Imagem da matéria: Bitcoin avança em países muçulmanos, mas enfrenta discussão sobre concordância com a lei islâmica
Shutterstock

Omã, um país do Oriente Médio, é um exemplo de como as nações islâmicas estão intensificando seu envolvimento com criptomoedas, seguindo uma estratégia para tonar o país um centro digital em uma região cada vez mais competitiva dentro dos criptoativos.

Em agosto, o governo de Omã anunciou cerca de US$ 800 milhões em novos investimentos em operações de mineração de criptomoedas. No dia 23 de agosto, foi anunciada uma parceria envolvendo US$ 300 milhões com o grupo Phoenix, com sede em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos.

Publicidade

O acordo prevê a criação de uma fazenda de mineração de 150 megawatts em parceria com a Green Data City — a primeira entidade de mineração licenciada de Omã — que entrará em operação no próximo ano.

Semanas antes, a capital Muscat aprovou uma outra fazenda de US$ 370 milhões operada pela Exahertz International, com planos para lançar mais 15.000 máquinas até outubro, de acordo com um relatório de notícias local.

Bitcoin é compatível com a lei islâmica?

As incursões recentes de Omã na mineração de criptomoedas acontecem em um momento em que a região está se mostrando mais receptiva à indústria cripto. Isso também acontece após muita deliberação em torno de uma questão importante no mundo islâmico: criptomoedas como o Bitcoin são halal ou haram?

De acordo com a lei islâmica, ou sharia, existem certos princípios financeiros que determinam se algo é moralmente permitido (halal) ou não (haram).

Publicidade

Para alguns estudiosos islâmicos, a natureza frequentemente especulativa das criptomoedas a torna não permitida, uma visão que deu origem a fatwas (decretos legais islâmicos) contrárias ao ativos digitais emitidos por grupos islâmicos proeminentes na Turquia, Egito e Indonésia, o maior país muçulmano do mundo.

No entanto, outros argumentam que as criptomoedas podem ser consideradas halal sob a lei islâmica, pois não há juros (riba) associados à posse de tokens como o Bitcoin, o que seria desaprovado sob a sharia. Também é argumentado que a aceitação generalizada das criptomoedas como moeda pode sustentar o argumento de que é halal.

Países islâmicos adotam o Bitcoin

Mesmo enquanto o debate entre os estudiosos islâmicos continua, as nações muçulmanas têm sido algumas das maiores adotantes de criptomoedas nos últimos anos.

De acordo com um relatório de outubro de 2022 da Chainalysis, o Oriente Médio e o Norte da África, de maioria muçulmana, foram os mercados de criptomoedas de crescimento mais rápido naquele ano.

Publicidade

No Índice de Adoção de Criptomoedas (Crypto Adoption Index) da Chainalysis, quatro dos 20 maiores países que adotaram as moedas virtuais eram países de maioria muçulmana, e eles foram acompanhados por estados com grandes populações muçulmanas, como Índia e Nigéria.

O cenário regulatório em todo o mundo muçulmano ainda é uma mistura de regras diferentes. Por um lado, países como os Emirados Árabes Unidos têm liderado ao se estabelecerem como polos atraentes para empreendedores de criptomoedas em todo o mundo.

Por outro lado, existem países como a Turquia, com regras que permitem a negociação de criptomoedas, mas proíbem o seu uso para pagamentos e sua utilização por intermediários financeiros.

*Traduzido e editado com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: El Salvador já minerou R$ 154 milhões em Bitcoin usando energia de vulcão

El Salvador já minerou R$ 154 milhões em Bitcoin usando energia de vulcão

A mineração de Bitcoin é feita com energia do vulcão Tecapa, usando 300 processadores voltados para essa atividade
Imagem da matéria: Maior plataforma P2P de Monero fecha após 7 anos de operação

Maior plataforma P2P de Monero fecha após 7 anos de operação

A plataforma peer-to-peer focada na moeda de privacidade Monero (XMR) citou “uma combinação de fatores internos e externos” para sua decisão de fechar as portas
Nathalia Arcuri falando em evento

Mercado Bitcoin e Nathalia Arcuri firmam parceria de conteúdo via blockchain

Mercado Bitcoin e Nathalia Arcuri firmam parceria via blockchain e promovem educação financeira de criptoeconomia gratuita
criptomoedas caindo no fogo

Volume de negociação em corretoras de criptomoedas cai pela 1ª vez em 7 meses

Análise aponta que guerra no Oriente Médio e freio no fluxo dos ETF cripto dos Estados Unidos foram os motores para a queda