Imagem da matéria: A história de Sam Bankman-Fried, o criador da FTX que se tornou o maior rival da Binance
Sam Bankman-Fried, fundador da FTX. (Foto: Divulgação)

Até 2010, o norte-americano Sam Bankman-Fried, 29 anos, não sabia muito bem o que queria da vida. Uma década depois, ele esbanja na conta bancária o PIB do Piauí e ocupa espaço de destaque no hall da principais empresários do mercado de criptomoedas, ‘dirigindo’ a FTX, uma exchange avaliada em US$ 18 bilhões que ameaça tirar a liderança da gigante Binance.

Essa história, que já foi estampada nas principais revistas e sites de economia e tecnologia do mundo, começou por volta de 2012 no Instituto de Tecnologia de Massachusetts, onde estudou física. Lá, ele conheceu o altruísmo efetivo, um movimento fundado por dois professores de Oxford. Na prática, essa filosofia defende que é preciso fazer o bem da forma mais eficaz possível com os recursos disponíveis.

Publicidade

OK, mas o que um movimento filosófico tem a ver com a história? Tudo! Em qualquer entrevista que concede a veículos de imprensa ou podcasters, Fried diz que o conjunto de ideias do altruísmo efetivo foi um divisor de águas em sua vida. Seu lema, após se embebedar da nova filosofia, passou a ser ganhar cada vez mais dinheiro para doar cada vez mais.

E o mercado financeiro e as criptomoedas caíram como uma luva nessa nova fase do garoto, que é vegano e viciado em videogame. A ideia é a seguinte: para faturar e doar mais, é mais lógico trabalhar com finanças do que em uma organização não governamental.

O encontro com as criptomoedas

Ainda na faculdade, Fried começou a estagiar em uma empresa de Wall Street do ramo de negociação quantitativa e liquidez. Seguindo à risca os ensinamentos da nova filosofia, ele doava mais da metade do salário para a caridade. E foi nesse período que ele conheceu as criptomoedas — e enxergou nesse mercado uma oportunidade de encher ainda mais o bolso de dinheiro.

“Havia uma enorme demanda, grande volatilidade, grandes influxos, grande valorização de preços, grande quantidade de atenção e interesse — e a infraestrutura não estava lá”, disse em entrevista ao Yahoo publicada no mês passado.

Publicidade

Em 2017, ele criou a Alameda Research, uma empresa de trade quantitativo de criptoativos com foco em liquidez e formação da preços. Dois anos depois, ele lançou a corretora FTX (especializada em derivativos de criptomoedas) em Antígua e Barbuda, na América Central, e montou escritórios em Hong Kong. Bankman-Fried optou por ficar fora dos Estados Unidos para fugir da regulação e conseguir oferecer mais produtos financeiros, como ações tokenizadas e futuros.

De lá para cá, a exchange atraiu investidores em todo canto do mundo, em especial traders; comprou empresas; colocou nome em estádios e times de esportes; e fez parcerias com celebridades. Nesta semana, a FTX.US, afiliada da FTX, comprou a bolsa de derivados de criptografia LedgerX, segundo o The Block.

Hoje, a exchange tem um volume diário de negociação de US$ 19 bilhões por dia e figura entre as maiores do mundo, segundo o CoinMarketCap. A regra, seguindo a ideia altruísta por trás do projeto, é que 1% de todas as taxas líquidas sejam doadas para as instituições de caridade mais eficazes do mundo. O total destinado até agora, segundo o site institucional, é de US$ 12 milhões.

Mas vale doar para políticos também. Em 2020, Sam Bankman-Fried foi um dos principais contribuintes da campanha de Joe Biden com doações que somam US$ 5,2 milhões.

Publicidade

Empresa de US$ 18 bilhões

Em julho, a exchange levantou US$ 900 milhões em uma rodada de financiamento. Com o valor, passou a ter uma valuation de US$ 18 bilhões. No mesmo mês, a corretora recomprou as ações da empresa da Binance, cortando as relações com a maior bolsa de criptomoedas do mundo.

Analistas do mercado enxergaram na atitude da FTX uma forma de se afastar da gigante, que nos últimos meses vem enfrentando a ira dos reguladores de diversos estados, e de se aproximar dos reguladores.

“Eu só queria que a indústria, como um todo, fizesse um trabalho mais consciencioso de interface com os reguladores”, disse ele nesta semana em ao Business Insider, acrescentando que os players do mercado precisam ser “responsáveis e mostrar que não precisam ter excessivamente regulamentos paternalistas”.

VOCÊ PODE GOSTAR
Glaidson Acácio dos Santos, o "Faraó do Bitcoin"

Conselho nega recurso do “Faraó do Bitcoin” e mantém condenação de R$ 34 milhões da CVM

CRSFN manteve a condenação, no valor total de R$ 102 milhões, a GAS Consultoria, Glaidson Acácio (o Faraó do Bitcoin) e sua esposa Mirelis Diaz
Imagem da matéria: Receita Federal irá exigir informações de corretoras estrangeiras de criptomoedas

Receita Federal irá exigir informações de corretoras estrangeiras de criptomoedas

“Estamos preocupados em obter informações sobre a riqueza brasileira sujeita a tributação aqui”, afirma diretora da Receita Federal
Imagem da matéria: Escritório de advocacia Mattos Filho ingressa na ABcripto

Escritório de advocacia Mattos Filho ingressa na ABcripto

“Um dos principais desafios é a criação de um arcabouço regulatório que estabeleça segurança jurídica para a indústria”, afirma escritório
Letras que formam a sigla ETF próximas a uma moeda dourada de Bitcoin (BTC)

ETFs de Bitcoin quebram sequência de 19 dias de entradas e têm saídas de US$ 65 milhões

Em uma sequência recorde que durou um mês, ETFs de Bitcoin tiveram a entrada de cerca de US$ 4 bilhões, período em que o BTC se aproximou de sua máxima histórica