Fachada da B3, a bolsa de valores do Brasil, em São Paulo
Foto: Shutterstock

A B3, a bolsa de valores do Brasil, anunciou nesta semana que irá entrar no mercado de produtos e serviços para criptomoedas. A empresa, no entanto, afirma que não pretende competir com as corretoras pelos clientes finais, e sim fornecer serviços ligados infraestrutura de negócios para ativos digitais.

“Será um serviço “business to business” e não “business to client”, reforçou a B3 em contato com o Portal do Bitcoin. Ao invés de uma exchange de criptomoedas, o objetivo é atuar em processos na cadeia de valor similares ao que a B3 já atua, como emissão, negociação, liquidação e custódia.

Publicidade

“A proposta é ser prestador de serviço para essas instituições, financeiras ou não, que queiram oferecer para seus clientes a possibilidade de negociação de criptoativos”, informou a área de comunicação da B3.

Nova atuação

Na quarta-feira (1º) foi anunciado que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou a B3 a começar a operar no mercado de ativos digitais por meio de uma sociedade com a subsidiária BLK.

A nova empresa irá se chamar B3 DA (sigla para B3 Digital Assets) e terá como meta prestar serviços de compra e venda de ativos virtuais e checagem de titularidade em ambiente virtual.

A intenção na B3 de entrar no segmento cripto havia sido anunciada no dia 10 de dezembro do ano passado, quando a empresa promove o B3 Day. A confirmação veio do presidente da B3, Gilson Finkelsztain, que em uma apresentação pública apresentou mais detalhes sobre o caminho que a Bolsa planeja seguir ao entrar nesse novo setor. 

Publicidade

Além de buscar seu espaço no mercado ao oferecer produtos que já existem, como os ETFs, a B3 também promete desenvolver serviços de infraestrutura para produtos cripto não regulados, citando cripto as a service, custódia e DVP, acesso à liquidez, ganhos de eficiência de capital e tokenização de ativos.

No documento, a B3 descreve que infraestrutura pretende oferecer em cada um desses serviços. Em tokenização de ativos, por exemplo, a empresa estabelece como meta facilitar a digitalização de ativos, potencializando a sua distribuição. Para fazer isso, a B3 quer oferecer acesso a centros de liquidez, para simplificar o acesso a um “mercado fragmentado, global e 24×7”.

Tensão

Declarações feitas no passado pelo presidente da B3, Gilson Finkelsztain, criaram certa tensão entre a empresa e os principais atores do mercado cripto nacional.

No início de novembro de 2021, Finkelsztain disse que as corretoras brasileiras “não têm absolutamente nenhuma regulação” e alegou que “custa umas 50 vezes mais caro operar criptomoedas do que ações” e que a proteção para o investidor nas exchanges era muito menor do que na bolsa. 

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: OKX corta taxas de negociação e introduz taxa negativa no Brasil; entenda

OKX corta taxas de negociação e introduz taxa negativa no Brasil; entenda

Segundo a OKX, haverá um modelo de níveis em que usuários poderão ter taxas de maker negativas ou zeradas dependendo do saldo na exchange
Senado, Congresso, Câmara dos Deputados, Brasília, Parlamento

Segregação patrimonial no mercado cripto será tema de audiência pública na Câmara

Na justificativa para a audiência, o deputado Aureo Ribeiro disse que práticas adotadas por algumas exchanges despertam “graves preocupações”
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin sobe 4% e Ethereum salta 7% puxados por ETFs em Hong Kong e alívio de tensões no Oriente Médio

Manhã Cripto: Bitcoin sobe 4% e Ethereum salta 7% puxados por ETFs em Hong Kong e alívio de tensões no Oriente Médio

Após forte queda no fim de semana, Bitcoin e Ethereum voltam a ganhar força com notícias de que Hong Kong aprovou ETFs das criptomoedas
Imagem da matéria: Confira 3 criptomoedas que podem disparar com o halving do Bitcoin

Confira 3 criptomoedas que podem disparar com o halving do Bitcoin

O halving pode atrair a atenção dos investidores para projetos alternativos criados no ecossistema do Bitcoin