Imagem da matéria: CEO da Crypto.com critica Coinmarketcap por posição da corretora
Kris Marszalek, CEO da Crypto.com (Foto: Divulgação/Flickr)

O CEO da Crypto.com, Kris Marszalek, fez uma reclamação púbica contra o Coinmarketcap, serviço que faz rankings de criptomoedas por valores de mercado e exchanges por meio de uma nota elaborada com diversos critérios.

O empresário afirma que o site “arbitrariamente reduziu” a posição da Crypto.com no raking. A corretora aparece na 15ª posição com um “Score” de 6.9.

Publicidade

O líder do ranking é a Binance com 9.9 e Coinbase com 8.4 e em terceiro a FTX com 8.2.

Segundo o Coinmarketcap se baseia nos seguintes fatores: tráfego de usuários no site e liquidez média, volume (e a confiança de que o volume divulgado de fato existe).

“Feliz Natal ao time da Coinmarkecap, que uma semana após minha resposta ao tuíte infeliz deles, rebaixaram nossa Exchange para a 14ª posição. Nós estamos na segunda ou terceira colocação na Coingecko. Então vocês sabem onde encontrar dados reais e neutros sobre o mercado”.

Marszalek falou no dia 1 de dezembro sobre o erro que ocorreu na plataforma que faz rankings das criptomoedas e exchanges. O empresário se referiu ao problema no quão alguns ativos apareceram valendo absurdamente fora da realidade.

Publicidade

“O ranking da Coinmarketcap teve um problema algumas horas, levando a número inflados de cotações de moedas dentro do nosso app. Foi apenas um problema exposição de número, não afetou nenhuma atividade de venda e compra. Está resolvido agora. Então, nós não estamos ainda todos trilionários, precisamos de um pouco mais de Hodling”.

Ranking da Coingecko

Na Coingecko o valor utilizado para o ranking das exchanges é o de volume transacionado em 24 horas. A Binance é a primeira, por muito, com mais de US$ 15 bilhões.

Em segundo vem a Crypto.com com US$ 3.315 bilhões e em terceiro a Coinbase com US$ 2.817 bilhões.

Vale ressaltar que a Crypto.com patrocina a seção de buscas da página principal da Coingecko.

A ascensão da Crypto.com

No começo de dezembro, a Crypto.com anunciou a aquisição da Nadex North American Derivatives Exchange (exchange americana e câmara de compensações que oferece produtos derivativos) e a Small Exchange (plataforma corretora de futuros com foco em clientes do varejo).

As aquisições são a mais nova em uma linha de tentativas feitas pela Crypto.com em avançar na concorrida indústria de corretoras cripto que possui nomes como Coinbase e FTX.

Publicidade

No entanto, dito isso, a aquisição também representa uma ligeira separação do aparente modo de operação da Crypto.com na publicidade de esportes.

Nos últimos meses, a corretora cripto realizou uma tentativa de dominar o setor esportivo com múltiplas campanhas de publicidade, incluindo um acordo multimilionário pelos direitos de nomeação dos Los Angeles Lakers e da arena Clippers.

A corretora também firmou uma parceria de US$ 100 milhões com a Fórmula 1, onde poderá mostrar sua marca durante as corridas em troca de ajudar a organização a desenvolver tokens não fungíveis (ou NFTs).

Crypto.com também entrou para o mundo do futebol, após ter se tornado a patrocinadora do campeonato Copa Italia este ano. A final do campeonato também teve o lançamento de NFTs para comemorar a ocasião.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Core Network (CORE): Token baseado no Bitcoin dispara 218% na semana

Core Network (CORE): Token baseado no Bitcoin dispara 218% na semana

CORE é o token da Core Network, uma blockchain compatível com Bitcoin e a Ethereum Virtual Machine (EVM)
Celular com logotipo da Receita Federal sobre notas de reais

Tokenização de ativos enfrenta área cinzenta na declaração de Imposto de Renda |Opinião

Para o autor, a declaração de tokens que representam recebíveis, e outros ativos do mundo real, devem mudar nos próximos anos
Imagem da matéria: Se o halving é bullish para o Bitcoin, por que o preço costuma cair logo em seguida?

Se o halving é bullish para o Bitcoin, por que o preço costuma cair logo em seguida?

Se o halving é tão importante para as altas do Bitcoin, por que os dados históricos mostram que o BTC cai um ano após cada halving? Entenda.
Moedas do Bitcoin Cash (BCH) ao lado de um celular com o logo do projeto

Preço do Bitcoin Cash sobe 11% depois de turbulência pós-halving

Antes do halving do Bitcoin Cash, o preço do BCH subiu para seu nível mais alto desde novembro de 2021, quando atingiu o pico de US$ 718,62