Imagem da matéria: Cielo, acionistas Banco do Brasil e do Bradesco reduzem dividendo e ações desabam
Foto: Divulgação/Cielo

As ações da credenciadora de cartões Cielo tiveram uma queda de 4% após uma decisão tomada pela instituição e seus acionistas Banco do Brasil e Bradesco. O grupo resolveu abandonar a projeção de lucro líquido deste ano e reduzir dividendos.

De acordo com o Valor Econômico, esta definição não foi muito bem recebida pelo mercado e as ações despencaram 4.35%. No pregão da segunda-feira (27), a ação valia R$ 7,25.

Publicidade

Outro ponto é que a Cielo fez o anúncio sem detalhamento, o que deve pressionar ainda mais as ações no curto prazo.

O aviso da redução na distribuição de dividendos e juros sobre o capital próprio, chamado ‘payout,’ foi feito na sexta-feira (24). Ele será reduzido de 70% no primeiro trimestre para menos da metade, 30% nos próximos trimestres, reportou o jornal.

Cielo terá menos lucro em 2019

Com a decisão, alguns analistas preveem a diminuição de lucro líquido da empresa.

A casa de análises Eleven Financial cortou em 10% a projeção de lucro líquido para 2019 e reduziu o preço-alvo da ação para R$ 6 ao final deste ano — queda de 17,2% frente ao fechamento do dia 27.

Sua recomendação, contudo, continua sendo de venda dos papéis.

Guerra das maquininhas

Paulo Caffarelli, presidente da Cielo, acredita que a empresa precisa reforçar o caixa para se fortalecer na ‘guerra das maquininhas’ entre os concorrentes, bem como ter capital para futuras aquisições.

Publicidade

Uma das preocupações da instituição é que vários empresas rivais reduziram o prazo de repasse do fluxo de pagamentos nas maquininhas com cartão de crédito à vista — de 30 para dois dias.

Fora isso, várias empresas concorrentes reduziram ou até mesmo isentaram a tradicional taxa cobrada na operação.

Segundo a reportagem, também no dia 27 de maio, a Cielo passou a oferecer o pagamento instantâneo aos lojistas, desde que se cadastrem na nova conta digital da empresa.

Após a decisão da Cielo, a XP Investimentos não recomendou nada e se manteve neutra para os papéis ordinários da credenciadora e o preço-alvo de R$ 10 para este ano. No entanto, a instituição considerou negativa tal decisão e reportou:

“A cautela é devido à situação frágil dos acionistas minoritários das credenciadoras, pois os bancos estão se tornando cada vez mais agressivos em relação a essas operações a fim de reter clientes corporativos em suas plataformas”.

Publicidade

Analistas da Levante também acreditam que a vantagem competitiva da Cielo foi reduzida com o aumento da concorrência, inclusive daqueles que já chegam com produtos inovadores.

Cielo focou na participação de mercado

A Cielo conseguiu elevar de 41,2% para 41,8% a fatia de mercado entre os três últimos meses de 2018 e os três primeiros de 2019, na primeira alta desde 2015.

O resultado deu-se pela maneira mais agressiva na conquista de participação de mercado do que em conquistar rentabilidade, disse o Valor.


Compre criptomoedas na 3xBit

Inovação e segurança. Troque suas criptomoedas na corretora que mais inova do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://3xbit.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
homem segura com duas mãos uma piramide de dinheiro

Polícia do RJ investiga grupo acusado de roubar R$ 30 milhões com pirâmide financeira

Para ganhar a confiança dos investidores, a empresa fraudulenta fazia convites para assistir jogos de futebol em camarote do Maracanã
Homem aponta controle para TV que emerge imagens em 3D

‘TV 3.0’ que chegará ao Brasil em 2025 vai precisar de internet ou conversor? Entenda

Novo sistema de transmissão para TVs promete enviar som e imagem com qualidades maiores, além de maior interatividade com o espectador
Glaidson Acácio dos Santos, o "Faraó do Bitcoin"

Livro sobre a ascensão e a queda do “Faraó do Bitcoin” chega às livrarias em maio

Os jornalistas Chico Otávio e Isabela Palmeira contam sobre o golpe de R$ 38 bilhões do Faraó do Bitcoin que usou criptomoedas como isca
Imagem da matéria: Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos cripto brasileiros ficam pela segunda semana consecutiva atrás apenas dos EUA em captação