Fachada da sede do Banco Central do Brasil
Foto: Shutterstock

A consulta pública lançada pelo Banco Central na última quinta-feira (14) sobre como deve regulamentar o mercado de criptomoedas do Brasil, reacendeu o debate em torno de um aspecto crucial do Marco Cripto, implementado há um ano: a segregação patrimonial. Porém, mais do que questionar sobre esse mecanismo, a autoridade monetária nacional levanta a possibilidade para outras soluções de proteção aos investidores.

Um dos principais sistemas que já são usados hoje e poderiam ser copiados no mercado de criptomoedas é o uso de uma espécie de Fundo Garantidor de Créditos (FGC).

Publicidade

No mercado tradicional, esse fundo cobre uma série de tipos de investimento em determinadas situações, como por exemplo a falência de um banco, garantindo que seus investidores recebam de volta até R$ 250 mil do valor investido em cada instituição que possua dinheiro (desde que não sejam do mesmo grupo financeiro).

Durante a discussão do Marco Cripto, o principal mecanismo defendido para a proteção dos investidores era a segregação patrimonial, que é a separação do que é recurso dos clientes investido na plataforma e o que é patrimônio da empresa prestadora de serviço. Com isso, se garante que o dinheiro do investidor está sempre disponível, e em caso de uma quebra da companhia, os clientes irão receber de volta seus recursos.

A questão é que na aprovação da lei cripto, a segregação patrimonial foi apagada do texto final e agora o Banco Central — órgão escolhido para regular o setor cripto — estuda qual a melhor forma de proteção.

Na consulta pública divulgada pelo BC semana passada, o primeiro bloco trata de “Segregação patrimonial e gestão de riscos”. Nele, a autoridade pergunta:

Publicidade

“Considerando alguns mecanismos existentes no arcabouço regulatório do sistema financeiro, deve existir algum tipo de proteção aos investidores, na forma de seguros ou de fundos garantidores (a exemplo do Fundo Garantidor de Créditos – FGC ou do Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito – FGCoop), com cobertura até determinados valores, com recursos originados do próprio segmento? Quais são os tipos de seguros que podem ser associados às operações do segmento?”.

Ao jornal Folha de S. Paulo, Marcelo Padua Lima, sócio da área de Bancário e Fintechs do Cascione Advogados, destaca que a pergunta do BC sinaliza que a entidade está buscando alternativas de proteção aos investidores.

“Como a lei [cripto] não prevê a separação total do patrimônio da corretora de criptos e as aplicações, o BC pensa em compensar essa fragilidade legal com outros mecanismos que deem mais garantia”, afirma.

No mercado financeiro tradicional, o FGC cobre até R$ 250 mil por CPF ou CNPJ em determinados tipos de aplicações e seguindo algumas regras. No mesmo item do edital, o BC também questiona sobre a segregação e qual a melhor forma de realizar esse tipo de proteção dos clientes.

Publicidade

Vale ressaltar que esses mecanismos de proteção podem resultar em aumento de custos das transações para os investidores que usam plataformas que não aplicam a segregação patrimonial e usam recursos dos clientes para gerar recursos para suas operações.

Qualquer pessoa interessada em participar da consulta pública do Banco Central pode responder o formulário no site bcb.gov.br até o dia 31 de janeiro, disponível através do menu “Estabilidade financeira”, seguido de “Normas”, “Consultas públicas” e “Consultas ativas”. 

VOCÊ PODE GOSTAR
Dedo indicador apoia bolo de dinheiro em forma digital

LIFT Lab do BC retorna com edição focada em blockchain, tokenização e cripto

Desde 2018, projetos que chegaram na fase de aceleração do LIFT Lab receberam R$ 400 milhões da iniciativa privada para serem desenvolvidos
Imagem da matéria: Catizen: como ganhar o máximo de moedas no jogo cripto do Telegram

Catizen: como ganhar o máximo de moedas no jogo cripto do Telegram

Um airdrop está chegando ao Catizen em breve, e é assim que você pode maximizar seu potencial de ganhos — e talvez salvar alguns gatos da vida real no processo
Chuva de criptomoedas

As 3 criptomoedas que superaram o Bitcoin no 2º trimestre

Euforia das memecoins, um ativo vinculado ao Telegram e um token que busca resolver o trilema da blockchain foram os maiores vencedores do 2º trimestre
Imagem da matéria: Robinhood planeja lançar contratos futuros de criptomoedas, diz Bloomberg

Robinhood planeja lançar contratos futuros de criptomoedas, diz Bloomberg

Produtos seriam lançados para mercado dos Estados Unidos e Europa em 2025 por meio das licenças da Bitstamp, comprada em junho