Blockchain
Shutterstock

Conhecido como o “Banco Central dos bancos”, o Banco de Compensações Internacionais (BIS) anunciou nesta quarta-feira (4) os avanços do Projeto Atlas, criado para mapear transações de criptomoedas e explorar a relevância macroeconômica dos mercados cripto e DeFi (finanças descentralizadas).

Conforme reportou a Reuters, o projeto Atlas, que representa um esforço colaborativo do BIS Innovation Hub Eurosystem Centre, do De Nederlandsche Bank e do Deutsche Bundesbank, desenvolveu um protótipo de sistema de monitoramento de criptomoedas cujo objetivo é fornecer às autoridades uma visão mais clara de como, quando e onde os ativos são utilizados.

Publicidade

Embora o projeto Atlas tenha começado no banco central holandês há mais de cinco anos, seu valor potencial foi destacado nos últimos 18 meses devido a uma série de colapsos caóticos na indústria de criptomoedas.

A origem dos dados

O projeto combina dados coletados de corretoras de criptomoedas (chamados de dados off-chain) com dados detalhados extraídos de blockchains públicas (dados on-chain).

Nesta fase de prova de conceito, o Atlas está focado em aprimorar a metodologia de coleta de dados e no desenvolvimento da plataforma.

Segundo comunicado para a imprensa do BIS, embora muitos dados sobre a indústria estejam atualmente disponíveis, eles estão espalhados por vários protocolos, atores de mercado e jurisdições, e frequentemente não são regulamentados ou padronizados.

Publicidade

Uma análise inicial dos dados preliminares coletados pela plataforma mostra que os fluxos transfronteiriços são economicamente substanciais e distribuídos de forma desigual em diferentes regiões geográficas.

“O Projeto Atlas é um excelente exemplo do que o BIS Innovation Hub pode alcançar. Trabalhando na interseção da economia, finanças e engenharia da computação, estamos desenvolvendo um bem público novo e importante para os bancos centrais em todo o mundo. Os dados sobre fluxos transfronteiriços são relevantes para áreas como pagamentos e análise macroeconômica”, afirma Cecilia Skingsley, Chefe do BIS Innovation Hub.

Ferrenho crítico das criptomoedas

A opinião do BIS, uma organização global liderada por 63 grandes bancos centrais, sobre o mercado cripto é crítica: “Se forem amplamente utilizadas para pagamentos, as criptomoedas, incluindo as stablecoins, podem representar uma ameaça à estabilidade financeira”, disse o BIS em um relatório publicado em julho deste ano.

O Relatório Econômico Anual de 2022 do BIS apontou que as “falhas estruturais” do setor de criptomoedas o tornam “inadequado para [servir de] base para o sistema monetário”.

Publicidade

O estudo também sugere que o papel da tecnologia blockchain em um futuro sistema monetário provavelmente terá a forma de moedas digitais de bancos centrais (CBDC). Na visão do BIS, “um sistema baseado em dinheiro de banco central oferece uma base mais sólida para a inovação”.

VOCÊ PODE GOSTAR
Mão segurando celular com o logo da carteira de criptomoedas MetaMask

MetaMask lança sistema para acabar com prática que drena dinheiro dos usuários do Ethereum

Smart Transactions busca fazer com que clientes sejam protegidos da prática de máximo valor extraível na blockchain Ethereum
Bitcoin em gráfico de alta com seta azul apontado para o alto

Traders esperam que Bitcoin supere a máxima de US$ 74 mil em breve

“Esperamos um impulso de alta aqui que pode nos levar de volta às máximas de US$ 74 mil”, disse a QCP Capital sobre o momento do Bitcoin
Imagem da matéria: Fundos cripto do Brasil e Hong Kong são os únicos com fluxo positivo na última semana

Fundos cripto do Brasil e Hong Kong são os únicos com fluxo positivo na última semana

Fundos cripto tiveram a quarta semana seguida de saídas, mas o Brasil segue com tendência positiva ao lado de Hong Kong, que se destaca com a estreia de ETFs
Imagem da matéria: BNDES planeja lançar em agosto o piloto da Rede Blockchain Brasil

BNDES planeja lançar em agosto o piloto da Rede Blockchain Brasil

Blockchain deve chegar com casos de uso: diploma digital pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa e uma cadeia de custódia de provas