Celular com logotipo da BInance
Shutterstock

A Binance impôs uma restrição que impede os traders P2Ps brasileiros de publicarem anúncios de compra e venda de criptomoedas na plataforma de negociação da exchange com qualquer outra moeda fiduciária que não o real.

Antes disso, os P2Ps que atuavam a partir do Brasil podiam negociar criptomoedas diretamente com outros usuários usando dólar, euro e peso argentino, entre diversas outras moedas. Na prática, isso limita a gama de clientes que os P2Ps brasileiros podem atender, já que agora só poderão negociar dentro da Binance com usuários que usem reais.  

Publicidade

O Portal do Bitcoin confirmou a mudança na política da Binance com quatro profissionais P2P que usam a Binance para trabalhar. Procurada, a exchange não respondeu a uma série de questionamentos feitos pela reportagem, se limitando a dizer que “revisa seus processos e ferramentas como parte de seu compromisso com o desenvolvimento do ecossistema cripto”.

O P2P Daniel Hatano diz que notou a mudança na última sexta-feira (23), ressaltando que a Binance não fez qualquer aviso prévio para alertá-los sobre a nova política. 

“Três dias atrás, de noite para dia, todo mundo [de fora do Brasil] foi proibido de negociar com brasileiro na plataforma P2P. Agora, somente brasileiro pode negociar com brasileiro. Isso é um problema porque havia muitos argentinos que negociavam conosco”, critica o profissional.

O P2P Nikolas Paolo diz que embora não opere com outras moedas fiduciárias além do real na Binance, também percebeu a mudança na plataforma. Na visão dele, isso vai afetar diretamente o fluxo de estrangeiros que compram criptomoedas em seus países de origem para vender no Brasil.

Publicidade

É o caso do token USDT, a stablecoin pareada ao dólar emitida pela Tether. Trata-se da criptomoeda mais negociada no Brasil que se tornou uma alternativa para aqueles que querem “dolarizar” seu capital, um caso mais comum em países que possuem moedas locais enfraquecidas, como Argentina e Venezuela.

USDT também se mostra uma alternativa para remessas de dinheiro para o exterior, já que utilizá-la envolve taxas muito menores do que uma operação de câmbio tradicional. Tal característica, somada ao anonimato da blockchain, já foi percebida por aqueles que querem contornar as autoridades e praticar evasão de divisas.

“Um argentino entrava no book P2P da Argentina, comprava USDT com pesos. Depois ele pegava esse USDT e vendia no book P2P brasileiro para receber reais. Muitos faziam isso. Se no P2P a pessoa, mesmo fazendo duas operações, gastava 5% de taxa, no câmbio oficial ela gastaria de 10% a 15%, então usar cripto continuava muito melhor”, compara Paolo.

Para o P2P, a mudança afeta o mercado local “pois agora a Binance perderá parcela significativa” dos possíveis clientes em busca dessa operação.

Publicidade

Mudança de duas vias

O P2P Paulo Vitor notou que a Binance também passou a impedir que P2Ps com contas baseadas em outros países, como Argentina, publiquem anúncios de compra e venda de criptomoedas usando como par o real brasileiro.  

Porém, enquanto nesses países outras moedas fiduciárias, como dólar e euro, continuam disponíveis na plataforma, no caso do Brasil apenas o real pode ser negociado como par pelos P2Ps.

Na primeira imagem, plataforma fora do Brasil oferece diversas opções de moeda fiat, menos o real; na segunda imagem, no sistema de P2Ps brasileiros, o real é a única opção disponível para abrir um anúncio de compra/venda (Foto: Reprodução/Binance)

“Acredito que a maior parte da movimentação de P2P no Brasil é feita com estrangeiros, não só argentinos. A comunidade de venezuelanos é muito grande, além dos árabes e chineses”, analisa Vitor.

Ele avalia a mudança da Binance como “limitante” e “perigosa” para os brasileiros que trabalham como P2P:

“Limita porque deixa de ter um volume de negociação no Brasil e fica perigoso no momento que fazemos negócios fora da plataforma que consideramos mais segura, com os processos de KYC [Conheça seu Cliente] . Além do que, nós brasileiros também podemos usar bancos estrangeiros ou conta em dólares de bancos nacionais para fazer P2P no exterior. Se não temos acesso a outras moedas, temos que recorrer a contas de terceiros, o que também torna a operação mais perigosa.”

Outro P2P ouvido pela reportagem que pediu para não ter o nome divulgado, vê a mudança da Binance com bons olhos, uma vez que pode trazer mais segurança para o mercado ao limitar que pessoas operem de maneira indevida, usando por exemplo, contas de terceiros. Ele inclusive diz já ver os efeitos da mudança da Binance na prática:

Publicidade

“Tem muitos argentinos vindo no privado querendo fazer negociação. Muitos deles conseguem abrir conta aqui no Brasil, ou alugar conta de brasileiros, para fazer câmbio. Como o KYC deles na Binance é de outro país, agora eles não conseguem mais operar com o par em real, da mesma forma que brasileiros que operavam em outros pares [de moeda fiduciária] não conseguem mais”, analisa.

Quer fazer uma denúncia? Envie um e-mail para [email protected]

VOCÊ PODE GOSTAR
Brad Garlinghouse, CEO da Ripple , posa para foto

Mercado de criptomoedas vai valer US$ 5 trilhões até final do ano, prevê CEO da Ripple

Brad Garlinghouse justifica seu otimismo pelo halving do Bitcoin e um possível impulso regulatório positivo do mercado cripto nos EUA
Imagem da matéria: Toncoin (TON) valoriza  40% na semana e ameaça ultrapassar Dogecoin

Toncoin (TON) valoriza 40% na semana e ameaça ultrapassar Dogecoin

Uma possível IPO do Telegram contribuiu para o recente aumento no preço do TON, fortalecendo sua posição entre os maiores tokens do mercado
Celular com gráficos de ações e criptomoedas em queda no fundo

Preço de tokens BRC-20 da rede Bitcoin despencam antes do halving — Runes é o culpado?

Em semana crucial para a principal rede de criptomoedas, a ORDI caiu mais de 40%
Imagem da matéria: Web Summit Rio: regulação cripto, Web3 e os temas que dominaram o último dia do evento

Web Summit Rio: regulação cripto, Web3 e os temas que dominaram o último dia do evento

Com painéis sobre regulação, Web3 e diversos outros temas, o Web Summit Rio terminou na última quinta-feira no Rio de Janeiro