Imagem da matéria: Como o criador da FTX "queimou" a indústria de criptomoedas perante a elite política de Washington
Shutterstock

Bastante comum no meio político, principalmente nos Estados Unidos, o lobby é uma ferramenta para que empresas e grupos pressionem legisladores para aprovação de pautas favoráveis a eles. E com um mercado ainda jovem, mas com um crescimento muito rápido, o setor de criptomoedas tem se esforçado bastante para conseguir avanços no Congresso americano.

E em um desses casos o fundador da agora falida exchange FTX, Sam Bankman-Fried, se encontrou com o presidente do Federal Reserve (o Banco Central dos EUA), Jerome Powell, em fevereiro de 2022, meses antes da empresa quebrar, segundo uma matéria publicada pelo The New York Times nesta quarta-feira (27).

Publicidade

Segundo o texto, Powell sempre se mostrou cauteloso em relação à indústria cripto, mas estava disposto e aprender mais sobre o setor. Na ocasião do encontro entre os dois, SBF falou sobre diversos assuntos, incluindo stablecoins, mas também tentou trabalhar a ideia de como o governo pretendia regular o setor cripto.

Segundo e-mails de Mark Wetjen, oficial de política da FTX e ex-diretor da Commodity Futures Trading Commission (CFTC), divulgados recentemente, além de Powell, Bankman-Fried conseguiu uma reunião virtual em outubro de 2021 com outro alto funcionário do Fed, Lael Brainard, que é agora diretora do Conselho Econômico Nacional da Casa Branca.

Além disso, as agendas públicas de integrantes do governo mostram que o executivo da FTX ainda se reuniu com outro importante regulador financeiro, Martin Gruenberg, chefe da Federal Deposit Insurance Corporation.

FTX fechou a porta para o marcado cripto?

E se a FTX era uma das empresas que mais fazia lobby para o setor, a sua quebra é um fator decisivo para a dificuldade que existe hoje para as companhias de criptomoedas conseguirem conversar com legisladores e reguladores.

Publicidade

Segundo o NYT, as empresas que sobreviveram à crise das criptomoedas ainda estão investindo milhões de dólares em lobby, mas estão tendo mais dificuldade em obter acesso aos corredores do Congresso americano, conforme integrantes do governo se mostram relutantes em reunir-se com representantes da indústria.

“Há muitas pessoas que tiveram problemas para realizar reuniões”, disse Sheila Warren, que dirige o Crypto Council for Innovation, um grupo de defesa do setor, ao jornal. “Ouvi de alguns escritórios que eles não se reunirão mais com certas pessoas”.

Com a proximidade do julgamento de Bankman-Fried, as empresas têm lutado para tirar o foco dos políticos desse assunto e focar em temas que ajudem o setor. No entanto, a tarefa tem sido bem complicada com a sinalização que, após o colapso da FTX, os legisladores querem regras muito mais rígidas.

“Tem sido mais silencioso – e mais cauteloso, em alguns aspectos – mas o impulso da indústria não diminuiu”, disse ao jornal Mark Hays, que acompanha a regulamentação das criptomoedas na Americans for Financial Reform. “A indústria cripto sabe que sua estrela foi manchada no Capitólio, até certo ponto”.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Entenda os planos do governo para mudar a tributação de criptomoedas no Brasil

Entenda os planos do governo para mudar a tributação de criptomoedas no Brasil

Caso a lei seja aprovada, os ganhos com criptomoedas serão tributados por meio do sistema de alíquota de renda variável
logo da solana em celular

São Paulo recebe Solana Build Station no Ibrawork

O ponto alto da última edição das Build Stations no Brasil será o prêmio concedido especialmente durante o Pitch Day, no dia 6 de abril
Imagem da matéria: Ex-conselheiro do Ethereum quer R$ 50 bilhões do governo dos EUA por ser preso injustamente

Ex-conselheiro do Ethereum quer R$ 50 bilhões do governo dos EUA por ser preso injustamente

Steven Nerayoff alega ter sido vítima de provas fabricadas em um suposto caso de extorsão de 10.000 ETH
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

Polícia Civil de SP pede prisão de donos da Braiscompany e mais dois funcionários

Antônio Neto Ais já está preso na Argentina, enquanto Fabrícia Campos está em liberdade condicional