Imagem da matéria: Startup Brasileira Vai Criar Shopping Center Digital de Serviços de Economia Compartilhada

A startup brasileira Letsfair nasceu com uma missão ambiciosa: descentralizar as relações de trabalho. O projeto começou há três anos, mas ganhou corpo desde janeiro deste ano.

A ideia, que a um primeiro momento pode parecer complexa, é criar um marketplace de aplicativos de economia compartilhada, usando um blockchain. Assim, por meio de um sistema de reputação, será possível criar equipes e contratar profissionais dentro da Letsfair e dividir os acordos de renda, trabalho e distribuição de responsabilidades e valores.

Publicidade

A Letsfair será uma plataforma colaborativa para o livre mercado e a economia compartilhada. Estimulará a geração de capital de reputação entre os indivíduos, para o estabelecimento de consenso na produção e negociação de bens e serviços de todas as naturezas.

Nesse verdadeiro shopping center de serviços digitais, a circulação de dinheiro será feita por meio de criptomoedas, o que dará mais fluidez na remuneração dos serviços. Assim, um empreendedor que estiver buscando uma equipe para algum projeto terá em mãos um sistema rápido e prático para encontrar os profissionais desejados — cada um com um sistema de pontuação por reputação nos trabalhos prestados e competências atestadas por outros.

O projeto é guiado por seis princípios fundamentais: Identidade, cujo foco é a proteção da privacidade dos usuários; Reputação, um valor essencial para um modelo baseado na confiança; Consenso, com compartilhamento de acordos de trabalho e remuneração; Propriedade Digital, com a emissão de ativos e certificados financeiros; Finanças; com criptomoedas como forma de pagamento; e Negociação, com aplicativos para relacionamentos e troca de valores.

Conforme Mateus Dias, ex-professor da PUC-Campinas e um dos fundadores da Letsfair, a empresa já está buscando parceiros para implementar os primeiros aplicativos e experimentar a plataforma. A Letsfair pretende construir cinco aplicativos com parceiros para evoluir o conceito e inaugurar seu marketplace.

Publicidade

A ideia fundamental é que as pessoas usem aplicativos de economia compartilhada dentro da rede da empresa, mas trabalhando pela segurança da privacidade dos dados. O projeto se baseia na construção de mecanismos de confiança entre as partes. Ou seja: quanto mais os usuários experimentarem esse tipo de estrutura de confiança, maior a disrupção nos sistemas existentes.

No futuro, até mesmo leis que reduzem o risco e que aumentam a segurança podem ser inspiradas no novo mecanismo, já que se insere em mundo no qual a reputação online é um dos ativos mais importantes para a segurança de novos negócios.

“Estamos construindo uma infraestrutura para que pessoas e empresas desenvolvam aplicativos de economia compartilhada e possam gravar dados na Blockchain. Nosso objetivo é criar essa ‘estrada digital’, mas quem vai construir os ‘veículos’ serão as pessoas e empresas parceiras”, explica Dias.

Para mais informações, acesse: https://letsfair.org/

Whitepaper: https://github.com/letsfair/whitepaper/wiki

VOCÊ PODE GOSTAR
Criptomoedas formam círculo com bitcoin no centro

Alta do Bitcoin torna criptomoedas o investimento mais buscado no Brasil em março

As criptomoedas superaram os CDBs e fundos de ações e multimercado no ranking do buscador de investimentos Yubb
Imagem da matéria: Os NFTs ficaram para trás com boom do Bitcoin – mas a Animoca ainda acredita nos tokens

Os NFTs ficaram para trás com boom do Bitcoin – mas a Animoca ainda acredita nos tokens

Na Paris Blockchain Week, o presidente da Animoca Brands, Yat Siu, discutiu a regulamentação da SEC, o ressurgimento do mercado de NFT e as finanças de sua empresa
Imagem da matéria: FBI intima participantes de evento de 2022 após roubo de dev do Bitcoin Core

FBI intima participantes de evento de 2022 após roubo de dev do Bitcoin Core

Dashjr, cofundador do pool de mineração Ocean, teve um montante de Bitcoin roubado que hoje vale mais de US$ 14 milhões
Imagem da matéria: PUPS sobe 81% em meio à briga por título de "primeira memecoin" do Bitcoin

PUPS sobe 81% em meio à briga por título de “primeira memecoin” do Bitcoin

A memecoin PUPS se vendeu como a primeira memecoin baseada na rede do Bitcoin, mas nem todos concordam