Imagem da matéria: Banco Central da Argentina vai investigar nove fintechs que usam criptomoedas
Foto: Shutterstock

O Banco Central da Argentina (BCRA) comunicou na última sexta-feira (11) que deu início a ações de fiscalização a um grupo de fintechs que se oferecem como intermediários para financiar projetos de investimento por meio de criptomoedas. A investigação, disse a entidade, é para saber se essas empresas estão realizando intermediação financeira sem autorização das autoridades competentes.

De acordo com o órgão, a inspeção cobre nove empresas fintech que coletam depósitos que são convertidos particularmente em criptomoedas, e que posteriormente são aplicadas tanto para investimento quanto para financiamento ao consumidor, oferecendo uma recompensa.

Publicidade

“Se as investigações determinarem indícios de intermediação financeira sem autorização, o BCRA fará as correspondentes denúncias criminais nos termos do artigo 310 do Código Penal”, disse a entidade, se referindo às penalidades que prevê a lei, como multas e a desqualificação para atuar no mercado.

O BCRA ressaltou que a ‘Lei das Entidades Financeiras’ delega ao BCRS ordenar a cessação imediata e definitiva da atividade, bem como aplicar sanções quando houver suspeita de que uma pessoa ou empresa está exercendo  a função de intermediação financeira de forma ilegal.

Contudo, a entidade não revelou o nome das empresas que estão sob investigação. Ao Coindesk, que comentou a nota do banco central da Argentina, um porta-voz da entidade disse que o órgão está em processo de notificar as empresas e que pode ser concluído na próxima semana.

Criptomoedas na Argentina

Em abril, o BCRA intimou todas as instituições financeiras do país a dar informações de clientes que negociam no setor de criptomoedas. Na ocasião, o órgão disse que precisava identificar quem comprava e vendia criptoativos. Pessoas a par do assunto na autoridade monetária disseram que se tratava de uma prática comum, que a de solicitar aos bancos informações sobre diversos temas de interesse antes de avançar na elaboração de regulamentos.

Publicidade

No entanto, a observação acerca de quem negocia criptomoedas já vem sendo aplicada há pouco mais de um ano. Em junho do ano passado, o BCRA emitiu uma resolução para as instituições financeiras obrigarem os seus clientes a declarar quaisquer ativos conversíveis em moeda estrangeira, incluindo as criptomoedas. A medida seria para evitar a evasão de dólares existentes no país.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Bitcoin e Ethereum sobem após dado de inflação e antes de decisão de juros nos EUA

Bitcoin e Ethereum sobem após dado de inflação e antes de decisão de juros nos EUA

As principais criptomoedas, como o Bitcoin, sobem nesta quarta após o indicador de inflação dos EUA mostrar que os preços subiram menos que o previsto em maio
Imagem da matéria: Memecoins da TON sobem apesar de fraqueza do mercado cripto

Memecoins da TON sobem apesar de fraqueza do mercado cripto

Memecoins criadas na TON, como The Resistance Cat, tiveram alta de até 50% no domingo, recuperando parte das perdas recentes
Fachada da GameStop em Tyler no Texas

Memecoins da GameStop e Iggy Azalea encerram semana com perdas de até 50%

MOTHER – uma memecoin lançada pela rapper Iggy Azalea – despencou 38% nos últimos 7 dias
Imagem da matéria: Morte de John McAfee completa 3 anos; relembre a história do “pai do antivírus” e defensor do Bitcoin

Morte de John McAfee completa 3 anos; relembre a história do “pai do antivírus” e defensor do Bitcoin

Não importa o quão fascinante tenha sido sua visão libertária para anarcocapitalistas ou o quão decepcionante foi para seus seguidores sua vida regada a álcool e drogas: John McAfee teve um final trágico