Imagem da matéria: Crise das altcoins leva dominância do bitcoin ao maior nível em quase um ano
Foto: Shutterstock

A dominância do bitcoin no valor de mercado total das criptomoedas chegou a 47,52% na segunda-feira (6), o nível mais alto visto em 11 meses.

De acordo com dados do portal Trading View, uma porcentagem tão alta da dominância do criptoativo líder do setor não era vista desde o dia 31 de julho de 2021.

Publicidade

A dominância é uma estatística que representa a participação de uma criptomoeda na capitalização total do mercado cripto.

O bitcoin, por ser a mais antiga e importante criptomoeda do mundo, sempre representou a maior parte da capitalização do mercado, que nesta terça-feira (7), está por volta de US$ 1,230 trilhão. Sozinho, o bitcoin representa US$ 570 bilhões desse total, segundo o CoinMarketCap

O cenário de hoje é bem diferente do visto em janeiro desde ano, quando a dominância do bitcoin bateu seu pior nível em três anos, ficando no patamar de 37,6%.

Dominância do bitcoin
Dominância do bitcoin bateu 47,52% na segunda-feira (6) (Fonte: Trading View)

Queda das altcoins fortalece bitcoin

Um crescimento significativo da dominância do bitcoin no mercado significa que as altcoins estão perdendo força nesse momento de crise prolongada.

O Ethereum (ETH), por exemplo, viu sua dominância cair para 17,74% nesse início da semana, o nível mais baixo desde outubro de 2021 para a segunda maior moeda do setor.

Publicidade

A perda da força do ether ilustra a mesma situação de muitas altcoins que, assim como o bitcoin, enfrentam quedas de preços significativas nos últimos meses.

A diferença é que, à medida que as altcoins não são mais capazes de oferecer os retornos esperados aos investidores, esse grupo prefere investir seu dinheiro em uma opção vista como mais “segura” a longo prazo, como o bitcoin. 

Essa volta de capital ao BTC está se intensificando desde o início de maio, época em que a dominância do ativo estava por volta dos 40%. 

Um evento que fortaleceu a narrativa do bitcoin como investimento mais seguro foi o colapso do ecossistema Terra no mês passado, que levou a zero preço do UST e LUNC — como agora é chamada a versão antiga da LUNA.

Publicidade

Desde do início do ano, o ativo brilhou os olhos dos investidores ao dar retornos expressivos, mas a sua morte serviu de alerta de risco para as altcoins como um todo.

E não é só a LUNC que praticamente morreu no mês passado. Pelo menos cinco ativos que eram considerados promissores registraram, no final de maio, desvalorizações de mais de 90% em relação a seus recordes de preço. Nesta lista estavam tokens como EOS, Filecoin (FIL), Internet Computer (ICP),  dYdX (DYDX) e LooksRare (LOOKS).

VOCÊ PODE GOSTAR
Cofre dourado no formato de baleia receb moedas shiba inu SHIB

Baleias voltam a encher os bolsos de Bitcoin, mostra análise

A acumulação acelerada de baleias é um sinal de que o mercado altista do Bitcoin ainda está ativo
Imagem da matéria: '101 Perguntas sobre Bitcoin': Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

‘101 Perguntas sobre Bitcoin’: Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

A obra discorre os princípios técnicos da moeda até suas implicações socioeconômicas no contexto atual, de modo a proporcionar um entendimento profundo ao público geral
Imagem da matéria: Questões sociais são desafio para debate do Bitcoin, diz autor de livro da Editora Portal do Bitcoin

Questões sociais são desafio para debate do Bitcoin, diz autor de livro da Editora Portal do Bitcoin

“Parte técnica você descreve como funciona e acabou. Nas vacas sagradas leva um bom tanto de desconstrução de conceitos”, diz Breno Brito
Imagem da matéria: Herdeiro paga R$ 2,2 milhões em Bitcoin para resgatar vítima de sequestro em Petrópolis, mas é enganado

Herdeiro paga R$ 2,2 milhões em Bitcoin para resgatar vítima de sequestro em Petrópolis, mas é enganado

Ao todo, vítima gastou quase R$ 5 milhões nos pagamentos: além do envio de Bitcoin, foram 40 depósitos bancários