Maicon Küster promove Blaze no Youtube
Maicon Küster promovendo a Blaze em seu canal no YouTube (Imagem: Reprodução)

O humorista Maicon Küster é o mais recente youtuber a se pronunciar sobre seus negócios com o cassino online Blaze, empresa que acumula processos na Justiça acusada de roubar clientes. Em um vídeo publicado no sábado (3), o produtor de conteúdo com 3,8 milhões de inscritos em seu canal homônimo afirmou que deixará de promover a casa de apostas assim que terminar o contrato.

“Depois que o contrato acabar eu não vou mais continuar, não vou mais anunciar nenhum tipo de bet, cassino… Essa foi a melhor maneira que a gente encontrou de fazer o que vocês querem — que eu pare de anunciar [a Blaze]“, disse ele a seus seguidores, sem revelar quanto tempo de contrato ainda resta.

Publicidade

Antes de fazer o pronunciamento, Küster disse que precisou consultar sua agência e seu advogado, pois o contrato com a Blaze tem “questões muito delicadas”. “Eu não falei nada até então porque sinceramente eu não sabia o que fazer”, ressaltou.

Proposta da Blaze

Küster disse que a proposta da Blaze chegou até ele por meio de sua agência “na metade do ano passado”.

“Eles me disseram que era um cassino online, que tem as suas controvérsias, mas que não tinha nada ilegal no contrato, que era legítimo, que era uma das maiores do Brasil e que patrocinava a maioria dos influenciadores”, explicou. Ele acrescentou:

“Eu não fui procurar quem era o dono, não fui ver o Reclame Aqui, eu nem pensei em qualquer problemática que poderia existir porque não só a Blaze, mas apostas em geral estavam num hype absurdo no ano passado. Era bet bet bet em todo lugar”.

Publicidade

Ele afirmou também que que não ganha porcentagem das perdas dos jogadores e nem por instar seus seguidores a colocar o nome do canal como código promocional na plataforma da Blaze.

O influencer disse que ganha muito dinheiro com seus conteúdos, mas que divide o faturamento com seus sócios, e que todos dependem dele para sustentar a casa e a família. Em relação a isso, ele disse:

“Eu sei que parece hipócrita falar isso e ao mesmo tempo anunciar cassino. Eu não vou aqui ser moralista, que eu não sabia o que era cassino, aposta, mas eu só quero que vocês entendam que, no fim das contas, eu só estava tentando fazer o meu trabalho”.

Ele acrescentou que “independente se é correto ou não, se é irresponsável ou não”, cassinos e apostas existem no Brasil. “É um mercado que patrocinou um monte de gente, vários influenciadores, e eu confiei e achei que não tinha problema entrar”.

Publicidade

Peter Jordan do Ei Nerd

Após polêmicas sobre a Blaze virarem debate nas redes sociais, alguns influencers começam a voltar atrás na prática de fazer propaganda da empresa; um deles foi o influenciador Peter Jordan, dono do canal Ei Nerd no YouTube que possui mais de 13 milhões de inscritos.

Na última quinta-feira (1), ele afirmou que irá fazer as propagandas restantes que estão acordadas no contrato com a Blaze, mas que depois não irá renovar o acordo.

“Depois de tantas mensagens e respeitando quem me segue, não quero mais seguir. Atualmente tenho um contrato para cumprir por um período bem curto, depois disso, não irei continuar”, disse.

Sobre os negócios com a casa de apostas, Jordan disse que sua equipe sempre checa o histórico de histórico de novos patrocinadores antes de assinar um contrato. Sobre isso, ele argumentou:

“E fizemos isso com a Blaze. Entendemos que a Blaze é como qualquer app de apostas. Com grandes marcas e influenciadores fechando parceria, entendemos que poderíamos seguir e seguimos”.

Publicidade
VOCÊ PODE GOSTAR
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube