Imagem da matéria: Tether religa impressora e emite um bilhão de USDT na rede Tron
Foto: Shutterstock

A Tether, empresa por trás da maior stablecoin do mundo, voltou a ligar as impressoras e emitiu US$ 1 bilhão de USDT no domingo (8), de acordo com Whale Alert. A nova safra de tokens foi emitida na Tron Network, a rede que saiu à frente do Ethereum e se tornou a principal emissora de tokens USDT.

Com essa nova emissão, a stablecoin bateu um novo recorde e alcançou uma capitalização de mercado de US$ 62,4 bilhões nesta segunda-feira (9), consolidando sua posição como a terceira maior criptomoeda do mercado, atrás apenas do Bitcoin (BTC) e do Ethereum (ETH).

Publicidade

Desde que o mercado cripto entrou em correção no final de maio, a Tether deu uma pausa nas emissões de USDT. À medida que o BTC voltou a subir e valer US$ 45 mil pela primeira vez em três meses, no entanto, a Tether retomou a prática.

O CTO da Tether, Paolo Ardoino, disse no Twitter que os tokens foram criados para repor o estoque de USDT na rede Tron:

“Observe que esta é uma transação autorizada, mas não emitida, o que significa que esse valor será usado como estoque para as solicitações de emissão do próximo período e trocas em cadeia”.

Reservas da Tether

A Tether é alvo de constantes críticas na comunidade cripto pela falta transparência sobre suas reservas. A empresa costumava afirmar que para cada USDT emitido no mercado tinha um dólar equivalente em caixa.

Publicidade

O problema fez a Tether enfrentar um processo judicial complicado com os reguladores. Em abril, a procuradoria-geral de Nova York condenou a empresa a pagar uma multa de US$ 18,5 milhões por mentir sobre o lastro da stablecoin e falsificar auditorias.

Em maio, a empresa detalhou suas reservas pela primeira vez desde 2014 e mostrou que menos de 3% de todos os USDT eram lastreados em dinheiro, diferente de alegações anteriores.

Quando a Circle e a Paxos divulgaram as auditorias de suas stablecoins no final de julho, os executivos da Tether se comprometeram em fazer o mesmo em breve, mas não informaram uma data precisa.

A empresa publicou nesta segunda um relatório de garantia produzido pela Moore Cayman, uma firma baseada nas Ilhas Cayman, que atestou as reservas de UDST no dia 30 de junho. O documento, no entanto, não representa uma auditoria completa.

Publicidade

De acordo com o relatório, a Tether possuía US$ 62,7 bilhões em caixa naquele dia. Desse total, quase metade (US$ 30,8 bilhões) era respaldado por papel comercial e certificados de depósito, e apenas 10% da reserva de USDT (US$ 6,2 bilhões) vinham de dinheiro e depósitos bancários.

VOCÊ PODE GOSTAR
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
Tela de celular mostra logotipo Drex- no fundo notas de cem reais

Banco Central adia Drex para realizar novos de testes de privacidade

BC explica que primeira fase de testes foi focada em elementos de privacidade, mas as soluções encontradas “ainda não estão maduras”
Imagem da matéria: Caso Sbaraini: advogado tenta acordo, mas vítimas podem demorar 5 anos para recuperar investimentos

Caso Sbaraini: advogado tenta acordo, mas vítimas podem demorar 5 anos para recuperar investimentos

A Sbaraini, que operava criptomoedas, parou de pagar seus clientes após uma operação da Polícia Federal apontar para um esquema de lavagem de dinheiro dentro da empresa
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns