Pilha com varias moedas de Ethereum
Shutterstock

A próxima grande atualização do Ethereum acaba de ganhar uma data oficial da Ethereum Foundation e agora está prevista para acontecer no dia 12 de abril, por volta das 19h27 no horário de Brasília.

Shapella — combinação das atualizações Shanghai na camada de execução e Capella na camada de consenso —, é a atualização mais aguardada do ano pela comunidade do Ethereum porque vai permitir que o ether travado no staking da rede desde 2020 possa pela primeira vez ser sacado por validadores.

Publicidade

Leia também: Tudo que você precisa saber sobre Shanghai, a próxima grande atualização do Ethereum

Em nota publicada nesta terça-feira (28), a Ethereum Foundation confirmou que a atualização será ativada na rede principal do Ethereum na época 194048, prevista para ser atingida às 22:27:35 UTC de 12 de abril.

De acordo com a fundação, os desenvolvedores concordaram com a data após tudo correr normalmente com o último teste da atualização na testnet Goerli. A nova data da atualização oficial também coincide com a 157ª reunião AllCoreDevs, que reúne os principais desenvolvedores do Ethereum.

A Ethereum Foundation também anunciou hoje que vai dobrar as recompensas do seu programa de caça de bugs (bug bounty) até o dia 5 de abril. Esse programa paga até e até R$ 1,2 milhão para desenvolvedores que encontrarem bugs no código da blockchain.

Além disso, a Ethereum Foundation também ressaltou a importância de validadores atualizarem seus softwares de clientes para as novas versões compatíveis com a atualização, compartilhando os links necessários em seu blog. Usuários comuns, que apenas possuem ether na carteira, não precisam fazer nenhuma ação.

Publicidade

Shapella e o impacto no preço

A principal novidade da atualização Shanghai será a habilidade dos validadores do Ethereum sacarem, pela primeira vez, o ether “travado” em staking.

Já são quase US$ 31 bilhões em ETH parados na rede desde 2020 — um dinheiro que poderá ser recuperado pelos investidores após a Shanghai. Será a primeira grande atualização desde a Fusão (The Merge) histórica do Ethereum, na qual a rede abandonou a mineração do sistema proof-of-work (PoW) para adotar um sistema proof-of-stake (PoS).

A atualização deixa os investidores preocupados de que um grande — e simultâneo — despejo de ether no mercado possa resultar numa drástica queda no preço da criptomoeda.

Esse risco, contudo, foi levado em consideração pelos desenvolvedores do Ethereum, que implementaram limites de saques diários do ETH em staking. O site da Ethereum Foundation resume:

Publicidade

“O processo de saída de um validador do staking leva um tempo variável, dependendo de quantos outros estão saindo ao mesmo tempo. […] Um máximo de 16 retiradas podem ser processadas em um único bloco. Nesse ritmo, 115,2 mil retiradas de validadores podem ser processadas por dia.”

Um relatório da casa de análises Messari descreve que, embora o evento possa resultar numa grande quantidade de saques, é improvável que aconteça um sell-off em massa.

Leia também: Preço do Ethereum (ETH) pode desabar após a atualização Shanghai? Entenda

VOCÊ PODE GOSTAR
Celular com o logo da CVM e notebook aberto no site da Comissãod e Valores Mobiliários

CVM reconhece ativo de blockchain como token de pagamento

Dynasty Global AG recebeu na última semana a classificação do D¥N como um token de pagamento pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).
SBF da FTX no Congresso dos EUA

Criador da FTX diz que divide presídio com assassinos e brinca que arroz virou moeda com “boas oportunidades” de arbitragem

Sam Bankman-Fried, fundador da FTX, falou sobre sua vida na prisão, a visão diferenciada que tem sobre o que poderia ter sido sua vida e sua tentativa de apelação da condenação
Moedas de bitcoin sob mesa escura com sigal ETF

Manhã Cripto: ETFs de Bitcoin voltam a captar mais US$ 100 mi por dia nos EUA; Ex-diretor da FTX pede 18 meses de prisão

Mercado também começa a se preparar para veredito final da SEC sobre os ETFs de Ethereum à vista
Imagem da matéria: MB estreia no ranking de Exchange Benchmark em 1º lugar no Brasil

MB estreia no ranking de Exchange Benchmark em 1º lugar no Brasil

O relatório semestral, realizado pela CCData, é considerado uma estrutura robusta para classificar a atuação de exchanges do Brasil e do mundo