Imagem da matéria: Condenada na Justiça, BBom pede para clientes fazerem novo cadastro
(Foto: Shutterstock)

A BBom, pirâmide financeira que fez milhares de vítimas no Brasil entre 2013 e 2014, está pedindo para seus clientes fazerem um novo cadastro, sob argumento de que trabalha para restituir seus direitos.

“A BBOM+ está trabalhando incessantemente para restituir todos os seus direitos!”, diz a chamada no site, que dispõe botões ‘Sim’ e ‘Não’ para que o usuário responda se moveu ou não processo contra a empresa.

Publicidade

Dois contatos para contas no Telegram também foram disponibilizados. Entrar nos grupos, no entanto, requer cuidado, principalmente se houver nova oferta de investimento.

O site www.bbommais.com.br está registrado no nome da Embrasystem — Tecnologia em Sistemas, segundo consta na ferramenta de busca Who.is. Por trás da empresa está João Francisco de Paulo, fundador da BBom.

Não se sabe o que pode ocorrer ao inserir os dados na plataforma. A empresa foi condenada na Justiça e teve arrestos de bens efetuados.

O esquema fraudulento que ruiu em 2014 após ação civil pública, dependia da entrada de pessoas para gerar receita, portanto, insustentável. Segundo o Ministério Público Federal, o golpe pode ter movimentado cerca de R$ 2 bilhões enquanto a empresa esteve ativa..

Publicidade

Em maio de 2020, por exemplo, o STJ desbloqueou R$ 17 milhões de contas de envolvidos no golpe. O valor, segundo a Justiça, seria usado para pagar as vítimas. Portanto, cabe a elas procurar seus direitos nos órgãos federais.

Ao negar a Paulo um habeas corpus há cerca de 14 meses, a ministra do STF Rosa Weber reforçou que havia indícios suficientes de que o réu praticou crimes contra a economia popular.

Acerca das últimas informações públicas que decorrem do processo que corre em segredo de justiça, até novembro do ano passado, o STF ainda apreciava autos sobre a BBom.

Datado em 20/11/2021, autos de trânsito em julgado foram encaminhados ao Tribunal de Justiça de São Paulo. Neles constava um processo movido por um cliente da BBom contra Paulo por danos morais e materiais.

Publicidade

Entenda o caso da BBom

Os membros da BBom afirmavam vender supostos rastreadores de veículos. Para ter acesso aos produtos, no entanto, os clientes deviam pagar na época entre R$ 600 e R$ 3.000 e chamar outras pessoas para participar do negócio.

Em 2014, o MPF denunciou Paulo e outras quatro pessoas e dois anos depois uma perícia do próprio órgão reconheceu que a BBom era um esquema de pirâmide financeira. Na época, uma abertura de investigação da falida Telexfree também já estava em andamento.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Justiça nega pedido de liberdade para PM acusado de vender armas ao "Faraó do Bitcoin"

Justiça nega pedido de liberdade para PM acusado de vender armas ao “Faraó do Bitcoin”

Réu é acusado de ser responsável pela segurança do criador da GAS Consultoria e vender armas para a organização criminosa
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube
Marcos Pasquim promove Mineradora Manah

Manah: Mineradora de ouro promovida por galãs da Globo é acusada de dar calote em investidores

Promovida por Márcio Garcia e Marcos Pasquim, a Mineradora Manah prometia pagar 3% ao mês aos investidores, mas agora está sendo acusada de calote no Reclame Aqui e nas redes sociais