Imagem da matéria: "Bitcoin veio para ficar", diz ex-economista chefe da federação dos bancos do Brasil
Processo no Cade opõe bancos de Associação de Criptomoedas (Foto: Shutterstock)

O antigo economista-chefe da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) Roberto Luis Troster vai ministrar um curso sobre bitcoin na Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). A seminário, chamado “O futuro da moeda e dos bancos“, custará R$ 800 e ainda não tem data definida. 

Consultado pelo Portal do Bitcoin, Troster disse que as aulas não têm um público específico. Qualquer interessado no tema pode participar das atividades. “O objetivo”, explica, “foi apontar mudanças e tendências do sistema financeiro, mais especificamente de uma mudança que tem potencial de ser o começo de uma grande transformação, uma desintermediação segura”.

Publicidade

Segundo a ementa do curso, a ideia é “identificar as principais inovações financeiras, conceitos fundamentais, seu contexto, evolução e potencial, de maneira a situar o participante e facilitar o entendimento de sua dinâmica. Provocar uma reflexão sobre a importância de uma visão de futuro mais fundamentada, num ambiente com muitas inovações financeiras, para entender as transformações e definir as estratégias”.

Bitcoin veio para ficar

Para o economista, que hoje é consultor do Banco Mundial e do FMI, é necessário que todos os setores econômicos, inclusive os mais tradicionais, saibam lidar com o fenômeno do Bitcoin e das criptomoedas.

“Tudo indica que o Bitcoin veio para ficar”, acredita. A falta de interesse e até hostilidade com que essas novidades têm sido recebidas são reflexo das “incertezas e inseguranças” que aparecem naturalmente “num primeiro momento”.

“A questão é qual vai ser o futuro e como adaptar-se a ele. As empresas de criptomoedas saíram na frente, depois as corretoras e agora os bancos. A evolução dessa disputa variou de país para país.”

Publicidade

Na opinião do economista, em breve a disputa entre bancos e corretoras de Bitcoin será resolvida. “Minha bola de cristal, prevê que a médio prazo os bancos vão participar ativamente desse mercado”. É preciso ter em mente, afirma Trostes, “que a velocidade de adaptação no Brasil é baixo, ainda não é permitido ter conta em dólares aqui, para Bitcoins vai demorar um pouco mais”.

O curso é relevante, especialmente levando-se em conta a disputa corrente entre bancos e corretoras de Bitcoin que está em curso no Brasil. Bancos recusaram-se a abrir ou fecharam contas de corretoras, num movimento que foi visto como eliminação injusta da concorrência.

Bancos x corretoras e Bitcoin

Um processo administrativo que tramita no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) fará com que o órgão terá de analisar as respostas enviadas – por e-mail – pelas empresas que negociam criptomoedas no Brasil.

Das 12 empresas notificadas pelo órgão regulador, 10 responderam ao questionário. Duas delas, a Coinbr (da Stratum) e a Bitcambio pediram um prazo maior, o que foi concedido. A punição por deixar de enviar o documento até o dia 19 era uma multa diária de R$ 5 mil, podendo chegar R$ 100 mil.

Publicidade

Essas respostas servirão para auxiliar o inquérito administrativo aberto pela Superintendência-Geral do Cade a fim de apurar se os bancos violaram possível conduta anticoncorrencial, prática vedada pela Lei 12.529/2011.

Braziliex, Profitfy, BitBlue, Walltime, Foxbit, Bitcoin Trade, E-Juno, Mercado Bitcoin, Atlas e Capital Digital Aberto (OTC) enviaram os questionários.

No início desse mês a Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) havia oficiado dez exchanges e uma OTC. A empresa de arbitragem Atlas também foi oficiada.

As respostas apresentadas mostram a necessidade de se ter uma conta corrente para manter as atividades, pois toda transação é feita por transferência bancária. Nem todas as corretoras, contudo, tiveram contas encerradas pelos bancos. É o caso da Protiffy cujo problema maior foi a abertura de novas contas.

“Até o presente momento não foram esclarecidos quais os motivos que fundamentaram a recusa, em que pese nosso interesse em operar também com esses bancos”, afirmou a empresa.


Procurando o melhor lugar para fazer seus trades?

A Huobi, exchange líder em ativos digitais, chegou ao Brasil! Crie sua conta em menos de 1 minuto. Plataforma em português, mais de 150 altcoins, taxa de apenas 0,20%, liquidez e muita segurança, acesse: https://www.huobi.com/

Publicidade
VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: '101 Perguntas sobre Bitcoin': Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

‘101 Perguntas sobre Bitcoin’: Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

A obra discorre os princípios técnicos da moeda até suas implicações socioeconômicas no contexto atual, de modo a proporcionar um entendimento profundo ao público geral
dupla de homens sendo presa

Irmãos são presos por roubo de R$ 130 milhões em ataque de 12 segundos na rede Ethereum

O procurador americano Damian Williams disse que “este suposto esquema era novo e nunca havia sido acusado antes”
Moeda prateada da Chainlink com reflexo em um fundo roxo

Chainlink sobe 18% ao lançar projeto piloto em Wall Street com JP Morgan, BNY Mellon e DTCC

A DTCC anunciou que acaba de concluir um projeto piloto de tokenização com gigantes de Wall Street, como JP Morgan e BNY Mellon, aproveitando o CCIP da Chainlink
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Ethereum (ETH) decola 20% com expectativa para aprovação de ETFs nos EUA

Manhã Cripto: Ethereum (ETH) decola 20% com expectativa para aprovação de ETFs nos EUA

A animação dos investidores fez aumentar em 219% o volume de negociação do Ethereum nas últimas 24 horas