Imagem da matéria: CVM da Tailândia dá ultimato à Huobi e pede que exchange devolva fundos de clientes
Foto: shutterstock

A Comissão de Valores Mobiliários e Câmbio da Tailândia apertou o cerco contra uma das maiores exchanges de criptomoedas do mundo, a Huobi, e deu três meses para a empresa devolver os fundos aos clientes e fechar sua plataforma local. As informações foram publicadas pelo Bangkok Post.

O motivo da interdição, conforme comunicado do regulador citado pelo site, é que a empresa não cumpriu com os requisitos regulatórios, mesmo o órgão tendo dado duas chances para fazê-lo nos últimos cinco meses. Além disso, diz a publicação, a CVM tailandesa redigiu uma resolução que recomenda ao ministro das finanças do país a revogação da licença da Huobi que estava vigente desde 2019. Nesse meio tempo, a exchange mudou o nome para DSDAQ Co.Ltd.

Publicidade

Huobi não cumpriu requisitos

Durante uma revisão técnica no ambiente operacional da Huobi que ocorreu entre os meses de fevereiro e março deste ano, o regulador disse ter encontrado tanto falhas na estrutura quanto na gestão de ativos da empresa e concluiu que tais irregularidades violavam os regulamentos.

A comissão se reuniu então e solicitou à Huobi que corrigisse os erros, de acordo com a Lei de Ativos Digitais. No entanto, segundo o regulador, a empresa não conseguiu resolver o problema dentro do prazo.

Em abril, o órgão decidiu pedir à Huobi que suspendesse temporariamente seus serviços e corrigisse as falhas em uma determinada data. A comissão também pediu à empresa que devolvesse os ativos aos seus clientes.

No entanto, a exchange continuou pedindo extensões do prazo e foi atendida. Porém, até o último dia 3 deste mês, a corretora ainda não tinha sido capaz de resolver os problemas após meses de espera.

Publicidade

Exchange enfrenta governos 

No mês passado, a Huobi entrou na mira do órgão regulador da Espanha, a CNMV, juntamente com mais 11 empresas de criptomoedas, por oferecer derivativos de bitcoin. A entidade disse que as empresas citadas não estão listadas no correspondente registro da comissão e, portanto, não estão autorizadas a fornecer serviços de investimento ou outras atividades sujeitas a supervisão da instituição.

Em julho, a exchange decidiu dissolver sua subsidiária ‘Beijing Huobi Tianxia Network Technology Limited’, baseada em Beijing, na China. A medida também já havia sido tomada pela Okcoin um mês antes, em decorrência da repressão do governo a empresas do setor.

A Huobi lançou uma filial no Brasil em 2018, mas por motivo desconhecido encerrou as operações meses depois. No mês passado, mudanças na plataforma sugeriram que a empresa não desistiu do país, quando passou a permitir o uso do real na compra de bitcoin, ethereum, entre outras criptomoedas.

VOCÊ PODE GOSTAR
Moedas douradas à frente de bandeira do Brasil

Fundos de criptomoedas têm semana negativa, mas Brasil registra entrada de R$ 15 milhões

Brasil segue momento positivo para fundos de criptomoedas, enquanto produtos ao redor do mundo têm semana negativa com queda dos preços
Imagem da matéria: Banco do Brasil e BTG estão entre os maiores detentores do ETF de Bitcoin da BlackRock

Banco do Brasil e BTG estão entre os maiores detentores do ETF de Bitcoin da BlackRock

Segundo Eric Balchunas, da Bloomberg, as 30 instituições são responsáveis por apenas 0,2% de tudo que o ETF da BlackRock tem
Imagem da matéria: Festa secreta em São Paulo agita a agenda do halving do Bitcoin

Festa secreta em São Paulo agita a agenda do halving do Bitcoin

O evento acontece no sábado (20) em São Paulo; veja como participar
Imagem da matéria: Como a Binance entrou em pé de guerra com o governo da Nigéria

Como a Binance entrou em pé de guerra com o governo da Nigéria

Nigéria acusa a Binance de facilitar corrupção e outros crimes e já até prendeu executivos da exchange no país