Imagem da matéria: Stone bloqueia contas e confisca dinheiro de vendedores de Bitcoin
Foto: Shutterstock

Os grandes bancos não são os únicos a dar dor de cabeça para integrantes do mercado de criptomoedas com bloqueios de contas. Pelo menos três negociantes P2P de bitcoin e uma exchange ouvidos pelo Portal do Bitcoin tiveram suas contas junto à Stone bloqueadas pela empresa.

Em todos os casos o roteiro se repete: a Stone bloqueia contas nas quais vê movimentações que considera suspeitas e não permite que os titulares acessem o dinheiro ou consultem o saldo.

Publicidade

Também conhecida por atuar no mercado de maquininhas de cartão, a Stone também oferece contas digitais para pessoas física e jurídica. A fintech afirma em seu site contar com cerca de 450 mil clientes.

Bloqueio sem aviso prévio

Um dos afetados pelos bloqueios é a corretora Upcambio, que tem um total de R$ 57 mil retidos junto à Stone desde o começo de julho. A empresa vinha movimentando cerca de R$ 1 milhão por dia.

“Não teve qualquer aviso prévio. Simplesmente bloquearam e deixaram o dinheiro preso lá. Tive que fazer uma denúncia junto ao Banco Central e entrei com uma notificação extrajudicial para ver se pagam”, conta Bruno da Silva, responsável pela empresa.

Silva relata ainda que se colocou à disposição da fintech para mostrar todo o compliance que possui dos clientes, incluindo notas fiscais das operações. No entanto, nada disso tem convencido a empresa a liberar a conta:

Publicidade

“A Stone diz que vai ficar analisando minhas operações e que não tem previsão de me devolver o dinheiro”.

O empresário disse que vai recorrer à Justiça caso a Stone insista em não desbloquear a conta e o saldo.

Um P2P, que falou à reportagem na condição de anonimato, também teve a conta na Stone bloqueada sem aviso prévio, no último dia 20. As notificações, aliás, chegaram praticamente todas ao mesmo tempo.

“Primeiro recebi um e-mail que tinham desbloqueado a conta. No minuto seguinte recebi mais dois e-mails, um falando que a conta foi bloqueada e outro que a conta estava em analise. Depois no mesmo dia mais tarde recebo o e-mail de bloqueio permanente que informa que não vão devolver o dinheiro em conta.

Ele ainda tentou ao menos consultar o saldo retido pela Stone na conta, o que também foi negado pela empresa.

Publicidade

Reclamações ao BC

Um terceiro negociante de bitcoin que também pediu para não a identidade revelada, afirmou que já recorreu duas vezes ao Banco Central (BC) contra a Stone por bloqueios na conta digital.

“Na primeira eu tive um problema, que ao receber de uma exchange, acusaram como fraude. Aí bloquearam o valor, falaram que não iam devolver”. O dinheiro, conta o p2p, acabou liberado pouco após a queixa realizada junto ao BC.

Em julho, no entanto, após um cliente transferir erroneamente o valor referente a uma transação para sua conta física, vieram novos problemas e a Stone encerrou a conta em definitivo.

“Os atendentes me falaram explicitamente que iam reter o dinheiro e que eu não teria mais acesso aos fundos. Não quiseram nem liberar meu extrato bancário. Abri de novo chamada no Banco Central, eles responderam no prazo máximo falando que não iam devolver e eu entrei com processo”.

Enquanto o processo corre na Justiça, o P2P se vira para pagar as contas: “Esse mês não consegui nem fazer o valor pras custas da empresa. Basicamente vou fechar no vermelho por causa do dinheiro retido na Stone”

Publicidade

Descrença

O P2P Dyego Sowa também teve conta e saldo bloqueados pela Stone após realizar uma transação de R$ 150 mil. Ele se sente mais aliviado porque o valor retido na conta era pequeno, mas mostra descrença e descarta acionar instâncias como o Banco Central ou mesmo o Judiciário.

“Mesmo pagando os impostos pra Receita Federal e informando o banco que temos como comprovar as operações não resulta em nada. É sempre a história de desinteresse comercial. Processar é gastar dinheiro, até porque também não resulta em nada”, desabafa.

O pessimismo de Sowa é reforçado pelos problemas semelhantes que já enfrentou com outras instituições financeiras. “Não e a primeira vez que passo por isso. Itaú, Bradesco, BB, Nubank, Original, Sicredi, Inter, Caixa, Santander, C6 Bank e outros já me bloquearam e encerraram minhas contas pelos mesmos motivos”.

O que diz a Stone

Procurada pela reportagem, a Stone se pronunciou por meio de nota:

“A Stone não comenta casos específicos e afirma que possui políticas de gerenciamento de riscos que monitoram as transações de seus clientes para fins de prevenção a fraudes.”

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais
Imagem da matéria: '101 Perguntas sobre Bitcoin': Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

‘101 Perguntas sobre Bitcoin’: Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

A obra discorre os princípios técnicos da moeda até suas implicações socioeconômicas no contexto atual, de modo a proporcionar um entendimento profundo ao público geral
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
Imagem da matéria: Questões sociais são desafio para debate do Bitcoin, diz autor de livro da Editora Portal do Bitcoin

Questões sociais são desafio para debate do Bitcoin, diz autor de livro da Editora Portal do Bitcoin

“Parte técnica você descreve como funciona e acabou. Nas vacas sagradas leva um bom tanto de desconstrução de conceitos”, diz Breno Brito