Imagem da matéria: BlackRock, a maior gestora de ativos do mundo, investe US$ 380 milhões em mineradoras de bitcoin
Foto: Shutterstock

A BlackRock, a maior gestora de ativos do mundo com US$ 9 trilhões sob gestão, passou a investir na mineração de bitcoin através da aquisição de ações de empresas do ramo.

Em um relatório enviado à Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) no final de julho divulgado pela Forbes, a empresa informou que possui US$ 206 milhões investidos em ações da Marathon Digital Holdings e US$ 176 milhões na Riot Blockchain.

Publicidade

Esses investimentos estão distribuídos em vários fundos mútuos e ETFs da BlackRock, como o iShares Russell 2000 e o iShares Expanded Tech-Software Sector.

O total de US$ 382 milhões investidos nas mineradoras de bitcoin garantiu a BlackRock uma participação de 6,71% na Marathon e 6,61% na Riot. Desse modo, a gestora se tornou a segunda maior acionista de ambas as mineradoras, atrás apenas do Vanguard Group. 

A compra de ações de empresas listadas na bolsa de valores se tornou uma forma de grandes players do mercado tradicional ganharem exposição a indústria de criptomoedas sem a compra direta de ativos.

A Fidelity Investments, uma das maiores instituições financeiras do mundo, adquiriu no início de agosto uma participação de 7,4% da Marathon Digital Holdings, equivalente a US$ 20 milhões em ações.

Publicidade

A estratégia também se mostrou mais lucrativa, pelo menos no desempenho dos últimos 12 meses da criptomoeda líder do mercado. Enquanto o bitcoin valorizou 221% no ano, as ações da Marathon e da Riot subiram no mesmo período 754% e 848%, respectivamente.

A valorização aconteceu no momento em que as mineradoras baseadas nos EUA viram suas receitas aumentarem nos últimos meses graças à queda de concorrência. Muitos mineradores chineses precisaram desligar suas máquinas e realocar as operações em outros países após uma onda de repressão do governo chinês.

A Marathon aproveitou o momento para crescer e, no início do mês, encomendou 30 mil máquinas com o plano de representar 12% da taxa de hash total do bitcoin no ano que vem.

BlackRock e o mercado cripto

Embora a BlackRock esteja um tanto contida com relação ao investimento direto no bitcoin, a gestora tem mostrado interesse no mercado cripto nos últimos tempos. No final de 2020, o CIO da BlackRock, Rick Rieder, defendeu o BTC como um possível substituto ao ouro e como uma tecnologia que está “aqui para ficar”.

Publicidade

Já em janeiro deste ano, a gestora relatou à SEC que iria começar a negociar contratos futuros de bitcoin em seus fundos. Pouco meses depois, a BlackRock confirmou que detinha 37 contratos futuros da moeda no valor de US$ 360 mil na Chicago Mercantile Exchange (CME).

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de bitcoin com bandeira dos EUA

O que faria os americanos comprarem mais Bitcoin? Regulamentações mais claras, afirma pesquisa

Pesquisa da Grayscale mostra que 44% dos eleitores dos EUA que não possuem criptos dizem que estão “esperando regulamentações adicionais”
Imagem da matéria: Baleia deposita 365 bilhões de PEPE, enquanto KangaMoon e Optimism vivem uma alta massiva

Baleia deposita 365 bilhões de PEPE, enquanto KangaMoon e Optimism vivem uma alta massiva

KangaMoon continua com sua trajetória ascendente, aproximando-se de um recorde de $8 milhões levantados na sua pré-venda
Imagem da matéria: Redes de segunda camada Ethereum estão arrecadando milhões – com a Base na liderança

Redes de segunda camada Ethereum estão arrecadando milhões – com a Base na liderança

A Base, da Coinbase, acumulou mais de US$ 6 milhões em lucros on-chain em maio no ecossistema de segunda camada Ethereum, com a Blast bem atrás em segundo
Imagem da matéria: Terraform Labs e Do Kwon pagarão US$ 4,5 bi para resolver o caso de fraude da SEC

Terraform Labs e Do Kwon pagarão US$ 4,5 bi para resolver o caso de fraude da SEC

Embora o magnata das criptomoedas ainda esteja em Montenegro, ele agora está sendo responsabilizado pessoalmente por US$ 204 milhões