ingresso nft sympla
Foto: Shutterstock

A empresa de eventos Sympla anunciou nesta quinta-feira (23) que irá transformar os ingressos de shows e eventos que vende em sua plataforma em tokens não fungíveis (NFTs), em uma estratégia focada em dar mais segurança para os usuários e evitar falsificações.

Por meio da blockchain, tecnologia que surgiu através das criptomoedas, a empresa fará a tokenização dos ingressos, que passarão a ter dados e características únicas registradas na rede, o que permite o rastreio e evita a duplicação.

Publicidade

Para realizar o projeto será usada a solução da Polygon, rede de segunda camada baseada na blockchain do Ethereum, com a colaboração da infraestrutura da startup de Web3 Lumx, que já fez NFTs para marcas como Reserva, Meta e Coca-Cola.

“A Sympla garante, com esse passo crucial, uma camada adicional de segurança tanto para os produtores quanto para os compradores. […] Com ingressos tokenizados e um novo aplicativo repleto de recursos, a Sympla está pavimentando o caminho para o futuro do entretenimento e das experiências de eventos”, disse em nota Roberto Mameli, CTO da empresa.

A Sympla afirma que o uso de blockchain abre portas para possibilidades adicionais, como a coleção de ingressos, que podem se tornar itens exclusivos e valiosos — um atrativo adicional para os compradores.

Ao Portal do Bitcoin, o co-CEO na Lumx, Caio Barbosa, analisou que até então, o uso da blockchain para ingressos estava limitado a experimentos em pequena escala e eventos menores.

Publicidade

“A partir de agora, os milhões de usuários da Sympla ganharão acesso a um aplicativo completamente redesenhado, com uma carteira inicialmente para armazenar ingressos tokenizados e que trará mais recursos empolgantes no futuro”, projeta.

Mercado secundário de ingressos

A Sympla também cita a possibilidade de criar um mercado secundário de ingressos baseado em blockchain. Isso traria segurança para pessoas que desistem de ir a um evento e desejam repassar o ingresso, já que essa negociação aconteceria praticamente de uma forma “oficial”, registrada na blockchain.

Nesse modelo, a Sympla sinalizou a criação de royalties nas vendas secundárias, permitindo que os produtores também lucrem quando um ingresso é revendido.

“Essa abordagem não só beneficia os produtores, mas também ajuda a reduzir drasticamente a atuação de cambistas e a venda de ingressos falsos, garantindo que todos os envolvidos desfrutem de uma experiência mais transparente e confiável”, diz a empresa.

Publicidade

Para um futuro próximo, a Sympla quer oferecer POAPS (protocolo que valida que você participou de um evento) e gamificação, além de outras possibilidades que estão sendo avaliadas, como iniciativas de fidelização e até a compra de ingressos usando créditos dentro da plataforma.

VOCÊ PODE GOSTAR
camisas das seleções da itália e Argentina

Socios.com lança colecionáveis que celebram o legado das seleções da Itália e Argentina

Para participar do ‘The Fabric of Champions’, os detentores de fan tokens podem bloquear seus ativos até 15 de julho
Rio de Janeiro

ABcripto e Invest.Rio firmam acordo de cooperação para impulsionar educação financeira no Rio de Janeiro

Acordo prevê iniciativas que incluem intervenções educacionais, pesquisas, eventos, workshops, concursos, campanhas e cursos
Imagem da matéria: ETF de Bitcoin da BlackRock supera 300 mil BTC sob gestão

ETF de Bitcoin da BlackRock supera 300 mil BTC sob gestão

Na semana passada, o ETF de Bitcoin da BlackRock já havia superado o da Grayscale e se tornado o maior do mercado em ativos sob gestão
Anic de Almeida Peixoto Herdy é casada com herdeiro da Unigranrio

Polícia recupera R$ 790 mil em Bitcoin pagos a sequestradores de advogada brasileira

Segundo os investigadores, suspeito usou o nome do marido da vitima para fazer conta em plataforma de criptomoedas