Imagem da matéria: Bitcoin Banco possui 7 mil bitcoins, afirma perito da EMX em nova checagem
Foto: Shutterstock

Duas semanas depois da perícia da administradora judicial indicada pela Justiça, a EXM Partners, encontrar 0,000006 BTC na carteira da empresa de Claudio Oliveira, eis que uma nova foi realizada no dia 15 e divulgada nesta segunda-feira (18). Resultado: foram encontrados 7 mil bitcoins — cerca de R$ 380 milhões em posse do Bitcoin Banco.

No dia 12 de maio, a juíza do caso havia solicitado a realização de uma nova perícia. Conforme o documento, o procedimento foi feito às 14h na sede do Bitcoin Banco para conferir a existência de uma paper wallet.

Publicidade

Estavam presentes Átila Sauner Posse, o perito anterior, Claudio Oliveira, acompanhado de quatro advogados, o advogado da empresa, e Átila Sauner Posse, representando a administrador judicial, com seu assistente especializado em tecnologia, Filipe Ferrarini Gevaerd.

A conclusão da perícia foi descrita da seguinte maneira: “à AJ, que é auxiliar deste Juízo, a ‘paper wallet’ com as citadas criptomoedas”, que possui saldo superior a 7.000 BTC”.

Perícia anterior

No final de abril, de acordo com documento anterior da EMX, houve uma nova reunião na sede das Recuperandas, onde Oliveira e Eduardo Vaz, que agora consta como presidente do GBB, foram indagados a situação dos bitcoins e das transferências das carteiras.

A resposta dada à EMX foi a apresentação de um “saldo na tela de um sistema diverso, denominado ‘Bitcoin Core’, no montante de 7.089,58263542, o qual, segundo a administração das Recuperandas está em poder do Grupo”.

Publicidade

Contudo, como descrito no documento, Administradora Judicial não obteve acesso às carteiras e nem ao histórico da movimentação de criptomoedas.

A perícia que verificou a existência dos 7 mil bitcoins ocorre poucos dias depois da Polícia Civil de Curitiba decidir arquivar o inquérito sobre as fraudes alegadas pelo Bitcoin Banco no ano passado. A conclusão do delegado responsável pelo caso, José Barreto de Macedo Junior, afirmar que a fraude foi uma estratégia para não pagar milhares de clientes por todo o país.  

Segundo o relatório, Oliveira fez graves acusações a pessoas sem apresentar qualquer prova e não conseguiu sustentar como um suposto rombo de R$ 60 milhões poderia afetar a saúde financeira de um grupo empresarial que tinha reserva para três meses.

Por uma mensagem em áudio a um grupo no Telegram, Oliveira acusou o delegado:

“Sabe por que um delegado dá um despacho daquele? Porque ele é contaminado com a porqueira — as bostas que esses portais mequetrefe de merda fala”, disse.

VOCÊ PODE GOSTAR
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”
Pizza em uma mão moeda de bitcoin na outra

Bitcoin Pizza Day: Corretoras comemoram data histórica do Bitcoin com promoções; confira

Semana tem pizza grátis, cashback, joguinho e descontos em comemoração à primeira transação comercial com o Bitcoin realizada há 14 anos
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo