Imagem da matéria: Criptomoedas Viram Disciplina em Cursos de Finanças no Brasil
(Foto: Shutterstock)

Instituições de ensino estão acrescentando novas tecnologias nos cursos de finanças. Dentre elas, a tecnologia Blockchain e as Criptomoedas.

Em São Paulo, os cursos que têm foco na preparação de profissionais para o mercado financeiro estão passando por mudanças intensas, apontou o Estadão em publicação nesta terça-feira (10).

Publicidade

O mercado criptoeconômico ainda é muito novo para ser totalmente compreendido e somado à grade curricular de instituições de ensino.

Porém, quem o estuda e o absorve está um passo à frente dos demais, haja vista a quantidade de entusiastas de criptomoedas existentes no mundo inteiro.

Alguns departamentos de Economia hoje podem causar um estranhamento ao serem observados por um aspirante a economista devido às novas tecnologias, como Criptomoedas e Big Data serem inseridas como disciplinas.

A ideia das escolas de negócios é simular situações que os alunos encontram na vida profissional. Segundo apontou o Estadão, em alguns cursos o ensino de linguagens de programação já começa no primeiro semestre, e é cobrado ao longo da graduação em disciplinas da área de Finanças.

“A interação com ferramentas de programação é um elemento que, até recentemente, não estava no escopo dos profissionais de negócio. A escola de negócios tem de se reconhecer cada vez mais como um hub que conecta mercado, investidores, instituições relevantes, alunos, e a comunidade estendida da escola”, disse o coordenador do curso de Economia do Ibmec, Rodrigo Ferreira, ao Estadão.

Publicidade

Universidades e Cursos nos EUA e no Brasil

A tecnologia Blockchain tem feito com que instituições de ensino americanas invistam em novos cursos voltados ao conhecimento de criptomoedas.

Universidades como a de Stanford, já lançaram cursos de Bitcoin e criptomoedas há mais de dois anos. Enquanto a Universidade da Califórnia – Berkeley e o Instituto de Tecnologia de Massachusetts oferecem cursos similares sobre o assunto.

No Brasil poucas instituições estão se ‘modernizando’, mas já há algumas ações em andamento.

A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) ofereceu um curso gratuito “Introdução a Criptomoedas” em maio deste ano na Faculdade de Economia da instituição.

“Tradicionalmente a faculdade de Economia foi um pouco fechada em todos esses anos de Bitcoin. Os economistas têm estudado pouco o assunto, que até então estava restrito mais à faculdade de ciência da computação”, disse, na ocasião, o professor Lucas Costa.

Publicidade

Em março deste ano, alunos do instituto de ensino superior Insper anunciaram a criação da primeira entidade estudantil para estudo de blockchain do Brasil. A intenção é criar um espaço na qual áreas distintas de conhecimento “conversem” entre si e se complementem.

 

BitcoinTrade

A BitcoinTrade é a melhor solução para compra e venda de criptomoedas.
Negocie Bitcoin, Ethereum e Litecoin com total segurança e liquidez.
Acesse agora ou baixe nosso aplicativo para iOs ou Android:
https://www.bitcointrade.com.br/

VOCÊ PODE GOSTAR
Fachada da GameStop em Tyler no Texas

GameStop e AMC desabam com fim da euforia do retorno de Roaring Kitty

As ações memes da GameStop e AMC caíram drasticamente após a abertura dos mercados dos EUA na quinta-feira, recuando pelo menos 15%
Imagem da matéria: Trader transforma US$ 27 mil em US$ 2 milhões ao antecipar alta da GameStop

Trader transforma US$ 27 mil em US$ 2 milhões ao antecipar alta da GameStop

O súbito ressurgimento das ações “memes” nesta semana rendeu uma pequena fortuna aos traders que nunca desistiram das loucuras de 2021
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin recua para US$ 61 mil enquanto GameStop agita mercado e faz memecoin subir 363% 

Manhã Cripto: Bitcoin recua para US$ 61 mil enquanto GameStop agita mercado e faz memecoin subir 363% 

A volta do hype da GameStop desencadeou a criação de milhares de memecoins – uma delas saltou 1.900% na tarde passada
criptomoedas caindo no fogo

Volume de negociação em corretoras de criptomoedas cai pela 1ª vez em 7 meses

Análise aponta que guerra no Oriente Médio e freio no fluxo dos ETF cripto dos Estados Unidos foram os motores para a queda