Imagem da matéria: Agora é possível usar a rede Lightning do Bitcoin mesmo sem acesso à Internet
Foto: Shutterstock

Sem acesso à internet? Além de não poder navegar pelos tweets ou pelos mais recentes memes de gatinhos, a falta de uma conexão de internet também significa que os usuários não podem fazer pagamentos usando Bitcoin – pelo menos até agora.

Há muito que os investigadores exploram a forma de contornar este problema em caso de catástrofes naturais ou em zonas do mundo onde o acesso à internet é mais irregular.

Publicidade

O pesquisador de computadores sem fio, Ahmet Kurt, apontou o furacão de 2017 na Flórida como exemplo. “Houve uma enorme queda de energia. As pessoas estavam desesperadas. A menos que você tenha dinheiro, como você vai pagar pelas coisas? Isso foi muito preocupante”, disse ele ao Decrypt.

No relatório de investigação LNMesh: quem disse que você precisa de Internet para enviar Bitcoin?, pesquisadores da Florida International University (que se especializam em pesquisa “pós-desastre”) exploraram o envio de pagamentos pela Lightning Network do Bitcoin sem acesso à Internet.

A Lightning Network do Bitcoin é mais rápida e mais barata do que a Bitcoin propriamente dito, e é frequentemente apontada como o futuro da moeda digital.

Em vez da Internet, eles usaram “redes mesh” locais, onde os Nós são conectados diretamente via Bluetooth e WiFi, construindo uma rede Lightning local que eles chamam de LNMesh.

Publicidade

Os resultados? Os pesquisadores dizem que, nas circunstâncias certas, os pagamentos Lightning offline são viáveis.

“Nossas abordagens propostas funcionam bem e podem atingir taxas de sucesso de até 95% em grandes redes mesh móveis sem fio” — pelo menos quando os canais Lightning têm liquidez suficiente, explica o documento. 

Como foi o estudo

A primeira descoberta dos pesquisadores foi que não é necessário fazer alterações no protocolo ou código Lightning existente para que os pagamentos off-line funcionem.

Então eles começaram seus experimentos. Eles precisavam criar uma rede de Nós Bitcoin e Lightning, que são a base da moeda digital. Sempre que um usuário envia uma transação Bitcoin, ele precisa estar conectado a um Nó.

Os pesquisadores criaram esses Nós em oito Raspberry Pis — pequenos computadores independentes que custam menos de US$ 100 a unidade.

Publicidade

Eles então espalharam esses Nós por toda a universidade. Mas, em vez de ligar estes Nós uns aos outros através da internet, como fariam normalmente, os pesquisadores ligaram tudo em uma rede mesh local utilizando WiFi e Bluetooth dos dispositivos.

Felizmente, mesmo nessas circunstâncias humildes, eles foram capazes de enviar e receber pagamentos Lightning entre os Nós.

“O protocolo Lightning Network permite que esses pagamentos off-line sejam liquidados, uma vez que os pagamentos são fora da cadeia e não são registrados na blockchain do Bitcoin. Assim, desde que os Nós possam se comunicar entre si através de tecnologias sem fios, como WiFi ou Bluetooth, podem realizar pagamentos LN offline”, explica o artigo de investigação.

Os pesquisadores abriram o código e resultados para usuários curiosos que gostariam de realizar a experiência por si próprios.

Pagamentos assíncronos

A pesquisa de Kurt e outros cientistas em conjunto difere de pesquisas anteriores sobre pagamentos assíncronos nos EUA, que também oferecem uma forma de pagamentos offline, mas em um conjunto diferente de circunstâncias.

Os pagamentos assíncronos permitem que um Nó que está online envie pagamentos para um Nó que está temporariamente offline. Essa pesquisa oferece uma melhoria de UX para a Lightning Network. À medida que os pagamentos assíncronos se tornarem possíveis, os usuários poderão enviar pagamentos aos utilizadores mesmo que estejam offline, em vez de receberem um temido erro de “o pagamento falhou”.

A LNMesh, por outro lado, vai um passo além. Ele mostra como a Lightning pode funcionar quando todos os Nós estão offline, mostrando também que é possível configurar canais e enviar pagamentos apenas com WiFi e Bluetooth.

Publicidade

Mas, como Kurt explicou, a parte complicada é coordenar esses canais desde o início. O documento explica que “o nosso problema resume-se ao seguinte: dada uma comunidade de pessoas que circulam num bairro durante um dia, como decidir quem abre um canal para quem, para que a taxa de sucesso global dos pagamentos na rede seja satisfatória quando as pessoas não têm acesso à Internet?”

Os usuários têm de encontrar uma maneira de coordenar uma forma eficiente de abrir canais com outros usuários.

No artigo, eles analisam diferentes maneiras de analisar os “padrões de mobilidade” dos usuários, ou onde os usuários estão durante o dia em relação a outros Nós Lightning ou comerciantes ou mercados, a fim de tomar melhores decisões sobre onde devem abrir canais para aumentar as chances de conexão. No futuro, este tipo de coordenação poderá ser automatizada.

Então, apesar de Kurt e outros pesquisadores terem ajudado a mostrar que os pagamentos Lightning são realmente possíveis, ainda vai ser preciso muito trabalho para torná-los práticos e com uma UX leve.

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Moeda prateada da Chainlink com reflexo em um fundo roxo

Chainlink sobe 18% ao lançar projeto piloto em Wall Street com JP Morgan, BNY Mellon e DTCC

A DTCC anunciou que acaba de concluir um projeto piloto de tokenização com gigantes de Wall Street, como JP Morgan e BNY Mellon, aproveitando o CCIP da Chainlink
homem segura com duas mãos uma piramide de dinheiro

CVM julga hoje pirâmide Atlas Quantum; veja detalhes da acusação

Procuradoria da CVM acusa Atlas Quantum de operação fraudulenta no mercado de valores mobiliários e embaraço à fiscalização da CVM
Celular com o logo da CVM e notebook aberto no site da Comissãod e Valores Mobiliários

CVM reconhece ativo de blockchain como token de pagamento

Dynasty Global AG recebeu na última semana a classificação do D¥N como um token de pagamento pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).
Imagem da matéria: Braiscompany: Justiça já entregou todos os documentos para extraditar donos da pirâmide

Braiscompany: Justiça já entregou todos os documentos para extraditar donos da pirâmide

O casal que fundou a Braiscompany está em prisão domiciliar na Argentina, enquanto os países negociam extradição