Bandeira da Argentina com moeda de Bitoin do lado
Foto: Shutterstock

Apesar de El Salvador ter adotado o Bitcoin como moeda oficial desde 2021, o uso da criptomoeda no país da América Central não é tão alto quanto possa parecer, enquanto a crise na Argentina faz com que a população local adote muito mais o BTC.

Essa é a avaliação de David Puell, analista da gestora Ark Invest – comandada pela investidora “popstar” Cathie Wood -, que, em uma nota enviada a investidores, ressaltou que a adoção real do Bitcoin em El Salvador mostra um quadro misto.

Publicidade

Leia também: CEO da Ripio defende adoção de criptomoeda argentina ao invés da dolarização do país

Para exemplificar sua visão, o analista apontou para comentários da CEO da Signum Growth Capital, Angela Dalton, durante um podcast recente da Ark, compartilhando suas observações de uma viagem ao país centro-americano.

“A conscientização é alta, mas o uso ainda é baixo, (…) mas há um sentimento geral de orgulho na população por El Salvador ser um dos primeiros a adotar novas tecnologias”, disse Dalton.

Mas existem exceções, como o caso da chamada Bitcoin Beach (Praia Bitcoin), em El Zonte, El Salvador, que apresenta uma aceitação muito mais ampla da moeda digital, segundo Dalton.

De acordo com Puell, no caso do país da América Central, o que se vê ainda é uma preferência maior pelo dólar americano – que é moeda oficial do país desde 2001 – , enquanto a volatilidade do preço do bitcoin ainda reduz uma adoção maior por parte da população.

Publicidade

Enquanto isso, a forte crise enfrentada pela Argentina, em especial a alta inflação, que se aproxima de 150%, faz com que a população procure alternativas para guardar suas economias e para evitar sofrer com essas mudanças de preços, o que torna as criptomoedas uma boa opção.

Puell não apresentou nenhum estudo ou números que comprovem sua visão, mas partiu de experiências próprias e de conhecidos para apontar esse cenário de maior adoção do Bitcoin na Argentina do que em El Salvador.

Turbulência na Argentina

Nas últimas semanas, as moedas digitais ganharam destaque no noticiário argentino após a surpreendente vitória do candidato Javier Milei nas primárias do país, já que ele é um defensor do Bitcoin, ainda que não defenda tornar a criptomoeda como divisa oficial.

O analista da Ark lembra que logo após o resultado das primárias, o preço do Bitcoin disparou mais de 20% ante o peso, atingindo sua máxima histórica no país. Se Milei conquistar a presidência nas eleições gerais de outubro, tanto o Bitcoin quanto o poder de compra do povo argentino poderão ganhar imensamente, completou Puell.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Como minerar Runes durante o halving do Bitcoin sem quebrar

Como minerar Runes durante o halving do Bitcoin sem quebrar

Com o halving do Bitcoin no horizonte, Leônidas, usuário do Twitter, transmitiu algumas dicas importantes sobre como cunhar Runes
graficos vermelhos em queda

Investidores sacam R$ 1 bilhão de projeto DeFi da Solana após renúncia de CEO

O fundador da Marginfi anunciou sua renúncia em meio a um turbilhão de controvérsia e desentendimento operacional
Moedas douradas de Bitcoin (BTC) em frente a um gráfico de preço de alta

Manhã Cripto: Bitcoin e Ethereum ensaiam alta; BC fala em atraso do Drex e lei para stablecoins pode avançar nos EUA

O clima ainda é de cautela para as criptomoedas depois de comentários do presidente do Fed sobre manter os juros elevados e o risco de retaliação de Israel ao recente ataque do Irã
Mineração

Mineradores de Bitcoin disputam mercado com Inteligência Artificial antes do halving, diz Bernstein

Um novo relatório da empresa de investimento destaca o aumento da concorrência entre dois setores que exigem energia e poder de processamento