Imagem da matéria: Argentino perdeu 8 bitcoins em golpe de pirâmide financeira brasileira
Foto: Shuttestock

Augusto Álvarez, um argentino de 34 anos, é uma das vítimas da Atlas Quantum, empresa que oferecia investimentos em bitcoin e que há cerca de dois anos deixou milhares de clientes no prejuízo. “Ficaria feliz se eles me devolvessem”, disse ele ao Infobae na semana passada, se referindo aos US$ 30 mil (cerca de R$ 150 mil) investidos em 2018 na empresa do brasileiro Rodrigo Marques.

Segundo Álvarez, com os retornos prometidos pela Atlas, que eram nas casas de 3% e 4% ao mês — cerca de 38% ao ano quando ele fez seu investimento —, chegou a ter 8 bitcoins na conta, que hoje dariam cerca de R$ 1,4 milhão.

Publicidade

Na época, as únicas informações que ele tinha da Atlas é que se tratava de startup que havia recebido aportes, ocupava 6 andares de um prédio em São Paulo e tinha 300 funcionários. No entanto, essas informações foram passadas pela própria equipe de Marques, que atualmente é ‘caçado’ por investidores brasileiros que foram prejudicados no suposto esquema.

Golpe de pirâmide financeira

Assim como milhares de investidores do bitcoin, o argentino conta que viu seus investimentos inacessíveis quando houve o stop order da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) contra a Atlas. Em 13 de agosto de 2019, a autarquia mandou a empresa suspender a oferta do que ela considerou “contrato de investimento coletivo” sem a autorização e estipulou multa diária de R$ 100 mil em caso de descumprimento.

“Essa decisão drástica resultou em milhares de usuários decidindo retirar nosso Bitcoin. E quando eu quis fazer, pouco menos de um mês depois daquela decisão da CVM, não consegui. Minha conta foi bloqueada”, disse o argentino ao Infobae, que posteriormente teve seus BTCs convertidos para o controverso ‘Bitcoin Quantum’.

“Deixei de possuir 8 bitcoins para ter ‘8 bitcoins quantum’ que valem entre 0,5 e 1 por mil. Ou seja, fizeram com que perdêssemos mais de 99% do investimento”, desabafou o investidor, que é um dos cerca de 20 argentinos que brigam na Justiça de São Paulo pelo ressarcimento.

Publicidade

A Atlas Quantum foi uma empresa fundada por Rodrigo Marques e Fabrício Sanfelice que dizia ter um robô de arbitragem superpotente capaz de fazer trades em exchanges do exterior. A operação pagava lucros mensais em bitcoin, mas nunca foi provada a existência de tal algoritmo.

Marques está desaparecido desde a segunda metade de 2019 — poucos meses depois do stop order da CVM, quando foram travados os saques de milhares de clientes.

VOCÊ PODE GOSTAR
Celular com logotipo da Receita Federal sobre notas de reais

Tokenização de ativos enfrenta área cinzenta na declaração de Imposto de Renda |Opinião

Para o autor, a declaração de tokens que representam recebíveis, e outros ativos do mundo real, devem mudar nos próximos anos
Miniaturas de homens em cima de moeda de Bitcoin gigante fazendo medição pela metade

Halving do Bitcoin pode não ter efeito imediato no preço como mercado espera, diz Coinbase

Coinbase disse acreditar que o atual movimento de preços é apenas o começo de uma corrida de alta mais longa
Tela de celular mostra logo da Comissão de Valores Mobiliários do Brasil CVM

CVM ganhou R$ 832 milhões com multas aplicadas em 2023, um aumento de 1.791%

A autarquia também registrou o maior número de casos julgados desde 2019
nathalia arcuri me poupe

Nathalia Arcuri explica o halving do Bitcoin em vídeo no YouTube: “Investir ou não agora?”

Influencer recomenda a compra de um pouco de Bitcoin todos os meses: “A expectativa é sim que o Bitcoin continue subindo”