Homem trocando o chip do celular
Shutterstock

Vários casos de furtos de criptomoedas envolvendo operadoras de telefonia e corretoras cripto têm gerado um embate na Justiça entre os dois setores. Tim e Claro, por exemplo, acusam a Binance de  deixar brechas para golpistas, enquanto a corretora responsabiliza as operadoras. As informações são de reportagem do site Metrópoles.

De acordo com a matéria, vários casos se referem a celulares que foram clonados especificamente como parte de um plano para o roubo de criptomoeda das corretoras. No entanto, diz a publicação, ao avaliar os casos, o Judiciário tem decidido de formas divergentes.

Publicidade

Em fevereiro deste ano, conta o site, um cliente da Tim teve sua linha comprometida e o ladrão solicitou à Binance uma transferência de mais de R$ 3 mil em criptomoedas mediante uso de dados exportados do celular. A suposta vítima afirmou que a ação se fez após a corretora enviar um código de segurança ao criminoso.

Este procedimento, contudo, é comum na maioria das plataformas cripto. Isso porque, após a plataforma receber todas as informações necessárias do usuário, entende que se trata-se do titular da conta.

Mas em uma das ações na Justiça, descreve o site, a Tim sustentou que a Binance, assim como outras instituições financeiras, é leniente com a segurança das operações por visar mais ganhos e que a empresa cripto “deveria, sozinha, ser responsabilizada pelas perdas do investidor”.

Em um trecho de um processo que corre no Tribunal de Justiça de São Paulo que o Metrópoles obteve acesso, a defesa da Tim argumenta que a falta de mais segurança nas plataformas de criptomoedas decorre da priorização do “volume de negósios”. “Fica claro que privilegiam o volume de negócios, o lucro, em detrimento da segurança do usuário, pois sabem que, no saldo final, ganharão mais do que perderão”, diz

Publicidade

Neste caso, o TJSP entendeu que houve falha das duas empresas. De um lado, foi permitido que o usuário acessasse o serviço de um IP diferente; do outro, falha de segurança. A juíza Marcela Filus Coelho decidiu então com a “teoria do risco do negócio e” que “aquele que onde está o ganho, aí reside o encargo”.

Claro contra a Binance

Em um outro processo, que envolve a Binance e a Claro, uma pessoa alegou ter sido vítima do golpe conhecido como “SIM Swap”  — Nesta fraude, criminosos pedem a transferência do número de uma pessoa para um novo chip e passam a redefinir senhas para acessar contas e aplicativos. Ela pede R$ 206 mil de indenização por ter sofrido um prejuízo de cerca de R$ 38 mil em criptomoedas.

Neste caso, a defesa da Claro afirmou que a Binance deveria responder pelos fatos por conta da falha no sistema de segurança, conta o Metrópoles, que procurou a corretora para comentar os casos.

Conforme relata o site, a Binance disse que a segurança da plataforma é prioridade e que atua em total colaboração com as autoridades locais para coibir que pessoas mal intencionadas utilizem a plataforma. Disse também que realiza um trabalho permanente de educação e apoio aos usuários, incluindo melhores práticas de segurança.

Publicidade

Claro condenada

No início do ano, a Claro foi condenada a ressarcir um cliente que teve a sua reserva de bitcoin roubada após ser alvo do golpe “SIM Swap”.  No caso julgado pela 10ª Vara Cível de Brasília, os criminosos pediram a transferência do número da vítima para um chip SIM novo, solicitação que a empresa acolheu sem fazer maiores checagens.

Logo em seguida, as senhas das plataformas que a vítima utilizava para investir em criptomoedas foram alteradas e os criminosos conseguiram roubar o equivalente a R$ 41.690 em bitcoin.

Em sua defesa, a Claro disse que não havia como provar uma ligação entre a troca de chip e o sumiço dos bitcoins. Mas a juíza Monike de Araujo Cardoso Machado ressaltou que é “patente a responsabilidade” da empresa pelo prejuízo, “pois não forneceu a segurança que o consumidor esperava ao permitir que sua linha telefônica fosse extraviada, franqueando acesso aos seus aplicativos e sites”.

Quer negociar mais de 200 ativos digitais na maior exchange da América Latina? Conheça o Mercado Bitcoin! Com 3,8 milhões de clientes, a plataforma do MB já movimentou mais de R$ 50 bilhões em trade in. Crie sua conta grátis!

VOCÊ PODE GOSTAR
Presidente do Banco Central Roberto Campos Neto falando diante de um microfone

Presidente do Banco Central se reúne com MB um dia após anunciar agenda da regulação do mercado cripto

O Banco Central divulgou ontem os próximos passos para a regulação do setor cripto e espera concluir o processo até o final de 2024
criptomoedas, criptoativos, regulação, Brasil, projeto de lei

Banco Central anuncia próximos passos da regulamentação do mercado cripto no Brasil

Sem definir datas, BC diz que irá fazer mais uma consulta pública no segundo semestre e um planejamento interno sobre stablecoins
Imagem da matéria: Brasileiros importam R$ 8,9 bilhões em criptomoedas em abril apesar da queda do Bitcoin

Brasileiros importam R$ 8,9 bilhões em criptomoedas em abril apesar da queda do Bitcoin

Volume importado de criptomoedas mais que dobrou em abril em comparação com o mesmo período de 2023
Imagem da matéria: 8 ETFs de Ethereum à vista são aprovados pela SEC nos EUA

8 ETFs de Ethereum à vista são aprovados pela SEC nos EUA

Expectativa agora é que Ethereum possa renovar sua máxima histórica de novembro de 2021 e passar com folga a marca dos US$ 5 mil