Imagem da matéria: 99% dos day traders têm prejuízo no Brasil, mostra novo estudo da FGV
Imagem ilustrativa (Foto: Shutterstock)

O famoso estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV) sobre o fracasso dos day traders brasileiros foi atualizado com novos dados de investidores que operaram com ações entre 2013 e 2018. Os resultados pioraram: mais de 99% dos day traders no Brasil têm prejuízo. 

Na nova versão, os professores da Escola de Economia de São Paulo da FGV, Fernando Chague e Bruno Giovannetti, ampliaram o tamanho da amostra: de um total de 98.378 indivíduos, 97.824 pessoas desistiram de atuar como day traders antes, ou seja, 99,43%.

Publicidade

No artigo original publicado em março de 2019, chamado “É possível viver de Day Trading?”, os números dos ‘vitoriosos’ na negociação de ações era maior: de 91%. O número de pessoas pesquisadas, porém, era menor: 19.696 pessoas entre 2013 e 2015.

A atualização do estudo foi divulgada no Twitter por Chague, o qual afirmou no post que decidiu acrescentar ao estudo investidores que operavam como day trader também entre os anos de 2016 e 2018, os quais não constavam na versão anterior do artigo.

Chague escreveu o resumo do resultado da sua pesquisa quantitativa, que não é nada animadora aqueles que pretendem ingressar nesse mercado de risco:

“De um total de 98.378 indivíduos, apenas 554 persistiram por mais de 300 pregões”.

Day traders em prejuízo

Essa desistência tem um motivo específico: prejuízo. De acordo com o estudo, desses 554 day-traders que persistiram apenas 76 tiveram média de lucro acima de R$ 300 por dia.

Publicidade

“A média do ‘lucro bruto diário médio’ entre os 554 indivíduos é 49 reais negativos e a mediana 62 reais negativos. Além disso, apenas 127 indivíduos apresentaram ‘lucro bruto diário médio’ acima de 100 reais. Acima de 300 reais diários, temos apenas 76 indivíduos”.

O estudo, entretanto, explica que para chegar a esse resultado sobre a performance dos 554 day-traders foi calculado primeiramente o “lucro bruto diário” de um indivíduo.

Com isso, os autores apontaram que foi descontado 0,025% do volume total das operações de day-trade, “a título de custos de emolumentos e taxa de liquidação”.

Os economistas também descontaram R$ 50 fixos por dia a título de custos como possíveis gastos com corretagem, plataformas de trading, cursos, livros, computadores e internet.  A única coisa que entrou nesse cálculo de descontos foram os possíveis gastos com imposto de renda. 

Publicidade

Traders na resistência

Mesmo considerando as 127 pessoas que conseguiram alguma coisa como day-trader, esse número representa um percentual muito baixo se for considerado os mais de 98 mil que se aventuraram. Os sobreviventes do mercado que ganharam alguma coisa não chegam a 0,15%.

Segundo o estudo, desses 127 day-traders que sobreviveram as intempéries do mercado, o menor lucro diário médio foi de R$ 103, com o desvio-padrão de R$ 747 num excelente dia de negociações.

Dentre as pessoas do seleto grupo dos 76 day-traders, alguns tiveram a média diária de R$ 370 em ganhos, sendo que o maior ganho dessa pessoa num só dia foi de R$ 2.286. Já a exceção a regra foi daqueles que obtiveram média diária de lucro de R$ 4.032. Nesse caso, o desvio-padrão “do lucro bruto diário desse indivíduo foi de R$ 33.888”. 

Segundo os economistas, “mesmo considerando apenas os 127 indivíduos ‘ganhadores’, vemos uma média de ganho baixa frente ao risco”.

Experiência inútil

O fato é que pela conclusão do estudo a coisa não parece ter mudado muito se comparado com a versão anterior do artigo

Antes dessa atualização o estudo mostrava que “19.696 pessoas começaram a fazer day-trade em mini índice entre 2013 e 2015; dessas, 18.138 (92,1%) desistiram”.

Publicidade

Assim como a antiga versão do artigo, o estudo reforça mais uma vez que o tempo de atuação como day trader não traz aprendizado eficaz para o sucesso do operador.

“É possível que haja um período de aprendizado que deva ser descontado ao calcularmos essas estatísticas. No entanto, tal cuidado não altera a conclusão; ou seja, não parece haver aprendizado.”

Em entrevista ao Portal do Bitcoin em fevereiro, o economista e co-autor do estudo Bruno Giovannetti afirmou que a vida de day-trader é como uma roleta de cassino  e alertou: “Não adianta repetir. A gente viu que o tempo vai passando e ele (o trader) não vai melhorando”.

VOCÊ PODE GOSTAR
Policial algemando suspeito durante a noite

Médico perde R$ 500 mil em criptomoedas após encontro por aplicativo e sequestro; suspeitos são presos

Os sequestradores que aplicaram o famoso ‘golpe do amor’ foram presos rapidamente pela PM de SP; Polícia Civil investiga o paradeiro dos ativos
Imagem de Glaidson Acácio dos Santos, mais conhecido como Faraó do Bitcoin

Gilmar Mendes mantém prisão de Glaidson Acácio dos Santos, criador da GAS Consultoria

A defesa do ‘Faraó do Bitcoin’ alegou problemas psiquiátricos e uso de medicamento controlado, além de questionar a jurisdição acerca da competência para os processos
Homem preso com as mãos algemadas nas costas

Polícia do Rio prende suspeitos de integrar quadrilha especializada em golpes com criptomoedas

Operação ‘Investimento de Araque’ foi deflagrada nos estados do Rio, Amazonas e Pará; suspeitos movimentaram mais de R$ 15 milhões em dois anos
Sede da Braiscompany em Campina Grande, Paraíba

TRF anula contrato e Braiscompany é condenada a pagar R$ 50 mil a cliente

O contrato de serviço de cessão temporária de criptoativos foi anulado pela 17ª Vara Cível de Brasília