Imagem da matéria: Wikileaks recebeu US$ 400 mil em Bitcoin após a prisão de Julian Assange

Depois que Julian Assange foi preso, o Wikileaks conseguiu em apenas dois dias receber 32 mil dólares de doações em Bitcoins. Desde a prisão do seu co-fundador, o Wikileaks reuniu mais de 400 mil dólares em doações de Bitcoins.

Segundo informações do site Bitcoin.com, o Wikileaks, que vinha com uma campanha de doações desde 2010, conseguiu arrecadar em todo o período 4.043 BTCs, ou seja, cerca de 37 milhões de dólares sob as taxas de câmbio atuais.

Publicidade

Doações ao Wikileaks

Logo após a prisão de Assange, a carteira do Wikileaks começou a receber inúmeras doações. Ele foi preso em 11 de abril do ano passado, quando a Embaixada do Equador em Londres foi invadida e ele foi acusado de não comparecer ao tribunal nos Estados Unidos. Nessa mesma data, o site recebeu cerca de 20 mil dólares em Bitcoins.

No dia seguinte a sua prisão, novas doações apareceram na carteira e o Wikileaks acumulou 32 mil dólares em Bitcoins. O site, então, criou uma nova carteira e pediu para que as pessoas não fizessem mais doações naquela existente desde 2010.   

A antiga carteira do Wikileaks arrecadou cerca de 4.043 Bitcoins. Já na nova carteira foram recebidos até a última terça-feira (25), 6,76 Bitcoins, ou seja, cerca de 63 mil dólares.

Além de a instituição sem fins lucrativos estar aberta para doações em Bitcoins, também possui carteiras para receber donativos em Bitcoin Cash (BCH), Litecoin (LTC), Ethereum (ETH), Monero (XMR) e ZCash (ZEC), conforme consta no site do WikiLeaks.

Publicidade

O site resolveu aceitar doações em criptomoedas depois que os Senadores McCain e Lieberman juntos ao governo dos EUA, as bandeiras de cartões Visa e Mastercard; além do Paypal, Amex e Moneybookers criarem um bloqueio financeiro contra a organização.

Esse fato sucedeu em 2010. Já, sete anos depois, Assange postou no twitter que esse bloqueio invocou “(Wikileaks) para investir em Bitcoin” e a organização sem fins lucrativos gerou um “retorno de 50.000%” dessas doações.

Assange, o jornalista perseguido

Julian Assange vinha sendo processado pelo governo dos Estados Unidos por  crimes relacionados a computadores, supostamente cometidos em 2012.

No entanto, Assange solicitou asilo na Embaixada do Equador em Londres e o governo do Equador permitiu que ele permanecesse até 2019. com conspiração para cometer invasão de computadores durante a investigação de Chelsea Manning. Manning acessou informações secretas do governo e foi posteriormente publicado no Wikileaks.

Em 11 de abril de 2019, a Embaixada do Equador em Londres foi invadida e ele foi acusado de não comparecer ao tribunal. Assange também enfrenta extradição para os EUA, mas ele permanece na prisão aguardando julgamento, que começou na segunda-feira. Assange também é acusado de usar a Embaixada do Equador para se reunir com líderes russos e hackers internacionais.

Publicidade

BitcoinTrade: Depósitos aprovados em minutos!

Cadastre-se agora! Eleita a melhor corretora do Brasil. Segurança, Liquidez e Agilidade. Não perca mais tempo, complete seu cadastro em menos de 5 minutos! Acesse: bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Cachorro Shiba Inu que inspitou Dogecoin

Kabosu, a cachorrinha que inspirou a Dogecoin, falece aos 18 anos

Kabosu sofria de doença crônica e já era muito idosa; segundo sua dona, a cachorrinha “faleceu silenciosamente”
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
Moedas de Bitcoin sobre mesa espelhada

Análise: o preço do Bitcoin está novamente sendo ditado pela política do Fed

“Análise dos últimos 40 dias revela uma maior alinhamento com as expectativas de taxa de juros para junho”, diz firma de análises CoinShares
dupla de homens sendo presa

Irmãos são presos por roubo de R$ 130 milhões em ataque de 12 segundos na rede Ethereum

O procurador americano Damian Williams disse que “este suposto esquema era novo e nunca havia sido acusado antes”