Imagem da matéria: Bitcoin está com os dias contados, diz vice-presidente do Banco da China no Brasil
Foto? Shutterstock


O economista Hsia Hua Sheng, vice-presidente do Banco da China no Brasil e professor de finanças da Fundação Getúlio Vargas (FGV), disse nesta sexta-feira (7) em seu perfil no LinkedIn que as criptomoedas não controladas pelo Estado terão vida curta:

“As moedas digitais não emitidas pelos governos estão com os dias contados! Elas vão ser controladas indiretamente pelos governos ou vão entrar para mundo de moeda ilegal de vez. Então: Por que investir em bitcoin agora?”.

Publicidade

Em um comentário extra enviado à reportagem do Portal do Bitcoinapós contato por meio de mensagem privada, Sheng disse “In Gov&Tech we trust!”, que na tradução para o português significa “Em tecnologia do governo nós confiamos”.

Para sustentar seu posicionamento anti-criptomoedas descentralizadas, o economista citou a matéria de capa da revista The Economist desta sexta, que chamou as Moedas Digitais dos Bancos Centrais (CBDC) – ou ‘govcoins’ — de a “nova encarnação do dinheiro”.

A publicação, considerada uma das mais importantes do mundo, disse que as CBDCs poderiam cortar despesas operacionais do setor financeiro global – que chegam a US$ 350 por pessoa no ano – e levar serviços bancários para os cerca de 1,7 bilhão de desbancarizados do mundo, além de diminuir a dependência das pessoas pelos bancos comerciais.

No entanto, segundo a The Economist, também há um lado perigoso da ascensão desses ativos digitais governamentais, já que eles “centralizariam o poder no Estado em vez de distribuí-lo por meio de redes ou entregá-lo a monopólios privados”, o que poderia afetar a geopolítica, a forma como o capital é alocado e até mesmo a vida privada do usuário.

Publicidade

“Uma vez em ascensão, as govcoins poderiam se tornar panópticos (termo que faz referência a uma vigilância onipresente) para o Estado controlar os cidadãos: pense em multas eletrônicas instantâneas por mau comportamento. Esse vasto espectro de oportunidades e perigos é assustador”, disse a revista.

China, Bitcoin e CBDCs

A publicação também alertou que não é de se admirar que as CBDCs estejam em alta em países fechados, como a China. O país asiático vive uma relação conturbada com o bitcoin, ao mesmo tempo que não mede esforços para promover e internacionalizar sua moeda digital, o yuan digital.

Em 2017, a China proibiu as exchanges de criptomoedas de operarem no país.

“É revelador que os autocratas da China, que valorizam o controle acima de tudo, estão limitando o tamanho do e-yuan e reprimindo plataformas privadas como a Ant”, disse a revista.

No mês passado, Mu Changchun, presidente do instituto que conduz a CBDC desenvolvida pelo Banco Popular da China (PBoC), falou que é inviável a criação de uma moeda digital anônima.

VOCÊ PODE GOSTAR
CEO da Galaxy Digital, Mike Novogratz, em entrevista ao BNN Bloomberg no YouTube

O Bitcoin precisa de uma nova narrativa para voltar a subir, segundo CEO da Galaxy Digital

Mike Novogratz também acredita que o preço do BTC flutue entre US$ 55 mil e US$ 75 mil até que novos eventos ocorram
Pizza em uma mão moeda de bitcoin na outra

Bitcoin Pizza Day: Corretoras comemoram data histórica do Bitcoin com promoções; confira

Semana tem pizza grátis, cashback, joguinho e descontos em comemoração à primeira transação comercial com o Bitcoin realizada há 14 anos
Imagem da matéria: Questões sociais são desafio para debate do Bitcoin, diz autor de livro da Editora Portal do Bitcoin

Questões sociais são desafio para debate do Bitcoin, diz autor de livro da Editora Portal do Bitcoin

“Parte técnica você descreve como funciona e acabou. Nas vacas sagradas leva um bom tanto de desconstrução de conceitos”, diz Breno Brito
Anic de Almeida Peixoto Herdy é casada com herdeiro da Unigranrio

Herdeira é sequestrada em Petrópolis e criminosos exigem resgate em Bitcoin

Técnico de informática amigo do casal conversou com sequestradores por entender de criptomoedas e foi preso por suspeita de envolvimento