Pirâmide montada com notas de dólar
Shutterstock

O consultor de segurança cibernética John Reed Stark, que atuou na Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) por 18 anos, disse em um tweet no fim de semana que a Tether (USDT), maior stablecoin do mercado, pode ser um esquema ponzi e que a empresa por trás da criptomoedas é “um castelo de cartas”, o que remete a ‘pirâmide financeira’.

Stark se refere a uma pergunta antiga que permeia o mercado cripto há anos, que é sobre o lastro da USDT, atualmente com um market cap de US$ 65 bilhões, o terceiro maior. A empresa por trás da stablecoin, Ifinex, que também controla a exchange Bitfinex, sempre foi criticada por atores do setor pela falta de transparência nesse quesito.

Publicidade

Seu comentário, contudo, foi uma crítica a uma entrevista feita pela CNBC na última sexta-feira (02) com o cofundador da Tether, Reeve Collins, que, segundo Stark, não foi capaz de ser claro sobre o lastro do USDT em um mercado ainda abalado pelo colapso da FTX. Ele então escreveu no Twitter:

“Uau, diga-nos que o Tether está executando um esquema Ponzi sem nos dizer que o Tether está executando um esquema Ponzi. Apenas ouça suas respostas. Na minha humilde opinião, como ex-funcionário da SEC de 18 anos, a evasão/desvio/falta de capacidade de resposta me faz acreditar que o Tether é um castelo de cartas”.

Na semana passada em um publicação no LinkedIn, Stark também comentou pontos negativos em sua visão sobre o setor cripto, através de uma coletânea de notícias. Com um texto intitulado ‘Tachar o setor de criptomoedas de esquema Ponzi não é exagero – é o óbvio’.

Lastro da Tether (USDT)

Em setembro deste ano, uma juíza de Nova York ordenou que a Tether produzisse documentos financeiros que comprovem que a criptomoeda possui lastro em dólares, como parte de uma ação judicial que alega que a empresa manipulou o mercado cripto. 

Publicidade

Vale lembrar que pela regra das stablecoins, para cada unidade de ativo emitida em blockchain deve haver US$ 1 dólar de reserva, no caso da Tether — mas existem stablecoins lastreadas em outras moedas fiduciárias, com euro, por exemplo, mas a regra é não é diferente.

Apesar de ainda não existir uma lei específica que obrigue a comprovação de fundos de stablecoins, tanto reguladores quanto  investidores vãos empresa ficar com o pé atrás se o ativo pode ou não cair em derrocada, como ocorreu com a Terra LUNA.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: El Salvador já minerou R$ 154 milhões em Bitcoin usando energia de vulcão

El Salvador já minerou R$ 154 milhões em Bitcoin usando energia de vulcão

A mineração de Bitcoin é feita com energia do vulcão Tecapa, usando 300 processadores voltados para essa atividade
Imagem da matéria: Hacker se arrepende e planeja devolver R$ 365 milhões roubados de investidor de Bitcoin

Hacker se arrepende e planeja devolver R$ 365 milhões roubados de investidor de Bitcoin

O autor de um golpe de “envenenamento de endereço” parece estar pensando duas vezes depois de roubar US$ 71 milhões de um grande investidor
Logo da ftx, dólares e bitcoin

Analistas preveem alta no mercado cripto com ressarcimento bilionário a clientes da FTX

A FTX deve cerca de US$ 11 bilhões a credores, mas a massa falida conseguiu levantar mais de US$ 14 bilhões
Presidente do Banco Central Roberto Campos Neto falando diante de um microfone

Presidente do Banco Central se reúne com MB um dia após anunciar agenda da regulação do mercado cripto

O Banco Central divulgou ontem os próximos passos para a regulação do setor cripto e espera concluir o processo até o final de 2024