Imagem da matéria: A semana no criptotwitter: Ozzy Osbourne e Eminem entram para o mercado de NFTs
Cantor Ozzy Osbourne (Foto: Shutterstock)

Conforme a tendência das fotos de perfil de tokens não fungíveis (ou NFTs, na sigla em inglês) continua, também continuam os argumentos sobre direitos de uso, permissões e quem deve mostrar seu primata ou punk em desenho.

No domingo passado (26), Jillian York, autora e diretora do grupo de direitos digitais Electronic Frontier Foundation, percebeu que seu retrato estava sendo usado em uma nova coleção de chamada “Cipher Punks”.

Publicidade

A ideia da coleção era homenagear os principais participantes do movimento Cypherpunk, um amplo termo que se refere a defensores da criptografia e outras tecnologias que aumentam a privacidade (como o blockchain). O termo surgiu em uma lista de e-mails lançada em 1992.

Mas alguns dos estimados cypherpunks tokenizados não engoliram essa. Jillian York tuitou: “Eu não aprovo isso de forma alguma e gostaria que fosse removido”.

Agora vemos o que acontece quando criadores roubam retratos de ativistas de direitos digitais sem sua permissão… Pensando bem, o projeto, apesar de ser bem-intencionado, foi imprudente. Na última terça-feira (28), foi encerrado e devolveu todos os fundos arrecadados.

Em um pedido de desculpas publicado no Medium na quarta-feira (29), o projeto afirmou: “Infelizmente, muitos cypherpunks eram contrários a essa ideia e não queriam participar de forma alguma. Respeitamos isso. Realmente respeitamos. Então, pedimos desculpa a todo e cada cypherpunk por não obter consentimento e criar seus NFTs”.

Publicidade

Cipher Punks queimou grande parte dos NFTs polêmicos, exceto os que haviam sido vendidos. Se ofereceram para comprar de volta quaisquer NFTs vendidos e queimá-los e, se qualquer um dos NFTs não fossem devolvidos em até 24 horas, iriam doar o saldo restante ao WikiLeaks.

Ah, e York também odiou a arte do NFT derivado.

Enquanto isso, Ozzy Osbourne anunciou sua primeira coleção de NFTs chamada “Cryptobatz”.

A coleção celebra o fato de que, em 20 de janeiro, fará 40 anos desde o fatídico momento em que Ozzy arrancou a cabeça de um morcego durante um show em Des Moines, no estado americano de Iowa.

O lendário cantor britânico de rock tuitou: “Estou lançando a porra de um projeto NFT. 9.666 morcegos únicos e criados por esse que vos fala…”.

O que tem de diferente sobre o projeto de Ozzy é que cada “Cryptobat” dará ao comprador a oportunidade de “morder” e “mutar” outro NFT em sua carteira para criar um NFT completamente novo.

Publicidade

Atualmente, três projetos são compatíveis com os Cryptobats: Bored Ape Yacht Club (ou BAYC), SupDucks e Cryptotoadz.

Com certeza, esses NFTs são melhores do que uma pelúcia com uma cabeça removível.

Apes roubados e Apes de celebridades

A semana passada também foi agitada para Bored Ape Yacht Club.

Na noite de quinta-feira (30), o colecionador NFT Todd Kramer tuitou que um hacker havia roubado 15 de seus NFTs Bored Ape e Mutant Ape.

A quantia chegou a US$ 2,2 milhões de arte cripto roubada, incluindo US$ 1,9 milhão em Apes. Todd a descreveu como “a pior noite da minha vida, sem dúvidas”.

Em um tuíte agora deletado, Kramer afirmou que alguém havia agido e congelado os NFTs roubados, gerando muita especulação sobre quem havia ajudado e como.

Diversos acreditam que foi o OpenSea (o mercado que atua como lar dos tokens), mas não houve uma confirmação oficial.

De qualquer forma, um usuário do Twitter descreveu a medida de congelar os NFTs como algo “muito anticripto”, dado o ethos de governança descentralizada dos blockchains.

Publicidade

O Crypto Twitter também teve um dia agitado ao zombar do azar de Kramer. Uma das muitas respostas de zombaria ao anúncio de Kramer sobre o roubo dizia: “Uau, isso foi bem merda. Realmente sinto muito, cara. Mas mude sua pfp [foto de perfil] já que você não mais a possui”.

Ele tem razão, principalmente conforme o Twitter trabalha em uma integração com NFTs para impedir que pessoas usem ativos específicos como foto de perfil, a menos que sejam verificados em blockchain.

Enquanto Kramer estava lamentando por seus Apes roubados, o rapper Eminem comprou um Ape e mudou sua foto de perfil para ostentar seu novo ativo.

Em 2 de novembro, o colecionador NFT “Gee Gazza” havia previsto isso: “Ainda acredito que @Eminem está destinado a comprar meu @BoredApeYC um dia”.

Eminem pode ter dado início a uma sequência de Apes de celebridades: tanto Britney Spears como Dave Chappelle estão envolvidos em rumores de terem comprado Apes no fim de semana, mas não foi confirmado se realmente o fizeram.

Se houver mudanças à sua foto de perfil oficial no Twitter por um Ape, podemos considerá-las como confirmação…

Embora o amplo mercado de criptomoedas para tokens fungíveis tenha despencado na última semana, a empolgação em torno de NFTs foi bem evidente no Crypto Twitter.

*Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Hacker da Gala Games devolve Ethereum após exploração de US$ 240 milhões

Hacker da Gala Games devolve Ethereum após exploração de US$ 240 milhões

Depois que 5 bilhões de tokens GALA foram cunhados e roubados na segunda-feira, a Gala Games recuperou parte dos fundos em ETH – e ainda está descobrindo o resto
Imagem da matéria: Minerador sortudo de Bitcoin resolve bloco sozinho e fatura R$ 1 milhão

Minerador sortudo de Bitcoin resolve bloco sozinho e fatura R$ 1 milhão

Minerador solo completou o bloco 843.231 do Bitcoin usando software da CKpool
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Ethereum (ETH) decola 20% com expectativa para aprovação de ETFs nos EUA

Manhã Cripto: Ethereum (ETH) decola 20% com expectativa para aprovação de ETFs nos EUA

A animação dos investidores fez aumentar em 219% o volume de negociação do Ethereum nas últimas 24 horas
Joe Biden posa para foto

Biden expulsa mineradora cripto chinesa de área próxima a base militar: “Risco de espionagem”

O governo afirma que a MineOne possui equipamentos especializados de origem estrangeira potencialmente capazes de facilitar atividades de vigilância e espionagem