Imagem da matéria: Celso Russomanno: "Não conheço uma pessoa que conseguiu transformar bitcoins em reais"
Deputado e apresentador da Record, Celso Russomanno (Foto: Roque de Sá/Agência Senado)

“Muita gente ficou zangada porque eu disse que investir em Bitcoin é inseguro”, disse o deputador e apresentador Celso Russomanno no sábado (08) durante o quadro Patrulha do Consumidor do programa Cidade Alerta, da Record TV. 

Embora não tenha nomeado, Russomanno estava reagindo a uma nota enviada a sua equipe pela ABCripto, associação que reúne empresas do setor, sobre suas declarações feita em um programa anterior no qual afirmou que quem ganha dinheiro com bitcoin é golpista.

Publicidade

“Eu quero ver resgatar e transformar em real”, prosseguiu, com um exemplo ligado à Genbit, empresa que usou criptomoedas como isca para uma fraude. É por isso que a visão do apresentador sobre bitcoin está ligada a centenas de pessoas que foram lesadas.

“E gostaria de ver”, acrescentou, “porque todas as pessoas que me procuraram foram vítimas de golpe com moedas criptografadas”. Falando desta forma, Russomanno associa a tecnologia das criptomoedas como algo errado. E foi por isso que ele foi criticado.

Essa confusão, contudo, se dá pelo fato de muitos golpistas, como os dos casos Genbit, Unick Forex, por exemplo, terem usado o Bitcoin como isca, dada à grande valorização da criptomoeda nos últimos anos.

O equívoco mostra que ele confunde a tecnologia com os velhos esquemas de pirâmide. O mercado de criptomoedas movimenta de forma lícita bilhões diariamente.

Publicidade

“Eu vou deixar claro aqui. Pode até ser que tenha gente séria nesse mercado, mas eu vou continuar dizendo que uma moeda virtual não tem garantia”, ressaltou.

Russomano diz onde está o líder Genbit

Na sequência do programa, ele volta a falar de Nivaldo Gonzaga dos Santos, o criador do golpe que provocou toda a confusão. “Nós já sabemos onde está o Nivaldo, ele está em São José do Ribeirão Preto”, afirmou Russomanno no final do programa. Segundo ele, há também uma instituição financeira envolvida no esquema.

Apontando para a foto de Nivaldo Gonzaga no mesmo programa no fim do mês passado, o apresentador disse: “Nós queremos ele”.

No primeiro programa sobre o tema, quadro apresentou novas vítimas da pirâmide financeira Genbit, antiga Zero10 Club. O mineiro Gilsom Motoso Pereira, por exemplo, que investiu mais de R$ 200 mil acreditando ser um negócio sério, falou com a reportagem do Portal do Bitcoin.

Publicidade

“O Diabo veio para matar, roubar e destruir, e foi isso que o Nivaldo fez. Ele acabou com a vida de muitas pessoas, destruiu vários sonhos”. Conforme explicou, ele confiou no negócio porque as pessoas ligadas a Nivaldo diziam que ele era ‘servo de Deus’.

De um investimento de R$ 212 mil, que receberia de volta 36 parcelas de R$ 3.600,00, Gilsom recebeu apenas duas. O dinheiro evaporou quando a Genbit o transformou num token chamado TPK, sem valor de mercado.

O fim da Genbit não está sendo diferente de tantos outros casos controversos que vieram à tona nos últimos tempos no Brasil. Unick Forex e Indeal, por exemplo, são entidades protagonistas de casos similares na Justiça.

VOCÊ PODE GOSTAR
Desenho de uma caixa sustentada por paraquedas

ZkSync fará airdrop de 3,7 bilhões de tokens ZK nas carteiras dos usuários na próxima semana

Não haverá período de bloqueio para o airdrop da comunidade, mas a distribuição foi limitada a 100 mil tokens por carteira
Imagem da matéria: Standard Chartered diz que Bitcoin pode atingir US$ 100 mil antes das eleições nos EUA

Standard Chartered diz que Bitcoin pode atingir US$ 100 mil antes das eleições nos EUA

Para o banco americano, o Bitcoin pode bater nova máxima já esta fim de semana e caso de bons dados de emprego, enquanto para o fim do ano a projeção é de US$ 150 mil
Imagem da matéria: Valorização das memecoins eleva capitalização de mercado das Bitcoin Runes para acima de US$ 2 Bilhões

Valorização das memecoins eleva capitalização de mercado das Bitcoin Runes para acima de US$ 2 Bilhões

Alta parece ser em grande parte atribuível ao token DOG, que aumentou mais de 90% apenas na última semana
Fachada do MPDFT - Facebook

PM que atraía colegas de farda para pirâmide com criptomoedas é alvo do MP do DF

O policial militar e um grupo suspeito de pessoas e empresas teriam aplicado um golpe de R$ 4 milhões; alvos do MPDFT são do DF e GO