Imagem da matéria: 2ª maior universidade dos EUA investe em fundo de criptomoedas de R$ 1,5 bilhão
(Foto: Mike Debt/Flickr)

A segunda maior instituição de ensino superior dos Estados Unidos, Universidade de Yale, entrou para um fundo de criptomoedas de US$ 400 milhões (cerca de R$ 1,5 bilhão), segundo reportagem da Bloomberg publicada na sexta-feira (05).

O fundo, chamado Paradigm, foi criado por Fred Ehrsam, cofundador da Coinbase, Matt Huang, da Sequoia Capital e Charles Noyes, ex-funcionário do Pantera Capital.

Publicidade

Segundo a reportagem, 96% de fundos semelhantes ao da Universidade de Yale não fazem esse tipo de investimento devido ao risco regulatório ainda em debate.

Embora a instituição tenha deixado muita gente surpresa com o novo investimento, não é de agora que ela investe livremente em vários setores.

Para se ter uma ideia, cerca de 60% de seus ativos já estão direcionados para investimentos alternativos em 2019. E agora o Paradigm, recentemente criado pelos especialistas em criptomoedas, também fará parte do portfólio da instituição.

A universidade tem em seu histórico de investimentos desde títulos porto-riquenhos até madeira em New Hampshire, diz a reportagem.

Há também, ainda que não confirmada pela instituição, a participação em um fundo de criptomoedas de US$ 300 milhões pela Yale na empresa de capital de risco Andreessen Horowitz. A notícia foi dada pela CNBC, que citou fontes anônimas.

Publicidade

A universidade ainda não se pronunciou sobre a participação no Paradigm, já que também partiu de informações anônimas, segundo o Bloomberg. 

Uma confirmação de Yale poderia ajudar o mercado, visto que a adesão de investidores institucionais pode alavancar o preço do bitcoin e, consequentemente, todo o mercado de criptomoedas.

A Paradigm foi criada para investir em projetos em estágio inicial focados em criptomoedas, novas blockchains e também em bolsas, disse Noyes, à Bloomberg em junho deste ano.

Pioneiro em investimentos institucionais

Somente a aprovação de David Swensen, responsável pelos investimentos da Universidade há mais de 30 anos e que hoje gerencia cerca de US$ 30 bilhões, já pode ser considerada muito significativa.

Publicidade

O método financeiro que ele aplica na condução de fundos e obtém grande desempenho já foi copiado por diversas vezes, diz a reportagem.

A Universidade de Yale, de acordo com a Forbes, é a segunda maior instituição de ensino dos Estados Unidos, ficando atrás apenas da Universidade de Harvard.

O fundo de doações das universidades dos EUA, acumulado por contribuições de ex-alunos e empresas, detêm cerca de US$ 550 bilhões em ativos.


BitcoinTrade

Baixe agora o aplicativo da melhor plataforma de criptomoedas do Brasil
Cadastre-se e confira todas as novidades da ferramenta, acesse: www.bitcointrade.com.br
Siga também o nosso Instagram com análises diárias.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Hacks de criptomoedas roubaram US$ 19 bilhões desde 2011 e atividades ilegais seguem crescendo

Hacks de criptomoedas roubaram US$ 19 bilhões desde 2011 e atividades ilegais seguem crescendo

Relatório da Crystal Intelligence mostra que em 13 anos ocorreram 785 casos de roubos de criptomoedas, no valor total de US$ 19 bilhões
Imagem da matéria: Arthur Inc lança uma nova operação  de mineração de Bitcoin nos Estados Unidos

Arthur Inc lança uma nova operação de mineração de Bitcoin nos Estados Unidos

Área de 6.800 m² possui capacidade energética 15MW, equivalente ao abastecimento energético de oito shoppings center de grande porte
Imagem da matéria: MB lança cesta inteligente: estratégia prática para investir em criptoativos

MB lança cesta inteligente: estratégia prática para investir em criptoativos

A ferramenta é elaborada pelo MB Research, proporcionando autobalanceamento a cada 30 dias para manter o equilíbrio e aproveitar oportunidades de ganho
moeda e notas pendurada em um varal

Operação contra maior milícia do RJ revela que suspeitos compravam Bitcoin para lavar dinheiro

Fonte do dinheiro movimentado pelos suspeitos seria oriundo de grilagem de terras, extorsão contra comerciantes e exploração do transporte