Imagem da matéria: Comitê americano vai ter audiência para debater consumo energético das criptomoedas
Foto: Shutterstock

O Comitê de Energia e Comércio da Câmara dos EUA anunciou uma audiência sobre o consumo de energia da indústria de criptomoedas.

A audiência, intitulada “Cleaning Up Cryptocurrency: The Energy Impacts of Blockchains” (ou “Limpando as Criptomoedas: os Impactos de Energia dos Blockchains”), acontecerá no próximo dia 20.

Publicidade

“Em poucos anos, criptomoedas tiveram uma ascensão meteórica de popularidade. É hora de entender e abordar os fortes impactos energéticos e ambientais que têm sobre nossas comunidades e nosso planeta”, afirmaram Frank Pallone, presidente do comitê, e Diana DeGette, presidente de Controle e Investigações.

Ambos acrescentaram que um foco dessa audiência será em blockchains proof of work (ou PoW), como o Bitcoin e Ethereum, e como tais criptomoedas podem migrar para alternativas mais limpas.

“Aguardamos para examinar a crescente pegada energética da mineração cripto e como blockchains proof of work, em particular, podem migrar para alternativas mais limpas e soluções de energia renovável.”

Criptomoedas e o meio ambiente

O impacto ambiental de blockchains PoW é bem-documentado.

Blockchains PoW exigem computadores poderosos para realizar complexos cálculos matemáticos 24 horas por dia para garantir a segurança da rede. Essa atividade computacional exige muita energia.

Publicidade

De acordo com a Universidade de Cambridge, a rede Bitcoin consome aproximadamente 120 terawatts/hora (ou TWh) de energia por ano, um número superior ao consumo de muitos países ao redor do mundo.

Caso apenas 39% da rede Bitcoin seja movida por energia renovável, segundo os dados de Cambridge, esse nível de consumo energético amplamente se traduz a milhões de toneladas de carvão queimado ou o consumo médio anual de eletricidade por milhões de casas.

O bitcoin são é a única criptomoeda baseada em PoW a consumir muita energia. De acordo com o site Digiconomist, que rastreia as consequências não intencionais da tecnologia, a rede Ethereum consome cerca de 106 TWh por ano.

No entanto, existem alternativas para essa abordagem, como algoritmos de consenso proof of stake (ou PoS).

A segurança de criptomoedas desenvolvidas em blockchains PoS é garantida ao fazer com que validadores bloqueiem suas próprias criptomoedas em vez de terem computadores que consomem muita energia para realizar cálculos.

Publicidade

Blockchains PoS são amplamente considerados mais amigáveis ao meio ambiente. Alex de Vries, fundador do Digiconomist, recentemente disse ao Decrypt que “se mais empresas se importarem, as alternativas podem se tornar mais amplamente usadas”.

*Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração de uma lâmpada flamejando B de bitcoin

MB lança Fist, primeiro token de Renda Variável Digital no setor de energia elétrica

O investimento, disponível pela primeira vez para pessoa física, possui validade de 30 anos, com dividendos que variam de 0,9% a 1,2% ao mês
Foco em uma moeda dourada de Ethereum (ETH)

Aprovação do ETF de Ethereum pode acontecer antes do esperado, diz Coinbase

Maior exchange de criptomoedas dos EUA, a Coinbase está confiante de que a SEC aprovará ETFs de Ethereum à vista muito em breve, apesar do pessimismo mais amplo
Cofre dourado no formato de baleia receb moedas shiba inu SHIB

Baleias voltam a encher os bolsos de Bitcoin, mostra análise

A acumulação acelerada de baleias é um sinal de que o mercado altista do Bitcoin ainda está ativo
Imagem da matéria: Epik Duck: Conheça o projeto que foi de piada a memecoin de US$ 25 milhões

Epik Duck: Conheça o projeto que foi de piada a memecoin de US$ 25 milhões

Memecoins como a EPIK estão se tornando cada vez mais populares no universo das criptomoedas. Isso é bom ou ruim?