piramide financeira criptomoedas
Shutterstock

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) rejeitou uma proposta de acordo feita pela Wemake Marketing e Estratégias Digitais Eireli e seu dono, Evandro Jung de Araújo Correa, por entender que não haveria como aceitar um acordo diante da gravidade do caso e dos indícios de crimes cometidos.

A Wemake trava uma luta contra a CVM e autoridades desde 2019, quando foi acusada de ofertar ilegalmente valores mobiliários, o que mais para frente também se tornou uma investigação de operação fraudulenta. Na época, o regulador mandou que a empresa suspendesse os negócios, o que não aconteceu.

Publicidade

“Após analisar o caso, o Comitê de Termo de Compromisso (CTC) entendeu não ser oportuna e conveniente a aceitação da proposta conjunta, tendo em vista a gravidade, em tese, do caso, em que há supostos indícios de operação fraudulenta, além do impedimento jurídico apontado pela PFE-CVM”, diz comunicado emitido pela CVM na quarta-feira (18).

Em 2019, a Wemake dizia trabalhar com investimentos atrelados a operações de mineraçãoarbitragem, trading, ICOs e custódia de criptomoedas.

Para a custódia, a companhia dizia ter um ativo chamado WCP, com valor unitário de R$ 1,10, que se destinava à comercialização interna de títulos acionários a favor da empresa. Além disso, a Wemake dizia que a média mensal de rendimento do WCP variava entre 5% e 10% ao mês, ficando o cliente com 70% do lucro.

Na ocasião, após a ordem da CVM, a Wemake chegou a desafiar o regulador e dizer ao Portal do Bitcoin que “órgãos financeiros precisam tomar conta das suas moedas e economias locais”.

As propostas falhas da Wemake

Em novembro daquele ano, a Wemake encerrou suas operações de forma repentina, deixando apenas um recado em seu site: “Cumpriremos todos os contratos ativos de custódia, e entregaremos a cada um dos nossos associados os tokens em carteira ERC20 que deve ser informada no menu ‘Transferências’ da Conta Digital”.

Publicidade

Essa promessa feita no site não foi cumprida e os clientes não receberam seus recursos, sendo, inclusive, a mesma proposta feita pela empresa para acordo com a CVM e que foi rejeitada nesta semana.

“A proposta não é apta a indenizar os prejuízos causados ao investidores lesados tendo em vista que (i) não existe clareza sobre o valor financeiro que estes ativos teriam, sendo, de certa forma, mais um arranjo comercial proposto pelo ofertante para substituir o contrato de investimento coletivo; (ii) os investidores fizeram o investimento com o objetivo de receber, posteriormente, o valor investido com o acréscimo de juros no momento da recompra do CIC pelo ofertante, o que não ocorreu”, concluiu a CVM.

VOCÊ PODE GOSTAR
Foco em uma moeda dourada de Ethereum (ETH)

Aprovação do ETF de Ethereum pode acontecer antes do esperado, diz Coinbase

Maior exchange de criptomoedas dos EUA, a Coinbase está confiante de que a SEC aprovará ETFs de Ethereum à vista muito em breve, apesar do pessimismo mais amplo
Arte digital mostra mãos operando um celular que projeta moedas

Como declarar tokens de utilidade no Imposto de Renda 2024?

Entenda como declarar os utility tokens, ativos que dão acesso a serviços específicos
Costas de um policial de Hong Kong

Empresário e filho se entregam à polícia após sequestrarem investidora de criptomoedas

A dupla teria tentado acertar as contas com a mulher de 55 anos que teria intermediado um investimento de cerca de R$ 10 milhões em criptomoedas
Imagem da matéria: Ethereum Rio: Começa hoje evento que promove ecossistema da segunda maior criptomoeda do mundo

Ethereum Rio: Começa hoje evento que promove ecossistema da segunda maior criptomoeda do mundo

Evento Ethereum Rio ocorre entre os dias 13 e 15 de maio no Porto Maravalley, Rio de Janeiro