Imagem da matéria: Após processo da Binance, ABCripto critica negócios que se aproveitam de “vácuos regulatórios” para operar no Brasil
Foto: Shutterstock

Após a Binance e seu fundador, Changpeng “CZ” Zhao, terem se declarado culpados de crimes de lavagem de dinheiro e infração de sanções nos Estados Unidos na semana passada, a atuação das corretoras estrangeiras no Brasil voltou ao foco de atenção.

O presidente da Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCripto), Bernardo Srur, avaliou ao Portal do Bitcoin como o abalo sísmico no cenário internacional pode servir de lição para o mercado local. 

Publicidade

“O que observamos são modelos de negócios que tentam de alguma forma aproveitar interpretações, de vácuos regulatórios ou de ausência de fiscalização específica para realização de negócios no Brasil”, disse Srur.

Segundo o executivo, o objetivo da associação é “simples”: ajudar a criar um mercado altamente competitivo, justo e seguro, que garanta a expansão e o bom desenvolvimento do mercado para todos. 

“Defendemos que as regras estabelecidas hoje valem para todos, não podemos ter assimetrias regulatórias no mercado. O marco regulatório da criptoeconomia deixa, bem claro, que as empresas que operam no Brasil devem seguir o regramento tributário de proteção ao consumidor, de proteção à fraude e de proteção à lavagem de dinheiro”, afirmou. 

Ao longo dos anos, a ABCripto fez diversas denúncias sobre a atuação da Binance para a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Questionado se a condenação da corretora nos Estados Unidos facilitaria uma ação no Brasil, o executivo preferiu não opinar diretamente sobre o caso da corretora.

Publicidade

Ele se limitou a dizer que a ABcripto tem a missão de “ajudar a desenvolver a criptoeconomia no Brasil”. “Está claro que boa parte das boas práticas que funcionam no mercado tradicional também funcionam no mercado cripto. As leis, que protegem a sociedade, são aplicáveis a todos indiferente do tipo de mercado”, ressaltou.

Outro ponto abordado foi o fato de as corretoras do Brasil não conseguirem usar as ferramentas de Meta, Twitter, Apple e Google para publicidade de seus produtos, sendo que as exchanges estrangeiras não são barradas de entrar em contato com brasileiros em campanhas lançadas do exterior. 

“Esta proibição provoca no mercado nacional grande assimetria. Acreditamos que todas as empresas possuem o direito de realizar suas publicações publicitárias. Não devem existir privilégios para algumas empresas, principalmente nos meios de comunicação”, analisou Srur. 

Apesar disso, o presidente da ABCripto afirma que as empresas são privadas e, portanto, estabelecem suas próprias políticas de publicação/liberação de conteúdo e regras de conduta. 

Publicidade

“Por isso, continuamos com diálogo para que as políticas e tratamento sejam revistos o mais rápido possível. Para que seja colocado um ponto final nessa assimetria que tanto desfavorece a criptoeconomia no Brasil”, finaliza. 

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: MicroStrategy anuncia desdobramento de ações após acumular US$ 13 bilhões em Bitcoin

MicroStrategy anuncia desdobramento de ações após acumular US$ 13 bilhões em Bitcoin

A empresa de software MicroStrategy, do defensor do Bitcoin Michael Saylor, dividirá suas ações depois que o preço mais do que triplicou no ano passado
Ilustração de moeda NOT dourada com logotipo do jogo Notcoin do Telegram

Usuários do Notcoin agora recebem benefícios nos jogos Pixelverse e Musk Empire

O jogo cripto original do Telegram se uniu ao Pixelverse e Musk Empire para oferecer benefícios especiais aos jogadores
Imagem da matéria: 7 altcoins que estão superando a recuperação do mercado de criptomoedas

7 altcoins que estão superando a recuperação do mercado de criptomoedas

A temporada das altcoins está começando? Embora as criptomoedas de primeira linha estejam de lado, algumas altcoins registram ganhos impressionantes de até 11% hoje
Imagem da matéria: Fundos de Bitcoin registram 5ª maior captação semanal da história

Fundos de Bitcoin registram 5ª maior captação semanal da história

Mais de US$ 1,4 bilhão foram investidos em fundos de criptomoedas nos últimos sete dias, o triplo da semana anterior