Imagem da matéria: Brasileiros usam stablecoins para fugir da desvalorização do Real, mostra estudo
Shutterstock

Mais da metade das negociações de criptomoedas com pares de Real envolvem uma stablecoin pareada ao dólar, o que demonstra uma tentativa do brasileiros de dolarizar suas economias e evitar a perda de valor da moeda nacional.

Pela menos essa é a conclusão da Kaiko, firma de análises do mercado cripto, que esmiuçou os volumes de transações feitas nas corretoras Binance e Bitso e apresentou os resultados em um relatório neste mês de dezembro.

Publicidade

Pares de Real e Bitcoin ou Real e Ethereum são o outro grande bloco das transações, sendo responsáveis por 34% do montante total. O resto envolve as negociações da moeda brasileira com altcoins.

A Kaiko cita que a desvalorização do Real perante o dólar e a proibição dos bancos brasileiros de guardarem moedas estrangeiras faz com que a população busque um meio de conseguir dolarizar suas economias.

A empresa afirma que o Real se desvalorizou 200% perante o dólar nos últimos dez anos. No entanto, um levantamento publicado no portal Monitor do Mercado afirma que esse número é na verdade 61,95%.

Veja abaixo os volumes de pares de neogociação envolvendo o real (o gráfico de pizza mostra uma média do mẽs de dezembro):

Publicidade

“Desde o bull market de 2021, a stablecoin USDT aumentou sua participação no volume de reais em 20%, às custas das altcoins, o que sugere que os brasileiros estão optando pela segurança das stablecoins no lugar da especulação das altcoins”, afirma o relatório da Kaiko.

Para efeito de comparação, nos pares envolvendo o dólar americano, 72% das transações envolvem Bitcoin ou Ethereum. Os dados foram obtidos analisando os volumes da Binance U.S, Coinbase, Gemini e Bitstamp.

Trata-se de um cenário muito diferente, pois as pessoas podem poupar diretamente em dólar e, por isso, têm menos incentivos para usar stablecoins.

Veja abaixo os volumes de pares de neogociação envolvendo o dólar americano (o gráfico de pizza mostra uma média do mẽs de dezembro):

Publicidade

Brasil como mercado amigável para criptomoedas

Para reforçar como o público brasileiro está aberto ao mercado cripto, o relatório da Kaiko cita uma pesquisa da Chainanalysis de outubro que aponta que 41% dos adultos no Brasil possuem criptomoedas.

O mesmo levantamento perguntou se as pessoas concordavam que criptomoedas são o futuro do dinheiro: 66% dos brasileiros disseram que sim, contra apenas 23% nos Estados Unidos.

Como será o mercado de criptomoedas em 2023? Clique aqui e descubra no relatório gratuito do time de Research do MB

VOCÊ PODE GOSTAR
Fachada da GameStop em Tyler no Texas

Memecoin da rede Solana com tema GameStop sobe 1.900% e desperta febre do GME

A memecoin GME decolou na segunda-feira (13), entregando retornos consideráveis, superando os das ações da GameStop
dupla de homens sendo presa

Irmãos são presos por roubo de R$ 130 milhões em ataque de 12 segundos na rede Ethereum

O procurador americano Damian Williams disse que “este suposto esquema era novo e nunca havia sido acusado antes”
Ilustração de bandeira do Brasil dentro moeda de Bitcoin

Fundos cripto do Brasil captam mais R$ 1,5 mi e chegam a 21ª semana consecutiva de entradas

Vindo de uma grande sequência de captação, fundos de criptomoedas do Brasil estão em 3º lugar no ranking global, atrás apenas dos EUA e Hong Kong
Imagem da matéria: Grayscale desiste de lançar um ETF de futuros de Ethereum nos EUA

Grayscale desiste de lançar um ETF de futuros de Ethereum nos EUA

A gestora parece ter recuado da estratégia de levar a SEC aos tribunais para forçar a eventual aprovação de um ETF de Ethereum à vista