Imagem da matéria: Coinbase lança plataforma de rendimentos em criptomoedas para mais de 70 países
Foto: Shutterstock

Nesta quinta-feira (9), a corretora de criptomoedas Coinbase anunciou que clientes em mais de 70 países poderão obter rendimentos com seus investimentos cripto por meio do mundo das Finanças Descentralizadas (ou DeFi, na sigla em inglês).

“Estamos tornando DeFi mais acessíveis, permitindo que clientes qualificados em mais de 70 países acessem rendimentos atrativos de empréstimos DeFi sobre sua DAI sem taxas, bloqueios ou incômodos de configuração”, afirmou a corretora.

Publicidade

Tornando DeFi mais acessíveis

No cerne dessa decisão está o desejo da Coinbase em tornar DeFi “mais favoráveis e acessíveis a clientes”.

Usando a stablecoin DAI, clientes podem optar por receber rendimentos DeFi. As alocações em DAI de clientes serão depositados no Compound Finance, descrito pela Coinbase como um protocolo DeFi “líder da indústria”. No entanto, os juros sobre a stablecoin variam.

Por exemplo, em outubro, as taxas da Compound para DAI oscilaram entre 2,8% e 5,3%. “As taxas mais altas refletem tanto o acesso único à liquidez global como o crescente risco que vem com DeFi”, explicou a corretora.

Apesar desse risco, a Coinbase continua otimista sobre a promessa das DeFi. “DeFi possuem um enorme potencial de ajudar a aumentar a liberdade financeira e estamos empolgados em fornecer uma forma confiável e acessível de participação”, acrescentou.

No entanto, existe uma omissão gritante no anúncio.

Apesar de apresentar serviços para mais de 70 países, incluindo grandes economias, como a Alemanha e o Reino Unido, o rendimento DeFi da Coinbase ainda não está disponível para clientes nos Estados Unidos.

Publicidade

Os EUA, a Coinbase e as DeFi

Em setembro, Brian Armstrong, CEO da Coinbase, foi ao Twitter criticar a ameaça da Comissão de Valores Mobiliários e de Câmbio dos EUA (ou SEC, na sigla em inglês) em processar a corretora se lançasse seu produto de geração de rendimentos chamado Lend.

“Existem comportamentos muito suspeitos vindo da SEC recentemente”, afirmou, lamentando o fato de a SEC afirmar que Lend seria um valor mobiliário, uma definição que ele criticou bastante na época.

“Recusam a nos dizer por que acham que é um valor mobiliário e, em vez disso, intimam inúmeros registros (cumprimos), demandam testemunhos de nossos funcionários (cumprimos) e depois nos dizem que irão nos processar se avançarmos com o lançamento, com zero explicação sobre o porquê”, afirmou.

Enquanto isso, Gary Gensler, presidente da SEC, falou sobre a indústria cripto.

Ao longo do ano, Gensler deu diversos alertas, alegando que a indústria DeFi, bem como o amplo mundo cripto, precisa de leis mais robustas para a proteção de consumidores.

“Existem muitos empréstimos acontecendo. Existe muita negociação acontecendo. Sem proteções, temo que isso terminará mal”, disse ele em outubro.

*Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
martelo de juiz com logo da binance no fundo

Governo dos EUA contrata empresa para monitorar a Binance

A Forensic Risk Alliance venceu a disputa contra a Sullivan & Cromwell, que atuou no caso FTX
Fachada da GameStop em Tyler no Texas

Memecoin da rede Solana com tema GameStop sobe 1.900% e desperta febre do GME

A memecoin GME decolou na segunda-feira (13), entregando retornos consideráveis, superando os das ações da GameStop
Presidente do Banco Central Roberto Campos Neto falando diante de um microfone

Presidente do Banco Central se reúne com MB um dia após anunciar agenda da regulação do mercado cripto

O Banco Central divulgou ontem os próximos passos para a regulação do setor cripto e espera concluir o processo até o final de 2024
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns