Números e letrs douradas sob um placa formam símolo do Real brasileiro
Shutterstock

O Banco Central do Brasil (Bacen) publicou, nesta segunda-feira (3), a documentação com as orientações para a participação no projeto-piloto do Real Digital (CBDC brasileira), em um arquivo público e colaborativo no GitHub. O repositório recebeu o nome de “Kit Onboarding — Piloto Real Digital”, e pode ser acessado por qualquer um, na plataforma aberta.

Após a públicação, já surgiram alguns questiomentos na plataforma. Um usuário do Github perguntou: “Serão disponibilizados os endereços e o código fonte dos contratos para o público? Qual explorador de blocos será usado?”.

Publicidade

Logo depois, outro fez nova cobrança, mas mais incisivo: “Eu também gostaria do código fonte, afinal foi criado utilizando recursos públicos, deveria ser aberto para que todos pudessem auditar e sugerir melhorias. Porque é que software criado com dinheiro dos contribuintes não é Software Livre?”.

São quatro categorias documentadas na plataforma:

O GitHub é uma plataforma e serviço em nuvem para o desenvolvimento de softwares. E também um palco para o desenvolvimento de Softwares de Código Aberto (OSS, para Open Source Software, em inglês).

É muito utilizado por desenvolvedores de aplicações descentralizadas, em uma espécie de rede social e plataforma colaborativa para a criação, desenvolvimento, acompanhamento, auditoria e atualização destas aplicações abertas.

O projeto do Real Digital poderá abrir as portas para que entes estatais — como prefeituras e estados — mantenham carteiras de criptomoedas, algo que não é previsto pela legislação atual. A afirmação é do senador Carlos Portinho (PL), durante participação no evento Criptorama/Money Monster Brazil, que aconteceu mês passado (7 de junho) em Brasília.

Publicidade

O presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto, havia detalhado, alguns dias antes, a sua visão sobre a estrutura que está sendo construída para o Real Digital. O executivo participou do seminário Valor Capital’s Workshop e ressaltou que “pagamentos digitais são apenas uma pequena parte” do que a entidade está construindo.

Campos Neto reconheceu que isso pode parecer contraintuitivo, já que maioria dos outros governos e bancos centrais desenvolvendo suas CBDCs estão focados em criar uma solução por meio de um sistema de pagamentos.

“Para pagamentos diários ou transfronteiriços nós já temos o Pix”, disse Roberto Campos Neto. O sistema pode ser usado para pagamentos ponto a ponto no Brasil e também fora do país, como acontece em Orlando (EUA) e no Uruguai.

O consórcio liderado pelo MB (Mercado Bitcoin) com Mastercard, CERC, Sinqia e agora, a Genial Investimentos, foi recentemente (22 de junho) admitido no projeto do Real Digital, depois de recurso amplo apresentado ao Banco Central (Bacen).

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Mercado Bitcoin celebra 11 anos com nova assinatura de marca

Mercado Bitcoin celebra 11 anos com nova assinatura de marca

Completando 11 anos, o MB introduz um novo posicionamento de marca, caracterizado por uma atualização na identidade visual
Imagem da matéria: Bitcoin Lightning e soluções de segunda camada podem ser “abusadas ​​por criminosos”, diz UE

Bitcoin Lightning e soluções de segunda camada podem ser “abusadas ​​por criminosos”, diz UE

Um relatório do Centro de Inovação da UE diz que as soluções de Bitcoin e de segunda camada podem causar “problemas para as investigações policiais”
Imagem da matéria: Exchange japonesa DMM Bitcoin apresenta plano após perder US$ 300 milhões em BTC

Exchange japonesa DMM Bitcoin apresenta plano após perder US$ 300 milhões em BTC

Empresa já iniciou processo de captação para comprar a quantidade suficiente em Bitcoin para pagar os clientes impactados pelo ataque
Celular com o logo da CVM e notebook aberto no site da Comissãod e Valores Mobiliários

Caso contra Atlas Quantum exemplifica a longa demora para CVM julgar processos

O prazo médio para a Comissão de Valores Mobiliários terminar de julgar Termos de Acusação é de quatro anos e meio