Moedas douradas de Bitcoin em cima de notas e cédulas de cem reais real
Shutterstock

O Tribunal de Justiça de São Paulo definiu que as criptomoedas têm função monetária e, por isso, devem responder às mesmas regras que o dinheiro quanto a serem penhoradas. Com isso, acolheu recurso do Banco Safra e autorizou que a instituição vá atrás de informações que mostrem se um devedor possui esse tipo de ativo.

No caso (Processo 2127776-80.2022.8.26.0000), o banco está atrás de penhorar bens de um cliente que deve R$ 1,5 milhão. A entidade entrou com uma ação na primeira instância para ser autorizada a ir atrás de checar se o devedor possui criptomoedas e fazer o penhor dos bens.

Publicidade

O juiz entendeu que não seria possível, pois não havia nenhum indício de que o devedor teria “ativos eletrônicos” e que não compete ai Judiciário permitir “busca indiscriminada, incerta, de bens penhoráveis”.

Porém, os desembargadores da 14ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo afirmam que o fato de não ter como saber se o devedor possui criptomoedas “não implica no impedimento de obter a informação”.

Além disso, apontam que fazer a busca é justamente para saber de uma informação da qual não se tem certeza. “Aliás, sempre que se faz pesquisas em quaisquer bancos de dados patrimoniais, nunca se indaga da efetiva existência de bens como condição, justamente porque não se sabe dela e é isso que justifica a perseguição”.

Criptoativos são passíveis de penhora

Depois de definir esse ponto, os desembargadores chegaram a um entendimento de mesmo tendo extrema volatilidade, as criptomoedas ainda sim são ativos com valor.

Publicidade

“Criptoativos, mesmo que apresentem exacerbada volatilidade, são passíveis de serem penhorados, pois são, latu senso
(força, ainda, da inexistência de uma autoridade central com competência constitucional ou legal para autenticá-los), bens móveis com função específica de meio de pagamento, ou seja, função monetária”, diz a decisão.

Os membros do TJ-SP complementam ressaltando que a “função monetária” dos criptotivos o colocam em “condição parelha a de dinheiro” e merecem se tratado pelo Judiciário conforme determina o inciso I, do artigo 835 do CPC.

Esse é o trecho do Código de Processo Civil que define a ordem perferencial para uma penhora será inicialmente de “dinheiro, em espécie ou em depósito ou aplicação em instituição financeira”. Nesse caso, o TJ-SP indicia que os criptoativos entram já nesse primeiro quesito na preferência de bens a serem penhorados.

Por fim, o tribunal definiu que será o banco que irá pagar pelas buscas a serem feitas, mas não indicou quais ferramentas e provedores de serviços de criptomoedas serão buscados.

Publicidade

Procurando uma corretora segura que não congele seus saques? No Mercado Bitcoin, você tem segurança e controle sobre seus ativos. Faça como nossos 3,8 milhões de clientes e abra já sua conta!

VOCÊ PODE GOSTAR
ilustração mostra logo da pepecoin PEPE subindo ao céu

Trader transforma R$ 2 mil em R$ 17 milhões graças ao triunfo da Pepecoin (PEPE)

Ao comprar a memecoin após o lançamento, o trader teve um ganho de 7.368x no investimento
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin e Ethereum abrem em queda e BlackRock supera Grayscale em número de BTC sob custódia

Manhã Cripto: Bitcoin e Ethereum abrem em queda e BlackRock supera Grayscale em número de BTC sob custódia

ETF de Bitcoin da BlackRock agora detém mais BTC do que sua rival, a tradicional Grayscale Bitcoin Trust
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide
Imagem da matéria: Caitlyn Jenner promove sua própria memecoin, mas comunidade suspeita de hackers

Caitlyn Jenner promove sua própria memecoin, mas comunidade suspeita de hackers

Memecoin de Caitlyn Jenner já vale quase US$ 30 milhões, mas o mercado ainda tem dúvidas sobre a veracidade do ativo