Logotipo da Visa acima de moeda de Bitcoin
Shutterstock

A Visa está se aprofundando no mundo das criptomoedas após anunciar o lançamento de um novo braço de consultoria cripto.

A gigante empresa de serviços financeiros espera que a nova iniciativa facilite a adesão em massa do bitcoin (BTC) e de outras criptomoedas, além de ajudar seus clientes a navegarem pelas armadilhas do setor em rápida evolução.

Publicidade

“Vimos uma mudança material na mentalidade de nossos clientes no último ano, de um desejo de explorar e experimentar cripto para realmente desenvolver um roadmap de estratégia e produto”, afirmou Carl Rutstein, líder global do departamento de consultoria e análise da Visa.

Segundo a empresa, entender o ecossistema cripto é “um primeiro passo fundamental” para instituições financeiras que desejam atrair ou reter clientes com ofertas cripto, varejistas que querem mergulhar em tokens não fungíveis (NFT) ou bancos que estão explorando moedas digitais emitidas por bancos centrais (CBDC).

É aí que entra a Crypto Advisory Practice da Visa, que pretende oferecer especialização em áreas relacionadas a cripto, avaliar oportunidades e desenvolver estratégias concretas.

A Visa também afirmou que sua consultoria focada em cripto ajudará a pilotar novos projetos, como programas de recompensas com cripto e carteiras de clientes integradas a CBDCs.

Publicidade

A gigante empresa de cartões de crédito também anunciou os resultados de uma pesquisa global, que descobriu que cerca de 1/3 de mais de seis mil dos consultados já possui ou usa criptomoedas, seja como um veículo de investimento ou um meio de troca.

Globalmente, quase 40% afirmou que estariam dispostos a migrar de seu banco atual para um que oferece produtos relacionados a cripto nos próximos 12 meses.

“Cripto representa uma mudança tecnológica para a movimentação de dinheiro e governança digital”, afirma Terry Angelos, vice-presidente sênior e líder global de fintechs na Visa.

“Conforme clientes mudam sua abordagem de investimento, onde realizam depósitos, e suas opiniões sobre o futuro do dinheiro, cada instituição financeira precisará de uma estratégia cripto”.

Publicidade

A investida da Visa em cripto

A Visa já está acostumada a ser manchete no mundo cripto. A empresa se uniu com uma variedade de empresas da indústria, incluindo as grandes corretoras FTX e Coinbase, para permitir que clientes paguem com criptomoedas em mais de 70 milhões de comércios globalmente.

No primeiro semestre de 2021, mais de US$ 1 bilhão foram gastos usando seu cartão cripto. Além disso, a Visa está analisando bastante NFTs e as oportunidades que eles fornecem.

Em agosto, a empresa de pagamentos comprou um NFT CryptoPunk por 49,5 ETH (o equivalente a aproximadamente US$ 165 mil), seguido do lançamento de uma iniciativa educacional com foco em NFTs em outubro. Essa iniciativa foi lançada em parceria com o artista NFT Micah Johnson e pretende ajudar artistas digitais a entenderem melhor o que é cripto e NFTs.

*Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

Talvez você queira ler
Imagem da matéria: Minerador transfere 1.000 bitcoins da "era Satoshi" que estavam parados há 13 anos

Minerador transfere 1.000 bitcoins da “era Satoshi” que estavam parados há 13 anos

Em 2010, essa quantia de Bitcoin era equivalente a apenas US$ 100; hoje, valem US$ 40 milhões
Imagem da matéria: Standard Chartered prevê qual preço o Bitcoin vai bater em 2024

Standard Chartered prevê qual preço o Bitcoin vai bater em 2024

O banco multinacional britânico voltou à sua posição de alta em relação ao Bitcoin à medida que mais sinais se tornam verdes
Imagem da matéria: Mineração de Bitcoin poderia minimizar as mudanças climáticas, diz estudo

Mineração de Bitcoin poderia minimizar as mudanças climáticas, diz estudo

Estudo diz que parques eólicos e solares poderiam gerar milhões de dólares na fase pré-comercial, antes de serem conectados à rede
Changpeng "CZ" Zhao, CEO da Binance

Manhã Cripto: CZ está proibido de sair dos EUA até sentença; Binance desiste de licença em Abu Dhabi

Juiz decidiu que CZ não poderá voltar aos Emirados Árabes Unidos antes de receber sua sentença, agendada para fevereiro do ano que vem