Fachada da sede do Banco Central do Brasil
Foto: Shutterstock

O Banco Central divulgou na segunda-feira (4) sua lista de prioridades para o ano de 2024, elencando a criação de regras para o mercado de criptoativos como um de seus objetivos mais importantes.

Dentro do tema de “Câmbio e Capitais Internacionais”, o BC apontou que pretende realizar nova consulta pública e entregar a norma para regulamentar o uso de ativos virtuais em operações cambiais e para capitais internacionais. Além disso, está na meta a norma para ajustar o arcabouço prudencial para incorporar o tratamento da exposição a ativos virtuais.

Publicidade

Já no tema de “Inovação”, o documento do BC aponta para estudos sobre tokenização e Inteligência Artificial, mas o destaque fica com a aguardada consulta pública e norma para regulamentar prestadoras de serviços de ativos virtuais
(VASPs, na sigla em inglês).

Durante coletiva de imprensa feita ontem, Ricardo Moura, chefe do Departamento de Regulação Prudencial e Cambial do Banco Central, explicou que são três as prioridades da autoridade monetária: área de investimento em portfólio, que visa simplificar o processo de investimento de não residentes; aumentar a eficiência do curso das operações interbancárias de câmbio; e regulamentar o uso de ativos virtuais em operações cambiais e para capitais internacionais.

Sobre o tema dos criptoativos, o executivo disse que o BC irá “regular de que maneira isso pode ser usado para fazer transferência de recursos”, comentando também sobre o caso das stablecoins. Segundo ele, o mercado acaba desenvolvendo “mecanismos alternativos” e que cabe ao regulador disciplinar as atividades por meio legal.

“Estamos em etapa preliminar para entrar na parte mais do detalhamento das operações de câmbio. Não posso adiantar o uso ou não uso de stablecoins”, completou Renato Uema, chefe-adjunto de regulação do sistema financeiro, na coletiva, segundo informações do Estadão.

Publicidade

As responsabilidades do BC

O BC encerrou no último dia 31 de janeiro a sua primeira consulta pública para tratar da regulação do setor de criptomoedas no Brasil. Definido no Marco Cripto como órgão responsável por estabelecer essas regras, o BC ainda deve realizar outras etapas antes de definir a regulação final.

Na primeira etapa foram 240 respostas vindas de empresas, associações e pessoas, que fizeram comentários acerca de 38 questões, divididas em 8 tópicos, que passavam desde a segregação de patrimônio, proteção para a custódia de ativos e staking.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Ex-ministro do Petróleo da Venezuela é preso por corrupção com uso de criptomoedas

Ex-ministro do Petróleo da Venezuela é preso por corrupção com uso de criptomoedas

O ex-ministro Tareck El Aissami foi preso por participar de esquema que desviou US$ 15 bilhões da venda de petróleo usando criptoativos
moeda de bitcoin à frente da bandeira de hong kong

Aprovação de ETFs de Bitcoin e Ethereum pode ocorrer segunda em Hong Kong

O esperado aceno regulatório abriria um dos maiores mercados financeiros do mundo para os ETFs de Bitcoin e Ethereum
Imagem da matéria: PF prende hacker que vendia dados de 223 milhões de brasileiros por criptomoedas

PF prende hacker que vendia dados de 223 milhões de brasileiros por criptomoedas

“Vandathegod” foi responsável pelo maior vazamento de dados da história do Brasil
silhueta de homem com celular e logo da coinbase no fundo

Coinbase entra com recurso contra decisão em caso contra a SEC

Ao interpor o recurso, a Coinbase alega motivos substanciais para divergências de opinião, segundo disse o site The Block citando uma pessoa familiarizada com o caso