Imagem da matéria: A Web3 vai dar certo? | Opinião
Shutterstock

A web atual tem sido objeto de críticas por não ser capaz de oferecer incentivos econômicos sustentáveis e justos. Isso ocorre porque o modelo atual prioriza o lucro em detrimento do bem-estar humano. Mas o ponto é que esses dois conceitos não precisam ser antagonistas. 

O cenário macroeconômico atual é um sintoma desse modelo insustentável, em que a disparidade entre a grande concentração de poder mundial dos governos, bancos e big techs, se distancia cada vez mais do resto da sociedade comum. 

Publicidade

A estrutura atual regida por governos e bancos, em teoria é segura e regulada. Mas assim como existe muita fraude, golpe e ganância na Web3, no mercado financeiro tradicional isso também existe. A bolha imobiliária de 2008 é o maior exemplo disso, que causou uma diluição de US$ 9 trilhões na economia para tapar o rombo criado. Com a crise de crédito e a recente quebra do SVB e outros bancos americanos, podemos estar vivendo um momento semelhante ou até superior a 2008, a depender dos próximos episódios. 

No meio da construção da Web3 também vão ocorrer grandes problemas, como no ano passado com os colapsos do ecossistema Terra (LUNA) e da corretora FTX. Mas isso é natural e faz parte do processo.

Ainda sobre o establishment atual, é interessante notar que as big techs também são forças políticas, assim como grandes países. Segundo o filósofo e economista Yanis Varoufakis, que foi ministro das finanças da Grécia durante sua crise, nossa sociedade não vive mais em uma democracia capitalista e sim em um modelo intitulado tecno feudalismo. Ou seja, os “feudos” das grandes empresas tecnológicas.

Empresas como Google, Amazon, Meta e Apple, são tão ou mais importantes que países. Elas não possuem um estado-nação próprio, mas mesmo assim fazem parte do eixo de poder da ordem mundial e regem a vida de bilhões de pessoas. O problema é que corporações decidindo o destino de bilhões de pessoas simplesmente para aumentar o lucro de seu quadro de acionistas não é saudável ou sustentável. 

Publicidade

Um modelo questionável

O modelo atual que essas big techs seguem é bem questionável. Nós, usuários, não somos os clientes delas, mas sim o produto. Elas invadem nossa privacidade, captam o máximo de informações possíveis sobre nossa vida, incluindo nossos gostos, hábitos e afinidades para vender nossa atenção para os anunciantes da plataforma e lucrar com isso. 

O crescimento da Web3 vem como consequência de um estresse de toda essa estrutura, mas ao mesmo tempo isso não quer dizer que certos projetos Web3 vão dominar o mundo no futuro. Porém, é importante que as pessoas tenham consciência de que esse processo não é feito da noite pro dia. Essa construção leva tempo. 

É importante mencionar que muitas pessoas inseridas nesse ecossistema buscam romantizar a Web3, porém precisamos deixar claro a diferenciação da romantização das aplicações atuais existentes dos conceitos ideais que essa visão de futuro traz. 

Nem tudo que existe hoje na Web3 faz sentido, na verdade a maioria das coisas ainda não faz. Existe muita especulação e FOMO em projetos insustentáveis. 

Publicidade

Nem tudo que existe nesse mercado é a solução para os problemas da humanidade. Muitas coisas surgem como brincadeiras, feitas de qualquer jeito, e acabam tomando uma dimensão inesperada, que muitas das vezes não fazem o menor sentido.

Não é errado romantizar a Web3, desde que essa visão mais romântica seja direcionada à perspectiva futura da tecnologia. Muitas coisas que existem ou que surgirão nos próximos anos não farão muito sentido no longo prazo. É realmente um grande experimento prático, de tentativa e erro. 

Por isso, é importante que a Web3 se mantenha nessa linha moral e busque causar mudanças práticas na vida das pessoas, agregando valor além do aspecto econômico. É preciso que os idealizadores dessa tecnologia estejam cientes de que ainda não sabemos como a Web3 será no futuro e que, por isso, é necessário ter cautela e prudência na adoção de seus conceitos e aplicações. 

A Web3 pode dar errado? 

A chance da Web3 não dar certo é a mesma chance que a prensa impressa teve de não ter dado certo da idade média, na visão de Rafael Castaneda. Naquela época, essa disrupção tecnológica ampliou o acesso à informação e contribuiu para a separação do estado e da igreja, que antes mantinha o controle do que as pessoas sabiam ou deixavam de saber.

Como isso envolve perda de poder por agentes com alta concentração do mesmo, sempre é um caminho tortuoso, mas no final das contas, inevitável. O cerne de tudo isso é a tecnologia empoderar o indivíduo, transferindo o poder dessas grandes instituições para as próprias pessoas. 

Publicidade

Assim como na época da invenção da prensa imprensa, em que a igreja controlava a polícia, a educação, os bancos e basicamente todas as outras estruturas que influenciavam a vida das pessoas e acabou perdendo parte de sua influência, pode haver um meio termo para a estrutura atual de poder (governos, bancos e big techs) ceder parte dele para continuar existindo sem maiores problemas com a maioria comum. 

O fato da Web3 dar certo ou não é muito subjetivo. Quem conheceu o bitcoin em 2009 e defendia uma visão completamente anarquista, privada, sem nenhuma regulação, pode achar que a Web3 já falhou. Mas apesar disso, foi por causa de iniciativas dessas pessoas mais extremistas que estamos aqui agora, conseguimos ir ajustando e chegando a um meio termo que seja interessante e viável para a maioria das pessoas. As implementações e tentativas de melhorias não precisam ser sempre perfeitas, se elas forem um avanço, um meio termo, já são válidas. 

Enquanto alguns acreditam que é a conscientização em massa, em falar tanto que todas as pessoas serão conscientizadas e entender sua mensagem, isso não é muito viável.

O melhor exemplo disso é o processo de mineração do bitcoin. Os mineradores não fazem o trabalho de mineração de forma impecável por serem bonzinhos e por terem vontade de contribuir com o bem comum, eles não foram conscientizados para isso. Eles se comportam e não sabotam a rede porque, economicamente falando, isso não faz sentido.

Sobre o autor

João Kamradt é diretor de Pesquisa e Investimentos da Viden.vc e especialista em Web3, GameFi, Metaverso, NFTs e DAOs. Ele é doutor em Ciência Política e mestre em Sociologia, ambos pela UFSC. Graduado em Jornalismo, João tem experiência como professor universitário, pesquisador, além de ser autor de dois livros.

VOCÊ PODE GOSTAR
Vitalik Buterin

Criptomoeda Railgun dispara mais de 100% após Vitalik Buterin dar apoio ao projeto

A criptomoeda Railgun passou a disparar na manhã desta segunda após Vitalik Buterin fazer uma postagem apoiando o projeto
Moeda de Tether (USDT) sob superfície lisa

Tether anuncia reorganização para ir além de sua stablecoin e cria quatro divisões

Mudança em sua estrutura visa ampliar o fornecimento de soluções de infraestrutura focadas na inclusão
Imagem da matéria: Metade dos tokens em pré-venda na Solana são golpes, diz pesquisa

Metade dos tokens em pré-venda na Solana são golpes, diz pesquisa

Golpistas estão se aproveitando da pré-vendas de tokens na rede Solana para enganarem usuários em plataformas como Telegram
Imagem da matéria: Festa secreta em São Paulo agita a agenda do halving do Bitcoin

Festa secreta em São Paulo agita a agenda do halving do Bitcoin

O evento acontece no sábado (20) em São Paulo; veja como participar