mas a informação gerou uma dúvida no mercado: será que os dados da Bolsa vão na contramão daquela famosa pesquisa da FGV que diz que apenas 1% dos day traders brasileiros conseguem obter lucro?

Publicidade

Vale lembrar que o estudo da FGV foi publicado no início de 2019 pelos economistas Fernando Chague e Bruno Giovannetti e atualizado em setembro deste ano. No levantamento, os pesquisadores levaram em consideração centenas de operações feitas por 554 day traders entre 2013 e 2018.

Qual a diferença entre os dados?

Bruno Giovannetti, que tem Ph.D. em Economia pela Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, disse à reportagem do Portal do Bitcoin que a informação da B3 e os dados publicados no estudo são diferentes.

A B3, segundo ele, misturou tanto quem faz day trade apenas uma vez como quem faz todos os dias. Já a pesquisa feita por ele e Chague, falou, levou em consideração investidores que fizeram operações diárias na Bolsa por mais de 300 pregões.

“Se você jogar roleta uma vez (referência ao day trade), a chance de você ganhar é 48%. Já se você joga a roleta 300 vezes, as chances diminuem muito”, explicou Giovannetti por meio de um aplicativo de mensagens.

Publicidade

Homem, sem filho e com salário de até R$ 5 mil

Divergências à parte, o relatório divulgado pela B3 apresentou um perfil dos 2 milhões de investidores que entraram na Bolsa entre 2019 e 2020.

Dentro desse recorte, que representa 62% das 3,2 milhões de contas cadastradas na Bolsa, os investidores são jovens (média de 32 anos), sem filhos (60%), com renda mensal de até R$5 mil (56%) e com trabalho em tempo integral (62%).

Do total, 74% dos investidores são homens e apenas 26% são mulheres. Menos de 5% deles realizam operações day trade.

O valor médio do primeiro investimento entre os investidores pessoa física (independente da idade) foi de apenas R$ 660 em outubro deste ano – 58% menor do que o valor registrado em outubro de 2018. Já o primeiro investimento entre aqueles com idade entre 16 a 25 anos foi menor ainda – R$ 225.

Publicidade

Papel dos influenciadores

De acordo com a pesquisa, 73% dos novos investidores da Bolsa consomem informações sobre investimento na internet, sendo que 60% fazem isso por meio de influenciadores digitais. Apesar disso, praticamente ¾ dos entrevistados disseram que, mesmo após receberem informações de terceiros, tomam decisões de investimento por conta própria.

Vale lembrar que o Brasil está infestado de youtubers que fazem promessas mirabolantes sobre ganhos com day trader, mas não entregam o que prometem. Um deles é o Ports Trader, que responde a ações por danos morais por causa disso. Outro exemplo é o Matheus Gama, que afirma ser possível ganhar R$ 1 mil por dia na Bolsa, mas é desmentido por alunos.

VOCÊ PODE GOSTAR
Sede da Braiscompany em Campina Grande, Paraíba

TRF anula contrato e Braiscompany é condenada a pagar R$ 50 mil a cliente

O contrato de serviço de cessão temporária de criptoativos foi anulado pela 17ª Vara Cível de Brasília
Policial algemando suspeito durante a noite

Médico perde R$ 500 mil em criptomoedas após encontro por aplicativo e sequestro; suspeitos são presos

Os sequestradores que aplicaram o famoso ‘golpe do amor’ foram presos rapidamente pela PM de SP; Polícia Civil investiga o paradeiro dos ativos
Imagem de Glaidson Acácio dos Santos, mais conhecido como Faraó do Bitcoin

Gilmar Mendes mantém prisão de Glaidson Acácio dos Santos, criador da GAS Consultoria

A defesa do ‘Faraó do Bitcoin’ alegou problemas psiquiátricos e uso de medicamento controlado, além de questionar a jurisdição acerca da competência para os processos
Homem preso com as mãos algemadas nas costas

Polícia do Rio prende suspeitos de integrar quadrilha especializada em golpes com criptomoedas

Operação ‘Investimento de Araque’ foi deflagrada nos estados do Rio, Amazonas e Pará; suspeitos movimentaram mais de R$ 15 milhões em dois anos