Imagem da matéria: Universidade de Harvard faz primeiro investimento em criptomoedas
(Foto: Shutterstock)

Um dos fundos patrimoniais da Universidade de Harvard, que é gerenciado pela Harvard Management Company, comprou tokens da Blockstack Inc, uma startup de criptomoedas que quer arrecadar US$ 50 milhões.

Segundo o Bloomberg, o fundo da Harvard e outros dois investidores já compraram mais de 95 milhões de tokens Stack (STX), perfazendo cerca de US$ 11,5 milhões. A meta da startup é vender 295 milhões de unidades.

Publicidade

No entanto, conforme comunicado em seu blog, a Blockstack anunciou que o pedido de aprovação de sua Oferta Inicial de Moedas (ICO) foi protocolado na Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos na quinta-feira (11). Logo, a oferta ainda será analisada pela reguladora.

Confiante, o cofundador e CEO da Blockstack, Muneeb Ali, disse que após a aprovação será um marco histórico por se tratar da primeira oferta de token regulada pela SEC.

Ali explicou que o montante arrecadado será usado para acelerar o desenvolvimento da rede descentralizada da Blockstack e de seus aplicativos.

Pompliano espalha a notícia

Mesmo sem saber o valor exato do investimento de Harvard, o investidor em criptomoedas Anthony Pompliano, mais conhecido como ‘Pomp’, correu para o Twitter para anunciar a novidade.

Publicidade

“Notícias de última hora: A dotação de Harvard investiu entre US$ 5 milhões e US$ 10 milhões diretamente na venda simbólica da Blockstack. Isso significa que um dos principais fundos universitários se sente confortável em manter tokens diretamente”.

Pompliano é cofundador e sócio da Morgan Creek Digital, uma gestora institucional focada em criptomoedas e ativos digitais.

O conselho consultivo da Harvard Management Company é composto por sete membros, sendo Charlie Saravia o diretor. Zavain Dar e Rodolfo Gonzalez, são representantes da Lux Capital e Foundation Capital, respectivamente. Quatro membros independentes completam o quadro.

Embora ainda não esteja claro o montante investido na venda simbólica, de acordo com o Bloomberg, esse é o primeiro caso em que um grande fundo universitário investe diretamente em um criptoativo.

Universidades e criptomoedas

No final do ano passado, a segunda maior instituição de ensino superior dos Estados Unidos, Universidade de Yale, entrou para um fundo de criptomoedas de US$ 400 milhões (cerca de R$ 1,5 bilhão).

Publicidade

O fundo, chamado Paradigm, foi criado por Fred Ehrsam, cofundador da Coinbase, Matt Huang, da Sequoia Capital e Charles Noyes, ex-funcionário do Pantera Capital.

Embora a instituição tenha deixado muita gente surpresa naquela ocasião, considerando que fundos semelhantes não fazem esse tipo de investimento devido ao risco regulatório, não é de agora que a Yale investe livremente em vários setores.

Cerca de 60% de seus ativos já estão direcionados para investimentos alternativos neste ano.


Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Câmara dos EUA aprova nova lei cripto em dia decisivo para ETFs de Ethereum

Manhã Cripto: Câmara dos EUA aprova nova lei cripto em dia decisivo para ETFs de Ethereum

Nesta quinta-feira termina o prazo para a SEC aprovar ou rejeitar o ETF de Ethereum da VanEck
Imagem da matéria: Ex-diretor da FTX é condenado a 7,5 anos de prisão — mas poderá ficar com seu Porsche

Ex-diretor da FTX é condenado a 7,5 anos de prisão — mas poderá ficar com seu Porsche

Ryan Salame, o ex-colaborador da FTX de Sam Bankman-Fried, foi condenado a 90 meses de prisão nesta terça-feira
dupla de homens sendo presa

Irmãos são presos por roubo de R$ 130 milhões em ataque de 12 segundos na rede Ethereum

O procurador americano Damian Williams disse que “este suposto esquema era novo e nunca havia sido acusado antes”